FAIXA DE ÔNIBUS DA RADIAL LESTE: TRANSPORTES EM SÃO PAULO SÃO TRATADOS NO IMPROVISO

Radial Leste

Transporte coletivo recebe pouca prioridade na Radial Leste, um dos principais pontos de concentração de linhas de ônibus da cidade de São Paulo e, se depender da Prefeitura de São Paulo, vai continuar a receber pouca atenção. O poder público anunciou a abertura de faixas exclusivas de ônibus em parte da via mas destra vez nem teve a preocupação de esconder o fato de a medida ser improvisada e paliativa. Os horários de operação e os trechos das faixas não serão padronizados, o que deve gerar confusão nos motoristas, passageiros e moradores. As faixas devem operar até a inauguração de um corredor de fato, previsto para 2012. Foto: Agência Estado.

Improviso: Faixa da Radial Leste terá 10,5 km
Espaço para ônibus servirá para aumentar a velocidade operacional do sistema na região até que corredor prometido por Gilberto Kassab fique pronto

ADAMO BAZANI – CBN

É com improviso e soluções paliativas que muitas vezes são tratados os transportes coletivos a cidade de São Paulo. A mesma Capital que reúne o maior número de desolamentos urbanos do País, segundo dados do Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, é a que menos avança quando o assunto é expansão dos corredores de ônibus, que aumentam a velocidade operacional dos veículos e não expõe os passageiros a tanta lotação, espera nos pontos e atrasos, além, claro, de viagens intermináveis porque o ônibus fica preso no meio do trânsito recebendo a mesma prioridade de um carro que no máximo leva seu próprio motorista.
Dos 66 quilômetros de corredor juramentados pelo Prefeito Gilberto Kassab até o final se sua gestão, pelo menos 34 quilômetros viraram monotrilho e, é claro, por serem obras mais caras e mais trabalhosas, talvez nem no final da gestão do sucessor de Kassab acabem.
O resto, quilômetros de promessas mesmo.
Enquanto isso, enquanto são abertas e alargadas ruas , avenidas e marginais para a sua majestade carro de passeio trafegar, para o transporte público, o improviso, o que der prá fazer.
Um exemplo é na Radial Leste, um dos maiores pontos de concentração de linhas de ônibus.
Enquanto um dos corredores prometidos pelo prefeito Gilberto Kassab não fica pronto no local, a Radial Leste terá aproximadamente 10,quilômetros de faixa exclusiva para ônibus improvisada com embarque à direita.
O corredor prometido terá maior segregação do restante do trânsito, ao contrário da faixa, e o embarque e desembarque dos ônibus, se ele ficar pronto em 2012, serão feitos à esquerda dos veículos.
A faixa deve provocar confusão para motoristas, passageiros e moradores da região, pois os horários de funcionamento vão variar de acordo com o sentido de operação e o espaço exclusivo para os ônibus não será contínuo e vai ocupar espaços diferentes também de acordo com cada sentido também.
No sentido bairro, a faixa vai operar entre a Rua Wandenkolk e Rua Pinhalzinho. Já no sentido centro, a faixa de ônibus será instalada entre a Rua Carlos Silva e da Figueira.
Os trechos dos viadutos Pires do Rio e Alcântara Machado não devem receber espaço exclusivo para ônibus.
Os horários de funcionamento também devem confundir motoristas e passageiros.
No sentido centro, a faixa vale por 24 horas. Já no sentido bairro, o espaço exclusivo para os ônibus é só válido de segunda a sexta-feira das 10h às 23 h.
A Radial Leste só possui 4,4 quilômetros de faixa exclusiva para ônibus.
Apesar de a promessa dos lendários 66 quilômetros de corredores de ônibus, que a própria prefeitura de São Paulo admitiu que não conseguirá fazer, neste ano de 2011, até setembro, o poder público municipal inaugurou 3,8 quilômetros de vias exclusivas para transportes coletivos sobre pneus, em trechos não contínuos da Vereador José Diniz, Borges Lagoa, Domingos de Moraes e ponte do Socorro.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

10 comentários em FAIXA DE ÔNIBUS DA RADIAL LESTE: TRANSPORTES EM SÃO PAULO SÃO TRATADOS NO IMPROVISO

  1. galesitransportes // 30 de agosto de 2011 às 20:15 // Responder

    Infelizmente em São Paulo muitas vezes até o provisório acaba se tornando o Definitivo, querem resolver os problemas de São Paulo na base do IMPROVISO. Desculpem, mas como diz o velho CASOY, ISSO É UMA VERGONHA!!!!

  2. Adamo e amigos,
    Pelo que entendi, ficou pior que os corredores da Av Celso Garcia, Av Brig Luiz Antonio ou Rua Augusta, que apresentam um corredor que tem pelo menos uma das via exclusiva, no contra-fluxo.
    Lí também no VIA TROLEBUS que a morosidade no corredor central da Av Inajar de Souza/Rio Branco é a maior de São Paulo que trafega a incrivéis 11,5 km/hora e o corredor Pirituba/lapa/centro a 12km/hora.
    A incopetência é muito grande.
    Será que é tão dificil pensar que se fosse um veículo como metro, ou VLT, ou Monotrilho estaria operando apenas uma linha por sentido.
    Eu não consigo entender, deve ter algum motivo para que isso esteja acontecendo na maior cidade do Brasil, quem sabe a 3ª maior do Mundo.

  3. É assim mesmo… Espero que esse corredor saia logo, afinal a ZL sempre é esquecida…
    Radial é largona, não tem como fazer o corredor da Celso Garcia como proposto antigamente, o ideal é na Radial mesmo.
    Carros perderão faixas mas dane-se, é o que merecem, ocupam um espaço enorme para carregar quase sempre uma ou duas pessoas… Enfim, todos aqui sabem bem os benefícios do transporte público.

  4. Bruno quintiliano // 31 de agosto de 2011 às 11:28 // Responder

    Jair, os maiores problema do corredor não são as várias linhas no mesmo sentido . creio que o pior seja a invasão (legalizada ou não) de taxis, motos etc , a ausencia de faixa de ultrapassagem nos pontos, não desmembramento de pontos de maior movimento e a falta do corredor em pontes congestionadas

    • Caro Bruno
      Entendo que várias linhas no mesmo sentido do corredor é problema muito importante sim, porque:
      – Exige entra-e-sai dos ônibus em vários pontos.
      – Causa congestionamento nas paradas, no mínimo nos horários de pico, devido a impossibilidade de alocar entrada/saída dos vários grupos de passageiros, aumentando os tempos de entrada.
      Isso reduz significativamente a velocidade média. Daí a importância da observação do Renato Lobo no ViaTrolebus: é absolutamente necessário redistribuir as linhas A PARTIR dos corredores para conseguir que os corredores sejam transporte de média capacidade.

  5. Bruno quintiliano // 31 de agosto de 2011 às 11:35 // Responder

    Provavelmente esses improvisos serão usados em campanha ano que vem como lm de corredores

  6. Radial Leste é exemplo vivo e lapidar da omissão de São Paulo com transporte coletivo de média e alta capacidade. Para prejuízo e sofrimento diários por muito tempo ainda, para quem depende dela para mobilidade.

    O Secretário Jurandir não convence quando anuncia apenas Monotrilho, CPTM Coral melhorada e 90seg entre trens Metro3Vermelha para “atender a Zona Leste”. Coral precisaria de CBTC (não confirmado) e eventuais novas estações e Metro3Vermelha das portas de plataforma (que estariam com problemas de entrega e contrato). A antiga Metro19 do PITU que sairia do alto da Lapa e passaria pelas Metro 2 e 3 segue ignorada, nem projeto tem; e se tivesse, seriam pelo menos 5 anos de obras para começar a entregar estações. Esta sim, poderia aliviar forte a Metro 3.

    • Luiz,

      BOA NOITE !

      Me abstenho de dar palpite, quanto a Capital paulista, pois, não moro e, pouco vou a trabalho na mesma, mas, constato pelos post seus e de tantos outros amigos aqui, que, as soluções SALTAM AOS OLHOS, mas, quanto mais demora para “tomar uma atitude”, o poder público condena o paulistano, ao “inferno” diário.

      Uma coisa parece certa, abrir novas avenidas, não parece solução, apenas mais um depósito para congestionamentos.

      Abçs. Sr. Engenheiro.

  7. Amigos, boa noite

    Problema fácil de resolver.

    Não há a votação, é so crias a DESVOTAÇÃO.

    Muito obrigado
    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: