EMPRESAS SUSPEITAS DE MAQUIAREM ÔNIBUS VELHOS

Eucatur Transamazônia Usado
Ônibus usado da Transamazônia (Eucatur). Ao lado da Viação São José (antiga Vitória Régia) empresa é acusada de “maquiar” ônibus antigos, usados em outras regiões, e apresentar como novos no sistema de Manaus, no Amazonas. Ministério Público e Polícia Civil devem investigar o caso que foi levantado por um vereador local. Ao tentar registrar a possível modificação dos ônibus, o parlamentar foi agredido e teve a máquina fotográfica quebrada por funcionários da Transamazônia – Eucatur.

Suspeita de ônibus velhos sendo maquiados como novos no Sistema de Manaus vira caso de Polícia
Suposta prática de reforma de carrocerias novas para a colocação em chassis mais antigos teria acontecido nas empresas Transamazônia e São José

ADAMO BAZANI – CBN

O Ministério Público Estadual do Amazonas e o 6º DIP (Distrito Integrado Policial) do Amazonas devem investigar a denúncia de que as empresas de ônibus operadoras do sistema local, Transamazônia (antiga Eucatur) e São José (antiga Vitória Régia) supostamente estariam “maquiando” veículos antigos, inclusive que só prestaram serviços em outras localidades, e apresentando esses ônibus como novos.
O caso foi levantado pelo vereador Waldemir José quando foi levantar a denúncia do jornal local “A Crítica” de que ônibus que deveriam estar em cumprimento de serviços ficavam parados nas garagens nos horários de pico.
Na garagem da Viação São José, que seguindo a Prefeitura de Manaus, recebeu novos ônibus, só havia veículos antigos na vistoria feita pelo vereador.
Já na garagem da antiga Eucatur, a Transamazônia, a situação foi bem pior.
O vereador fotografou ônibus antigos sendo montados e carrocerias mais novas sendo colocadas em chassis antigos. Segundo Waldemir José, peças eram recondicionadas, e os ônibus eram pintados para dar a impressão de novos.
Ainda nesta garagem, o parlamentar disse que foi agredido por funcionários da Transamazônia, quando perceberam que ele estava registrando imagens da suposta maquiagem dos veículos.
Além de ter sofrido escoriações, o vereador teve a lente da câmera fotográfica dele quebrada.
O jornal “A Crítica” foi avisado pelo vereador e ao tentar entrar na garagem da Transamazônia também foi impedido, desta vez pelo advogado da empresa, Talvani Brito.

O OUTRO LADO:

O Sinetram – Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Amazonas, que representa as viações, afirmou que não há “maquiagem” dos veículos e que os ônibus são pintados por questões puramente estéticas. O ano de fabricação, segundo a entidade, é identificado pelo número do chassi do veículo, que não é alterado.
Quanto à suposta agressão sofrida pelo vereador, o Sindicato Patronal afirmou que ele foi retirado da garagem porque entrou sem se identificar e que o acesso da imprensa aos pátios das empresas não pode ser impedido, desde que o jornalista se identifique e peça a visita.

Não é de hoje que os grupos ligados às empresas citadas são suspeitos de colocarem em funcionamento ônibus reformados e apresentá-los como novos.
O poder público vai acompanhar com mais rigor a atuação das viações.
Manaus anunciou a maior renovação de frota de ônibus municipal de todo o País, neste ano.
Ao todo devem ser colocados 900 ônibus novos nas ruas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes