CORREDOR VERDE DA METRA: MUITO MAIS QUE PLANTAR ÁRVORES, CULTIVAR CIDADANIA

Corredor Verde, Dia de Fazer a Diferença, Frank Aguiar
Presidente da operadora de ônibus e trólebus Metra, Maria Beatriz Setti Braga (de preto), vice-prefeito de São Bernardo do Campo, Frank Aguiar (camisa xadrez) em plantio de árvores na quarta fase do Programa Corredor Verde, que somadas as mil mudas plantadas nestes domingo dia 28 de agosto, já foi responsável por inserir mais de 4 mil árvores ao longo do trajeto dos ônibus e trólebus entre São Mateus, na Zona Leste da Capital Paulista, e Jabaquara, na zona Sul de São Paulo, servindo os municípios de Santo André, Mauá, São Bernardo do Campo e Diadema. Corredor de ônibus já é ambientalmente amigável por permitir desempenho melhor dos veículos e atrair usuários do transporte individual para o sistema público. Em corredores como da Metra, com arborização e uso de veículos limpos, como trólebus e ônibus híbridos, os ganhos ambientais são ampliados. Foto: Adamo Bazani.

Semeando um futuro melhor
Mais de 500 voluntários se unem em prol de uma qualidade de vida melhor e do respeito ao meio ambiente e plantam cerca de mil mudas de árvores em Corredor de Ônibus no ABC Paulista

ADAMO BAZANI – CBN

Muito mais que plantar árvores, cultivar a cidadania. Foi isso que possibilitou o Programa Corredor Verde, no Dia de Fazer a Diferença, que neste domingo, dia 28 de agosto de 2011 reuniu mais de 500 pessoas e foi responsável pelo plantio de cerca de mil mudas de árvores no Corredor Metropolitano ABD, operado pela Metra, que liga São Mateus, na zona Leste de São Paulo, ao Jabaquara, na Zona Sul da Capital Paulista, atendendo aos municípios de Santo André, Mauá, São Bernardo do Campo, Diadema, além de contar com a extensão Diadema – Morumbi.
O Programa existe desde 2008 e já foi responsável pela inserção de mais de 3 mil árvores no corredor em 3 edições.
Nesta quarta edição, o apelo ambiental pela melhoria da qualidade de vida nas cidades foi reforçado pela necessidade maior de cada cidadão fazer sua parte, mesmo que aparentemente pequena, para que seja garantido um futuro melhor para as próximas gerações.
E estas novas gerações já receberam toda atenção especial.
Foram desenvolvidos trabalhos especiais para crianças de 4 a 12 anos que assistiram ao filme Rio, que exalta as riquezas naturais do País, receberam orientações de forma divertida, e também plantaram árvores, mas no interior da garagem, por uma questão de segurança.
“Educar os pequenos alertando para o fato de que dependemos da natureza para viver e que só teremos saúde e condições melhores se o meio ambiente for respeitado é criar uma cultura que no futuro vai poupar vidas e recursos com menos esforços que estamos fazendo hoje” – disse a instrutora das crianças Carolina Henriques Gomes da Silva.
No encontro dentro da garagem da Metra, em São Bernardo do Campo, pertencente ao Grupo ABC, responsável pelo evento, antes do plantio no Corredor, onde vários grupos se dividiram, o momento foi de descontração e reflexão.
Mário Mantovani, um dos fundadores da ONG (Organização Não Governamental) SOS Mata Atlântica, uma das maiores do País para a preservação do meio ambiente, afirmou que ações em prol da natureza são até comuns nas empresas, mas poucas como a Metra dão continuidade às iniciativas.
“Vemos muitas empresas que fazem algumas ações, mas em um só momento. Depois não fazem mais nada. A Metra é diferente. Ela mantém, inova e amplia as ações em prol do meio ambiente. Hoje (domingo) nós estamos aqui não fazendo média com a empresa, mas estamos fazendo um ato de cidadania”- disse Mantovani.
Cidadania que se refletiu também pela quebra de barreiras de qualquer espécie, o que mostra que o Programa Corredor Verde não tem só um papel ambiental, mas social e de integração.
Motoristas, pessoal da mecânica, da área administrativa e diretoria estavam unidos em prol de cidades melhores de se viver.
E esse foi o principal objetivo do evento, segundo a presidente da Metra, Maria Beatriz Setti Braga.
“As cidades precisam ficar mais agradáveis, as pessoas devem não só passar por elas, mas viver bem, ter prazer em trabalhar, estudar e passear por onde vivem. Outro dia me encantou quando um casal me disse que usa o trólebus (ônibus elétrico da Metra) só para passear e ver as árvores do Corredor” – disse a empresária.
Aliar mobilidade urbana com natureza. Isso que chamou a atenção do vice-prefeito de São Bernardo do Campo, Fank Aguiar, que também esteve no evento.
“Iniciativas como estas são exemplos a serem seguidos. A Maria Beatriz Setti Braga sempre está disposta a ter iniciativas que beneficiem não só o sistema de ônibus que ela opera, mas toda a comunidade. Os transportes coletivos são essenciais para que as pessoas tenham acesso mais rápido onde desejam ir e para a redução da poluição. Por isso, temos planos de ampliação de investimentos neste setor” – disse Frank Aguiar.

Corredor Verde, Dia de Fazer a Diferença
Muito além de plantar árvores, mas cultivar a cidadania, Foi isso que proporcionou o Programa Corredor Verde, dentro do Dia de Fazer a Diferença. Todos foram conscientizados que, mesmo com ações simples, podem fazer sua parte. A oportunidade também foi uma demonstração de interação social. No momento barreiras sociais, econômicas e de cargos caíram por terra e todos num mesmo nível se uniram por uma causa: qualidade de vida melhor nas cidades Foto: Adamo Bazani

Um Corredor de ônibus já traz vantagens ambientais. Ele permite que os ônibus andem em velocidade maior, com melhor desempenho, o que faz com que os veículos poluam menos. Por apresentarem viagens mais rápidas, os ônibus de corredor também são capazes de fazer com que as pessoas deixem seus carros em casa, o que pode reduzir o número de veículos nas ruas, os congestionamentos e a poluição. No caso da Metra, parte da frota é de tecnologia limpa, como trólebus (que não emitem nada de poluição em sua operação), ônibus elétricos híbridos e etanol.
Quando este corredor é cercado por área vegetação adequada, como é a proposta do Corredor Verde, estes ganhos são ampliados.
E não só plantar árvores, mas a real conscientização foi possível aos participantes.
O “Boletim Verde”, informativo distribuído no dia do evento, trouxe informações importantes sobre o quanto é preciosa uma árvore.
Ente os dados trazidos na publicação está que uma árvore média ao absorver gás carbônico para transformar sais minerais em carboidratos para sua sobrevivência libera 2 metros cúbicos de oxigênio puro, essencial para a vida humana.
Em dias de calor e em cidades altamente adensadas, cheias de concreto, a falta de umidade no ar é um grande problema, que é revertido também pela maior quantidade de árvores. Uma árvore de porte médio transpira pelas folhas em forma de vapor cerca de 60 litros de água por dia.
Isso deixa o ar mais agradável e tira da atmosfera as partículas que são inaladas pelo organismo. Ao se misturar com a água, estas partículas de poluentes ficam mais pesadas, caem para o chão e não são absorvidas com tanta facilidade pelo corpo humano.
Assim, transporte público, que retira excesso de veículos das ruas, e árvores proporcionam vida que pode fazer as cidades renascerem. Literalmente.
É o que diz por experiência própria o professor universitário Carlos Henrique, que esteve no evento.
“Hoje eu posso dizer que completo um ano de vida e tenho o prazer de participar de um evento como este em prol da qualidade do ar” – disse o professor da Universidade Metodista que no ano passado esteve internado em estado grave por problemas respiratórios.
Estatísticas comprovam que direta ou indiretamente por conta da poluição do ar, só no Estado de São Paulo, cerca de 8 mil pessoas perdem a vida por ano.

Trólebus Corredor Verde
Semear o Futuro. Além dos jovens e adultos, as crianças foram marcantes no Dia de Fazer Diferença. E preparar futuros cidadãos com consciência ambiental e respeito à natureza é poupar esforços de mudança de cultura que hoje temos de enfrentar e garantir novas gerações com uma vida melhor. Os pequenos assistiram filmes, brincaram, plantaram árvores, dentro da garagem, por ser mais seguro, e depois deram um passeio em trólebus todos enfeitados pelo Corredor ABD. Foto: Adamo Bazani

Assim, ações como de plantar árvores são essenciais para uma qualidade de vida melhor.
Todos, porém, mesmo não tendo condições de plantar uma árvore, podem fazer algo em relação a qualidade do ar.
Independentemente de haver rodízio de placa de veículos particulares, se cada morador deixar o carro em casa para um ou outro deslocamento específico e usar o transporte público, já neste simples gesto, na somatória de iniciativas, muita poluição pode deixar de ser produzida.
Experimente: ande a pé, de metrô, trem, bicicleta, vá de ônibus, nem que seja algumas vezes na semana.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes