SÃO PAULO RECEBE NOVO TRÓLEBUS DE UMA SÉRIE PARA A HIMALAIA, DO CONSÓRCIO LESTE 4

Novo Trolebus Himalaia

Veículo segue normas de segurança, com saídas de emergência mais práticas e faixais refletivas na lataria, conforto, com corredor que permite melhor circulação de passageiros, e de acessibilidade com espaço para cadeira de rodas e cão guia. Foto: Marcos Galesi

Himalaia recebe primeiro trólebus de uma série de renovação da Capital Paulista
Veículo produzido pelas empresas Eletra, Mercedes Benz e Caio se destaca pelo silêncio e força de aceleração. Aposta da empresa operadora é em trólebus maiores, de 15 metros de comprimento

ADAMO BAZANI – CBN
Informações de MARCOS GALESI

A prometida troca de 144 trólebus pela Prefeitura de São Paulo até o final da gestão de Gilberto Kassab, em 2012, não deve se concretizar.
Mas pelo menos alguns ônibus elétricos novos serão colocados em circulação, minimizando a idade média da frota da Capital Paulista, que é alta.
Além disso, a vinda de novos trólebus é um sinal de que o poder público, depois da reivindicação da sociedade, organizada em movimentos em prol da mobilidade e do meio ambiente, não descartou a utilização dos silenciosos, confortáveis e não poluentes ônibus movidos a eletricidade.
Nesta terça-feira, dia 06 de setembro de 2011, o colunista do Blog Ponto de Ônibus, Marcos Galesi, que é técnico em transportes e vice-presidente do Movimento Respira São Paulo, esteve na garagem do Tatuapé, da Himalaia Transportes, pertencente ao Consórcio Leste 4, única operadora de trólebus da Capital Paulista e que atua predominantemente na zona Leste de São Paulo.
Ele acompanhou a chegada do primeiro trólebus de uma série de veículos que devem vir renovar a frota da Capital Paulista.
Trata-se de um ônibus cuja parte elétrica foi feita pela empresa Eletra, de São Bernardo do Campo, do grupo da Metra (operadora do Corredor ABD), motor Weg, carroceria Caio, modelo Millennium, chassi Mercedes Benz O 500 .
O veículo tem 12 metros de comprimento e conta com avançadas tecnologias de operação e para o conforto dos passageiros.
Além de todas as vantagens de um trólebus, como emissão zero de poluentes durante a operação e mais conforto, o veículo se destaca pelo nível de ruído, muito baixo, o que colabora com o combate à poluição sonora, enfrentada por cidades como São Paulo.
A força de tração do ônibus, principalmente com uma boa aceleração, é outra característica que chamou a atenção do colunista.
O ônibus elétrico obedece às mais modernas normas de conforto e acessibilidade, com faixas refletivas ao longo da lataria, corredores que permitem melhor circulação interna de passageiros, saídas de emergência mais práticas, controles mais modernos por parte do motorista, e espaço para cadeira de rodas e cão guia.
Este é o primeiro de pelo menos 25 modelos desta configuração que devem chegar à Capital Paulista.

Novo Trólebus Himalaia

Novo trólebus que vai prestar serviços na Capital Paulista. Veículo é moderno e incorpora evoluções tecnológicas. Além de seguir todas as normas de acessibilidade e segurança e de reunir todas as vantagens dos trólebus, como emissão zero de poluentes, nível de ruído é bastante baixo, o que ajuda a combater outro problema na cidade de São Paulo: a poluição sonora. Foto Marcos Galesi

A aposta da empresa Himalaia, no entanto, está nos trólebus de 15 metros.
Os veículos têm três eixos, chassis Scania e uma capacidade maior de transporte, ideal para linhas que apresentam lotação.
Ainda não há data para a chegada destes trólebus maiores, que também devem fazer parte da frota do Corredor ABD (São Mateus – Jabaquara, via Santo André, São Bernardo do Campo, Mauá e Diadema).
A unidade que está na garagem da empresa só aguarda a conclusão da documentação para que possa começar a prestar serviços nas ruas.

Novo Trolebus Himalaia

O trólebus Caio Millenniuim, Mercedes Benz O 500 M, com equipamentos elétricos da Eletra, de São Bernardo do Campo, é o primeiro de uma série de pelo menos 25 veículos com esta configuração: 12,20 metros de comprimento. Outro destaque do veículo é a força de tração, principalmente nas acelerações. Aposta da empresa operadora Himalaia, no entanto, é o trólebus de 15 metros que tem maior capacidade para transporte de passageiros. Foto: Marcos Galesi.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes, com informações de Marcos Galesi, técnico em transportes e vice-presidente do Movimento Respira São Paulo.

33 comentários em SÃO PAULO RECEBE NOVO TRÓLEBUS DE UMA SÉRIE PARA A HIMALAIA, DO CONSÓRCIO LESTE 4

  1. QUE A HIMALAIA E A METRA CONTINUEM FIRME E FORTE PELO RESTO DA VIDA !!!
    E QUE SEJAM BEM VINDOS ESTES TRÓLEBUS TANTO PADRON QUANTO OS DE 15 METROS . E QUE O 4 1774 SAIA LOGO DOS TESTES NÃO VEIJO A HORA DE EU PASSEAR NELE … ABRAÇOS PARA : ADAMO BAZANI E GALESI !!! FALOW !!!

  2. parabéns ! Mas um piso baixo é tão caro assim ?

  3. parabéns ! Mas um piso baixo total tão caro assim ?

  4. Boa noite.

    Para dialogar e não polemizar, pergunto:

    O Híbrido não é melhor alternativa, em virtude da ausência de linhas de transmissão, consequente agilidade, pois pode ultrapassar outro, mantendo a sustentabilidade, modelo de equipamento e objetivo deste tipo de ônibus ?

    Meu conhecimento é pequenino, perto dos demais, por isso pergunto.

    Abçs.

  5. Adamo,
    Comente melhor essa informação que a renovação prometida não será concretizada.

    • É simples Ricardo. É só fazer as contas, vamos lá.

      A Prefeitura prometeu que 144 trólebus novos seriam colocados em circulação at´pe 2012.

      Tivemos até agora, cderca de 20 tróblebus realmente novos, desde o inicio do mandato de Kassab.
      144 – 20 = 128 trólebus ainda precisando ser trocados.
      Aí veio o Ibrava, filho único.

      Restaram 127 trólebus para sewrem trocados.

      Aí veio este da matéria de hoje.

      Restam 126 trólebus novos.

      Se forem realmente entregues os 25 modelos deste Millennium Eletra, ainda, de acordo com a própria Prefeitura, restariam 101 para serem trocados. Vão vir os 15 metros, mas não serão nesta quantidade.

      Sendo assim, a meta dos 144 não deve ser cumprida, com base nos dados da própria prefeitura (eu não estou inventando números). E mesmno que a prefeitura qusesse, e tivesse dinheiro junto com o Consórcio Leste 4, a in´dústria não entregaria 101 trólebus até meados de 2012.

      • Adamo, entendi o pensamento, realmente pelo ritmo de troca de trolebus, vai precisar de mais 10 anos para se trocar os 140 trolebus.

  6. Caros amigos,
    torço muito pelos ônibus elétricos!
    Os ônibus elétricos fazem uma operação tão silenciosa que se a carroceria não for bem feita, rapidamente os usuários percebem, pois qualquer barulho oriundo da carroceria fica logo evidente.
    Bom feriado para todos.

  7. São 12 novos trolebus (11 Busscar LF e 1 Ibrava). Com mais 1 veículo Mercedes Eletra e outro veículo Scania Eletra, teremos 14 trolebus novos. O contrato previa 140 novos trolebus.
    Restariam então 126 veículos. A idéia é fechar ainda este ano 28 veículos. Restando 98 veículos.

    • Ou seja Samuel, não muito diferente dos 101 veículos que eu tinha como base. Assim, seria quase impossível mesmo Gilberto Kassab cumprir a promessa de renovação de 144 trólebus.
      Asiim como vai ser impossível cumprir 66 quilômetros de corredor…
      Melhorar o trânsito só com a retirada dos fretados …
      Aumentar a velocidade operacional dos ônibus de fato com faixas imporvisadas como na Radial Leste….
      ENFIM, SÃO PAULO E SEUS TRANSPORTES

  8. Galesitransportes // 7 de setembro de 2011 às 15:58 // Responder

    Eu sinceramente acredito que o total dos trolebus deverão ser entregues até o fim de 2013. Esperamos que o próximo prefeito seja a favor do sistema trolebus.

    Quanto à industria nacional, temos a ELETRA E A ILUMINATTI se cada uma montasse em torno de 70 trolebus aí sim daria para cumprir a meta de montarem até o final de 2012.
    No quesito Chassis e carroceria, eles podem ser entregues em até 4 meses. A questão é só de integração ou seja montagem da parte eletro eletrônica. Vamos torcer para que não mudem mais os projetos e que saia pra valer esta renovação.

  9. Galesitransportes // 7 de setembro de 2011 às 16:03 // Responder

    O que quero dizer é que dá para montar os trolebus, mas se houver seriedade, dá para se contratar mais técnicos para montar os trolebus, mas sabemos que este mercado é instável, não há estabilidade e uma empresa não pode se aventurar em contratar e depois não ter condições para se manter estes tecnicos. Já temos a experiência do Fura Fila que fizeram o protótipo e não houve pagamento, houve até a possibilidade de encomendas, mas naõ foi cumprido, este é o problema, o não cumprimento de contratos.

  10. Esse é o problema Galesi. SERIEDADE> O que não vemos na Política de Transportes.

    O empresariado, como da Eletra e da Iluminatti, são até audaciosos em investirem no trólebus, mas eles não vão se arriscar demais em grandes contratações e depois correrem o perigo de cancelamento das encomendas ou parte delas.

    Eu desejo que a frota de trólebus seja renovada e a meta cumprida…..Mas pelo histórico de nossos Governantes em realação ao trólebus (por exemplo, um dos fatores da falência da Ciferal teria sido o cancelamento de pedido de trolebus em 1982/1983) tenho minhas dúvidas.
    Espero estar errado

  11. Boa tarde.

    Pessoal ! Reitero a pergunta postada no início desta notícia. Por tudo o que vocês bem colocaram ao longo deste debate, não seria mais viável, o estímulo ao ônibus híbrido ???

    Até porque, me parece e, espero estar certo, o ônibus híbrido é ecologicamente correto e, mais viável, técnica e economicamente.

    É a minha opinião.

    Abçs.

    • Híbrido já foi provado que não vale o investimento, pegue de exemplo o que a martaxa fez , gastou rios de dinheiro com híbridos, destruiu carros bons fazendo uma conversão ridícula, e depois foram abandonados em pátios, o ônibus híbrido pode funcionar bem em outras localidades do mundo e no ABC (os da Metra ,que recebem tratamento diferenciado, com manutenção eficiente), mas na cidade de São Paulo eles não são viáveis no meu ponto de vista, os Trólebus são muito mais eficientes .

      • Gustavo Cunha // 7 de setembro de 2011 às 17:43 //

        Jefferson,

        Obrigado pelo esclarecimento. Fiz esta pergunta em virtude, do pouco que já li e ouvi a respeito.

        Em circulação por Sampa, creio, me utilizei pouquíssimas vezes do Trólebus, ainda na ocasião em que eram pintados na cor da CMTC, beginho e azul marinho, num modelinho antigo, mais, pelo menos firme.

        Quando por várias ocasiões, neste blog, falamos sobre a questão do transporte de passageiros, creio e, posso estar errado, no caso dos Trólebus, bem como, na operação de linhas deficitárias de ônibus; aí sim, caberia a sua operação através de uma empresa estatal que, esta sim, não pode visar lucro.

        Abçs.

      • Bruno Quintiliano // 8 de setembro de 2011 às 11:20 //

        Como os trólebus podem ser mais eficientes se são mais lerdos, toda hora tem que reduzir para passar em qualquer buraco (estes não faltam em São Paulo), não podem ultrapassar outros e sem contar que não existe poluição zero: isso é propaganda. A eletricidade vem de algum lugar. No Brasil já há um défcit na produção de energia sem a ampliação da rede de trólebus. o que vamos fazer? hidrelétricas no meio da amazônia, termelétricas, nucleares ou o que? essa questão da eletricidade me lembra uma matéria da folha de S Paulo de alguns meses atrás, que falava que o governo do estado de São Paulo estava incentivando grandes consumidores a adotarem o uso de geradores em horários de maior consumo para evitar apagões.

  12. Passos Dias Aguiar // 8 de setembro de 2011 às 01:30 // Responder

    Amigos,
    Uma pergunta, leiga: Por que ônibus Mercedes não chegam ao Brasil? Uma marca com tanta tradição e história no país. A holding DAIMLER (Daimler Busses – divisão de ônibus) tem várias marcas sob sua tutela, e opera brilhantemente pelo mundo.
    A Mercedes, pelas marcas CITARO, CapaCity, CONECTO – essas são máquinas maravilhosas e oferecem muita qualidade e conforto. A SETRA, que é a operação européia, fez até os ônibus das delegações na Copa do Mundo, e a ORION, que faz os ônibus confortáveis de Nova York, Boston e Los Angeles há décadas… Porque outras marcas não oferecem-se no país?
    Abraços!

  13. Caros, Adamo e Galesi:

    Sem pudor vim beber do conhecimento de vocês e suguei o que pude para criar um post sobre o tema no Blog Adote São Paulo, que tenho lá na Época SP. O tema é interessante e precisamos convencer as pessoas de que trólebus não é esta coisa velha e decadente que nossos administradores geraram. É o transporte do futuro. Evidentemente que no meu post dei todos os créditos a vocês dois, pesquisadores no setor. Não faço mais do que minha obrigação. Abraços e parabéns!

    • Milton, você é o pai deste Blog. Fique a vontade para usar as informações o quanto precisar.
      Forte abraço

    • galesitransportes // 8 de setembro de 2011 às 21:44 // Responder

      Amigo Milton Jung

      Eu me sinto honrado por ter contribuido com sua reportagem, estou sempre a sua disposição, sempre em parceria com o Adamo Bazani que precisa voltar logo para a CBN e na qual peço muito ao Papai do Céu que cure o Adamo o quanto antes.
      E pode contar sempre com minha contribuição pois cada dia quero contribuir com o melhor.
      Abraços
      Marcos Galesi

  14. Os trólebus são ao meu ver sim uma grande alternativa de transporte limpo e é sim 100% ecológico. Se a lógica de que não se deve gastar energia elétrica com trólebus, porque então não desligar todas as geladeiras ? A energia é a mesma e a lógica também. Ademais, o problemas não são as fontes de energias, mas sim a produção. Existe energia solar, eólica, entre muitas outras que são totalmente ecológicas.

  15. Amigos,
    Se o problema do trolebus fosse a energia (limpa e pura) que usa, teriamos que retira-la também do Metro, dos Trens de Passageiros e volta-los a disel/eletricos como já foram no passado, ou disel, carvão, lenha como alguns trens que ainda rodam pelo mundo dos transportes de carga.
    Quanto a velocidade dos trolebus, recente avaliação da velocidade dos corredores de onibus em São Paulo, o corredor de trolebus da av. Paes de Barros teve a maior velocidade entre eles, 18km/h enquanto Av. Inajar de Souza/Rio Branco a pior 11,5km/h. Isto é FATO.
    abraços

  16. galesitransportes // 9 de setembro de 2011 às 12:56 // Responder

    Amigos, eu desde já agradeço a postagem de todos.

    Vou postar alguns links interessantes diretamente do site da ANTP associação Nacional dos Transportes Públicos. Isso vai ajudar a esclarecer muitas dúvidas com relação à energia eletrica.

    http://portal1.antp.net/site/fs/Lists/infmtv/DispForm.aspx?ID=418
    http://portal1.antp.net/site/brsl/Lists/Prdcs/DispForm.aspx?ID=147
    aqui abaixo no proximo link só para ter uma idéia, há um gráfico na página 35 na qual está o total gasto de energia elétrica em todo transporte em todo o Brasil.

    http://meusite.mackenzie.com.br/professor_cucci/texto13.pdf

    Espero que algumas dúvidas levantadas possam ser dirimidas.
    Abraços

    • Galesi
      As informações são incontestáveis.
      Gostaria somente de frizar que os dados de consumo apurados se referem a 1996, ocasião em que São Paulo operava mais de 500 trolebus, e poucos quilometros de metro e quantidade pequena de trens circulando. Hoje esse quadro estaria muito diferente, tendo ferrovias e metro com muito mais consumo enquanto os trolebus apresetariam taxas muito mais baixas, devido a má gestão e descaso dos administradores em relação ao veículo.
      abraços,

      • Marcos Galesi // 10 de setembro de 2011 às 15:14 //

        Amigo Jair

        Mesmo que o gráfico seja de 1996, até hoje a totalidade de energia eletrica gasto no transporte chega a 1%.
        Eu estou apurando junto a ANTP se os parâmetros ainda continua, mas creio eu que ainda não chegamos à 10%.

        abraços
        Marcos Galesi

  17. Bruno quintiliano // 9 de setembro de 2011 às 18:34 // Responder

    Não disse pra ninguém desligar a geladeira, mas essas fontes alternativas são caras e para utilizá-las em larga escala serão necessárias grandes áreas pra gerá-las. E sem esse consumo a mais o país já tem problemas na geração de energia. O híbrido é ruim mesmo ou pesa no bolso dos empresários?

    • Amigo Bruno Quintiliano saudações

      A energia elétrica é ideal por ser energia renovável em todos os sentidos, e inclusive até a energia do calor dos resistores podem ser utilizados ou seja pode haver um aproveitamento total da energia elétrica, em momento oportuno com mais algumas informações, vou fazer uma matéria detalhando isso. Com relação aos ônibus Hibridos, o projeto é interessante e é para longo prazo, creio que o universo que temos na cidade de São Paulo, há lugar para todos os modais, tudo é questão politica,e como o prefeito pensa. Já os trolebus é alternativa mais viável em corredores de ônibus na qual é imbatível.

      Obrigado pela participação abraços.

  18. Exatamente. A eletricidade gerada por hidroelétricas é a forma menos agressiva ao meio ambiente. Nos trólebus ela é bem utilizada com índices de 90% de aproveitamento. Os híbridos que foram fabricados no Brasil até hoje apresentaram péssimo desempenho, não sendo compatíveis com as ruas paulistanas, além de continuarem poluindo quase igual a um ônibus diesel. O trólebus é a solução mais viável a curto e médio prazo.
    E complementando o que o amigo Galesi disse, os trólebus são imbatíveis nos corredores, mas também nas vias compartilhadas, desde que mantida uma manutenção rigorosa do veículo e da rede.
    O que é melhor: Um ônibus diesel parado no congestionamento em ponto morto emitindo gases poluentes ou um trólebus parado no trânsito não emitindo nada e quase não consumindo energia elétrica??

    • Vitor
      Pensava assim sobre hidrelétricas, mas inundar áreas enormes é agressão inportante ao meio ambiente e ecossistema, além de promover desapropriações em larga escala. Por favor, não sou contra: apenas recordo que tem vários senões.

      Praticamente todas as grandes montadoras hoje estão investindo em híbridos, retornando resultados cada vez melhores. Custo inicial e manutenção ainda são caros, sem dúvida.

      Quanto à condição de pavimentação das nossas ruas, é o tipo de coisa que nenhum cidadão deveria aceitar. Mas passam os anos e não se resolve este verdadeiro câncer nacional.

  19. Amigo Vitor

    Vou além do seu raciocínio. Com a nova tecnologia dos trolebus é possivel o aproveitamento da Energia Elétrica em 100%. abs

  20. interessante a discussão… eu tinha proposto uma discussão semelhante na comunidade Ônibus São Paulo http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=39637010&tid=5649281930252066441 ….

  21. Olá, eu sou o Rodrigo, tenho 30 anos e moro no Grajaú; eu tenho certeza que, infelizmente, 8 anos se passaram e os trólebus em geral, que operavam os bairros das zonas norte, sul e oeste, estão cada vez mais parados e até podres nas garagens das empresas. Até hoje a maioria dos trólebus só circulam os bairros das zonas central e leste e nos outros bairros em geral só circulam os ônibus movidos ao óleo diesel normal e poluente; a grande parte da população está morrendo vítima de problemas respiratórios e os pulmões estão cheios de fumaça do óleo diesel. Por isso nós preferimos encher os nossos olhos de fios aéreos que se instalam nos postes aéreos do que encher os nossos pulmões de fumaça do óleo diesel que causa as graves doenças nos nossos pulmões, porém, os políticos, os governadores e os prefeitos não estão nem aí com essa providência que está sendo tomada por todas as pessoas devido as questões, as discussões e até as burocracias polêmicas e por isso até hoje esses projetos dos trólebus que circularão os 96 bairros distritais e periféricos da cidade de São Paulo não saíram do papel. Nós estamos todos indignados com essa situação e queremos que os trólebus voltem a circular os bairros das zonas norte, sul e oeste e, além dos bairros das zonas central e leste, coloquem e implantem os trólebus nas linhas das empresas de ônibus 1 (verde claro), 2 (azul escuro), 3 (amarelo claro), 4 (vermelho claro), 5 (verde escuro), 6 (azul claro), 7 (vermelho escuro), 8 (laranja) e 9 (cinza) em 96 bairros distritais e periféricos da cidade de São Paulo e também em todos os terminais de ônibus, principalmente nos terminais Grajaú e Varginha. Vamos todos cobrar dos políticos, dos governadores e dos prefeitos. Se a providência não for tomada com a urgência e nem sair do papel, todos nós ficaremos cada vez mais tristes com essa situação; mas, se ela for tomada com a urgência e sair do papel, aí sim que todos nós ficaremos alegres e gratos. A partir deste momento São Paulo vai começar a mudar de uma vez por todas para melhorar o ar que respiramos e anunciar a propaganda dos trólebus que serão implantados em todos os 96 bairros distritais e periféricos de São Paulo dentro e fora do horário eleitoral e político em todas as emissoras de rádio e de televisão e também em todos os jornais e em todas as revistas. E outra coisa: todos os ônibus movidos a óleo diesel têm os motores barulhentos, soltam muita fumaça, são desconfortáveis e deixam todas as pessoas doentes porque algumas não agüentam mais ficar o tempo todo em pé e as outras não agüentam mais ficar o tempo todo sentadas, enquanto dentro de todos os ônibus estão cheios demais 24 horas durante 7 dias por semana (de domingo a sábado) e 12 meses por ano (de janeiro a dezembro); mas todos os trólebus movidos a eletricidade aérea são bem diferentes: eles têm os motores silenciosos, não soltam muita fumaça, são bem confortáveis e chegam até melhorar o ar que respiramos a mesma coisa acontece com o metrô. Quando eu era criança, eu morava no Capão Redondo próximo ao Campo Limpo com o Morumbi e o Butantã, onde até hoje não circulam todos os trólebus e hoje eu moro no Grajaú próximo a Parelheiros depois de Interlagos, onde até hoje também não circulam todos os trólebus e os 96 bairros como eu citei todos eles. Vamos todos colaborar com os projetos de mais de 27 milhões de trólebus que serão apresentados, analisados, testados e implantados direitinho para que eles saiam do papel com o prazo marcado para o tempo correto, definido e determinado através do programa expandido da prefeitura e do governo chamado “POLUIÇÃO ZERO” que será fundado em janeiro de 2012 ou janeiro de 2013. Vamos testar mais de 27 milhões de trólebus com as baterias recarregáveis, as alavancas automáticas que levantam e abaixam as muletas, a ventilação forçada e o gás natural quando acontece um blecaute, ou seja, a falta de energia elétrica que atrapalha os trólebus e o trânsito, vamos também tapar todos os buracos das vias públicas e colocá-los em ação em 96 bairros distritais e periféricos, para que não aconteça a falta de energia elétrica, que os trólebus andem com a energia desligada através das baterias recarregáveis, das alavancas automáticas que levantam e abaixam as muletas, da ventilação forçada e do gás natural e que os trólebus nunca mais sejam extintos como aconteceu no governo da então prefeita Marta Suplicy que simplesmente acabou com todos os trólebus, menos na Zona Leste e no Centro da cidade. A Marta era a boa prefeita, mas ela não deveria odiar todos os trólebus à eletricidade e sim odiar todos os ônibus ao diesel porque ela sabe muito bem que os trólebus à eletricidade purificadora têm os motores silenciosos, não soltam muita fumaça, são bem confortáveis e até melhoram o ar que respiramos assim como o metrô e sabe que os ônibus ao diesel poluidor têm os motores barulhentos, soltam muita fumaça, são desconfortáveis e deixam todos doentes, tanto os que ficam em pé o tempo todo como os que estão sentados o tempo todo. Não só em São Paulo inclusive capital, região metropolitana inclusive Osasco e região e Guarulhos e região, litoral e interior, mas em 26 estados brasileiros inclusive capitais, regiões metropolitanas, litorais e interiores de todo o Brasil e os 42.000 ônibus a diesel se transformarão em trólebus a eletricidade. Eu faço a pergunta: Qual é a diferença entre os postes aéreos e os postes subterrâneos? A diferença é que muitos dizem que os postes aéreos poluem visualmente a cidade, porém não é verdade; os trólebus funcionam através dos postes aéreos de concreto. Se os trólebus param de rodar por falta de energia, a Eletropaulo faz manutenção correta e eficaz; Mas, se eles são retirados e removidos, como é que ficam os trens das estações e as torres que estão nos matos vazios? Os carros, as motos, os caminhões e os ônibus batem nos postes de concreto e as árvores caem sobre eles e aí é a falta de energia elétrica. Os postes aéreos representam a segurança em todas as vias públicas. Agora a diferença é que não adiantam colocar os postes subterrâneos de metal e enterrar os fios e cabos porque os ladrões quebram os tampões, roubam os fios e os cabos e até os transformadores, os animais roedores vivem embaixo do solo para eles roerem os fios os cabos, durante a enchente esburacam as vias públicas, eles ficam expostos e quem pisa nos fios e nos cabos expostos morre eletrocutado, os carros, as motos, os caminhões e os ônibus batem também nos postes de metal e as árvores caem sobre os postes de metal e até os transformadores explodem e pegam o fogo, como acontece lá no Rio de Janeiro. A diferença é que os postes aéreos são de concreto e os postes subterrâneos são de metal. Atenção todas as pessoas que moram em Santo Amaro, na Zona Sul, em Pinheiros, na Zona Oeste, na Casa Verde e no Tucuruvi, na Zona Norte e também de todo o Brasil, não fiquem tristes com essa situação dos trólebus que apodreceram porque a partir de janeiro de 2012 ou janeiro de 2013 mais de 42.000 ônibus a diesel se converterão em os trólebus a eletricidade e a partir daí todas as pessoas de todo o Brasil ficarão alegres e contentes ao receberem os trólebus que circularão em 27 estados brasileiros e o Brasil respirará o ar mais fresco, mais puro, mais limpo, mais forte e mais saudável. Em todo o Brasil mais de 85.000 ônibus a diesel antigos servirão para escolares e também para as polícias militares e civis e até para as guardas civis metropolitanas para a transferência de presos para os presidiários, desde que eles tenham as boas condições de uso. Atenção SPTrans, e todas as empresas de ônibus de todo o Brasil, acabem de uma vez por todas com a burocracia maldita, transformem os 42.000 ônibus a diesel em trólebus a eletricidade, implantem mais de 27 milhões de trólebus, ouçam e coloquem em prática as palavras do presidente do PRTB – Partido Renovador Trabalhista Brasileiro Levy Fidélix: “Os impostos e os custos altos dos trólebus têm que diminuir bastante até zerar todos eles totalmente o mais rápido possível.” E tem mais novidades: Entre outubro e novembro, todo o final de ano acontece a última prova do grande prêmio do Brasil de fórmula 1 no autódromo de Interlagos, na zona sul de São Paulo e no autódromo de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro e em várias ruas, avenidas e praças dos autódromos de Interlagos, em São Paulo e de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, mais de 27 milhões de trólebus, que circularão entre 2012 e 2013 em todo o Brasil terão nos itinerários o expresso fórmula 1 para mais de 250.000 pessoas que moram e assistem a corrida de fórmula 1 e para que várias pessoas possam ter o prazer em andar de trólebus. A Eletropaulo que trocou os postes e de todos os materiais deles e também trocou as lâmpadas de mercúrio por lâmpadas de vapor de sódio está fazendo a reforma geral em 6 tipos de lumináriasantigas que foram fabricadas no fim dos anos 60 e no início dos anos 70 para recolocar os 6 tipos de luminárias antigas e reformadas em todos os postes e em todos os 96 bairros distritais e periféricos de São Paulo, em Santos e em Sorocaba e região e terão em 6 tipos de luminárias antigas e reformadas vários pontos de lâmpadas de vapor de sódio das cores amarelas e brancas intensas e fortes para segurança noturna. E, além de implantar mais de 27 milhões de trólebus em todo o Brasil através do programa “POLUIÇÃO ZERO”, vamos implantar também mais de 27 milhões de micro trólebus a eletricidade e gás natural para que eles também andem com a energia desligada com a ventilação forçada, as baterias recarregáveis e as alavancas automáticas que levantam e abaixam as muletas em todo o Brasil e em São Paulo e os 96 bairros distritais e periféricos da capital paulista, transformando os microônibus a diesel em micro trólebus a eletricidade. Vamos também regular os motores dos caminhões, dos ônibus turísticos, escolares, etc…, os carros e as motos para melhorar o ar da grande cidade e eu quero que todos do Brasil inteiro me respeitem como eu respeito a todos. A partir de agora não vamos mais dizer que os trólebus e os micro trólebus são caros e que não pagam a manutenção e a conta cada vez mais alta, pois agora vamos dizer que os trólebus e os micro trólebus serão baratos que vão pagar a manutenção e a conta cada vez mais baixa. “Será que eu estou certo ou estou errado? Me ajuda aí, pelo amor de Deus!” eu disse como o José Luiz Datena. Que tal instalar os cabos aéreos para os trólebus na Avenida Interlagos, Avenida Washington Luís, Avenida Moreira Guimarães, Avenida Rubem Berta, Avenida 23 de Maio, Avenida Paulista, na Rua da Consolação e até nas marginais Tietê que liga as zonas norte, leste, Guarulhos e região e Pinheiros que liga as zonas sul, oeste, Osasco e região? Quando fala do Brasil inteiro, quer dizer que vai de leste a oeste e de norte a sul, concluindo as 5 regiões brasileiras. E, quando fala da cidade de São Paulo, quer dizer que vai de leste a oeste e de norte a sul da cidade de São Paulo e, quando fala do estado de São Paulo, também quer dizer que vai de leste a oeste e de norte a sul do estado de São Paulo. A partir de agora e no futuro bem próximo vamos aumentar bastante o grande número de trólebus em todo o Brasil, concluindo 5 regiões brasileiras, 27 cidades brasileiras e 27 estados brasileiros. Que todos possam e devem concordar e colaborar comigo, vamos aceitar esse desafio, arregaçar as mangas, entrar no acordo e mãos à obra. Tragam as boas notícias para as todas as pessoas de todo o Brasil e todas as pessoas de todo o Brasil vão dizer o seguinte: “Adeus, ônibus e microônibus movidos ao óleo diesel poluidor do ar e sejam bem-vindos, trólebus e micro trólebus movidos à eletricidade purificadora do ar!” Aí os trólebus são transportes turísticos e históricos que no futuro nunca mais serão extintos e abandonados como se fosse o lixo e todas as pessoas de todo o Brasil andarão sempre nos trólebus totalmente confortáveis para que todo o Brasil seja o país mais forte, saudável, puro e limpo.

    outra vez estou enviando a minha matéria sobre os trólebus como eu enviei no ano passado para as páginas da internet sobre os trólebus.
    Agora eu faço a pergunta: Qual é a diferença entre os ônibus híbridos e os trólebus híbridos?
    A diferença é que os ônibus híbridos são movidos a óleo diesel e a eletricidade sem as duas muletas que alimentam os cabos aéreos e flexíveis, poluem o ar de todas as grandes cidades do Brasil e deixam todas as pessoas tão doentes que elas gastam os milhões de reais em dinheiro com os remédios que não curam direito devido a poluição do ar que é igual o cigarro que provoca o câncer nos pulmões, na boca e várias outras partes do corpo e mata as pessoas.
    É por isso que todos os hospitais estão cheios de pessoas que estão internadas com os problemas respiratórios por causa da poluição que contamina o ar que respiramos e o meio ambiente.
    Agora a diferença é que os trólebus híbridos são movidos a gás natural e a eletricidade com as duas muletas que alimentam os cabos aéreos e flexíveis, não poluem o ar de todas as grandes cidades do Brasil e melhoram o estado de saúde das pessoas e o meio ambiente.
    Nós vamos mandar o prefeito Gilberto Kassab e o governador Geraldo Alckimin implantarem os 27 milhões de trólebus híbridos movidos a gás natural e a eletricidade com as duas muletas que alimentam os cabos aéreos e flexíveis em todas as cidades brasileiras e em todos os estados brasileiros para que eles andem com a energia elétrica desligada com as duas muletas levantadas ou abaixadas através das baterias recarregáveis, da ventilação forçada, do gás natural e das alavancas automáticas; de agora em diante todos os trólebus híbridos não só circularão no Centro e na Zona Leste, nem nos 96 bairros distritais e periféricos da cidade de São Paulo e nem todo o estado de São Paulo.
    Eu vou avisar a todos que andam de ônibus a diesel e de ônibus híbridos em todo o Brasil pela última vez: Se todos os trólebus a eletricidade e todos os trólebus híbridos não forem implantados entre janeiro de 2012 e janeiro de 2013 e se forem desativados de novo como aconteceu há 50 anos atrás no Brasil e no início de 2001 por todos os bairros, menos na Zona Leste e no Centro da cidade de São Paulo, infelizmente todos ficarão mais tristes, decepcionados, ficarão mais doentes e até morrerão de problemas respiratórios nos hospitais, em casa, etc…
    A ECOFROTA foi fundada no dia 13 de fevereiro de 2011 pelo prefeito Gilberto Kassab e é o programa do biodiesel que polui menos o ar e serve para os caminhões, ônibus turísticos, escolares e vários outros serviços públicos e tratores; mas os trólebus e os trólebus híbridos são os melhores transportes públicos que não poluem o ar e nem ameaçam a saúde e o meio ambiente.
    Por isso a partir de janeiro de 2012 ou janeiro de 2013 serão implantados os 27 milhões de trólebus híbridos e 27 milhões de trólebus a eletricidade e eles circularão por todo o Brasil.
    O que todos nós estamos esperando para termos os 27 trólebus e os 27 trólebus híbridos em todo o Brasil?
    Será que vão demorar a sair do papel por todos os séculos?

1 Trackback / Pingback

  1. PARABÉNS SISTEMA TRÓLEBUS. 66 ANOS DE MUITAS HISTÓRIAS, E MUITAS FOTOS | Nosso transporte público

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: