SUSPENSÃO DE AUMENTO DE TARIFA DE ÔNIBUS EM TERESINA E PROTESTO DE ESTUDANTES

TARIFA EM TERESINA
Depois da mobilização popular, principalmente de estudantes, o aumento das passagens de ônibus municipais de Teresina, no Piauí, que iriam para R$ 2,10, foi suspenso, o que prova que a sociedade unida em prol de uma causa ainda pode ganhar atenção dos poderes públicos e privados. A suspensão vale por 30 dias, quando deve ser definido um novo valor. O lado negativo é que o movimento teve algumas ações violentas e, segundo as empresas de ônibus, mais de 30 veículos foram danificados nos protestos.

Protestos geram suspensão de aumento de tarifa de ônibus
Tarifa em Teresina, no Piauí, vale R$1,90, depois de reivindicações da população contra o aumento para R$ 2,10

ADAMO BAZANI – CBN

A mobilização popular, apesar de não ser mais tão comum como ironicamente era na época de repressão à democracia, mostra que ainda continua com força e pode fazer poderes públicos e privados recuarem.
Foi o que ocorreu em Teresina, capital do Piauí.
Depois de pelo menos 05 dias de protestos, principalmente de estudantes, o prefeito Elmano Férrer, anunciou a suspensão do decreto que determinava o reajuste das passagens de ônibus municipais para R$ 2,10. O valor é aplicado no período de transição é de R$ 1,90.
Algumas ações culminaram no enfrentamento entre a população e forças de segurança.
Os manifestantes alegavam que pode sim haver reajuste de tarifa, mas que este aplicado era incompatível com a realidade econômica de boa parte da população que usa ônibus em Teresina.
A decisão do prefeito ocorreu depois de reunião com secretários municipais. O anúncio foi feito no início da tarde desta sexta-feira, dia 02 de setembro, pelo prefeito e pelo Secretário de Governo, Paulo César Vilarinho. A tarifa continuará R$ 1,90 por mais 30 dias. Neste prazo, deve ser concluída uma auditoria contratada pela Prefeitura para determinar o valor que atenda às necessidades das empresas, que tiveram os custos reajustados, mas que não onere demais o usuário.
Apesar de a reivindicação ter sido legítima e ter resultado numa satisfação do poder público, alguns atos foram condenáveis, como a destruição de dois ônibus na cidade. No dia primeiro de setembro, com medo de depredações, empresários de ônibus retiraram os veículos de circulação. Além destes dois veículos, o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (Setut), estima que 30 ônibus foram danificados.
Aproximadamente 200 mil pessoas dependem de transporte público em Teresina.
Pela internet, organizações estudantis que estiveram a frente do movimento consideraram o anúncio do poder municipal uma vitória.
Os empresários de ônibus da cidade afirmaram, por meio de nota da Setut, que não é possível uma tarifa muito mais baixa por conta da ausência de incentivos aos transportes coletivos.
“Teresina é a única capital do Nordeste em que o sistema de transporte urbano não tem nenhum tipo de incentivo fiscal. O equilíbrio entre a tarifa e os custos do sistema só é possível com o aumento da receita ou a diminuição dos custos”, segundo a nota.
A planilha das tarifas é elaborada pela STrans- Superintendência de Trânsito, da Prefeitura de Teresina.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes