BRS DE IPANEMA E DO LEBLON: MULTAS E CONFUSÃO

BRS Leblon Ipanema

Só no primeiro dia útil de operação dos BRS do Ipanema e do Leblon, no Rio de Janeiro, foram aplicadas 114 multas por desrespeito ao espaço preferencial dos ônibus. O número poderia ter sido até maior, já que não foram emitidas as autuações por radares eletrônicos. Carros invadiam o espaço dos ônibus e os ônibus as vias dos carros. O modelo de BRS é considerado uma solução paliativa, pois restringe o acesso dos carros sem garantir total prioridade ao transporte coletivo, como os BRTs (Bus Rapid Transit), que oferecem real segregação dos ônibus em relação ao trânsito complicado dos carros, garantindo maior velocidade operacional aos ônibus, pontos de ultrapassagem, pagamento da passagem antes do embarque (pré-embarque), paradas acessíveis no mesmo nível do assoalho dos ônibus e espaço e pavimento mais adequados que permitem o uso de veículos mais modernos e de grande porte. Foto: Fábio Gonçalves – Agência O Dia

Primeiro dia de Corredor em Ipanema e Leblon tem alto número de multas
Foram aplicadas 114 autuações, a maioria por invasão ao espaço exclusivo dos ônibus

ADAMO BAZANI – CBN

Os BRS (Bus Rapid Service), sistema de faixas exclusivas de ônibus, que começaram a operar nesta segunda-feira, dia 22 de agosto nos bairros do Leblon e de Ipanema, registraram várias invasões ao espaço destinado somente ao transporte público.
De acordo com a Prefeitura do Rio de Janeiro, foram aplicadas 114 multas no primeiro dia útil de operação exclusiva para ônibus.
A maior parte das multas foi pro carga e descarga irregulares assim como paradas de carros ao longo do trecho exclusivo.
O número deveria ser bem maior. Isso porque essas multas se referem às aplicadas pelos agentes de trânsito. As infrações captadas por radares não serão emitidas neste primeiro momento.
Confusão para motoristas, confusão para passageiros.
Muitos não sabiam ao certo onde pegar a condução. A Secretaria de Transportes afirmou que para minimizar os problemas por conta do período de adaptação, colocou agentes nos 16 pontos do corredor entre Ipanema e Leblon.
A faixa preferencial atende a Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon, e a Rua Visconde de Pirajá, no Ipanema.
O número de linhas que servem estas regiões pode ser reduzido de 55 para 50 sem prejuízo aos passageiros. Elas foram divididas em três categorias, dependendo da distância percorrida e região atendida, o que determina qual é o ponto de parada do ônibus. As categorias são BRS 1, BRS 2 e BRS 3. As linhas BRS 1 e BRS 3 compartilham os mesmos pontos.
Os carros de passeio e demais veículos particulares só podem entrar nas faixas de ônibus se forem acessar a primeira via seguinte à direita.
O BRS foi alvo de muitas críticas por ser considerado uma solução paliativa.
Ele acaba restringindo os carros de passeio sem de fato priorizar o transporte público, como é o caso do verdadeiro BRT (Bus Rapid Transit), cujo o corredor de ônibus não se restringe a uma faixa pintada no chão e realmente separa o transporte coletivo do trânsito complicado dos carros, sem facilitar invasões.
Diferentemente do BRT, o BRS não oferece pontos de ultrapassagem, para evitar filas enormes de ônibus nas paradas, pré-embarque (que é a possibilidade de pagamento da passagem antes da entrada no ônibus, o que facilita embarque e desembarque), pontos ou estações acessíveis com a plataforma no mesmo nível do assoalho do ônibus, pavimento e dimensões especiais para ônibus, o que permite o uso de veículos maiores e de mais tecnologia, entre outros atributos.
A Prefeitura do Rio de Janeiro acredita que assim como ocorreu em Copacabana, os donos de carros particulares se adaptem ao sistema de BRS
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

4 comentários em BRS DE IPANEMA E DO LEBLON: MULTAS E CONFUSÃO

  1. E assim caminha o Brasil. Com soluções paleativas que acabam se tornando as definitivas.

  2. comparar brs com brt no caso da zona sul é desconhecimento de causa , não ha como fazer brt aqui , daria sim pra orientar melhor e fazer recuos na calçada pros pontos em ipanema o que ja desafogaria a faixa , mas com o tempo o pessoal acostuma , a chegada dos veiculos piso baixo ajudara nisso .

  3. A diferença do BRS em Ipanema/Leblon em relação à Copacabana, é que em Copa o sistema pode contar com 2 faixas segregadas, o que permite ultrapassagens sem invadir as faixas veiculares, o que garante um bom funcionamento. Em Ipanema e Leblon isso é fisicamente inviável, por conta da quantidade de faixas. E o alargamento também é praticamente inviável, pois as calçadas não são tão grandes assim, e ninguém vai derrubar prédios que valem milhões cada um. BRT ao pleno na Zona Sul só caberia em 2 lugares: Orla: não vão fazer nunca pra não mexer na paisagem; e Lagoa: mais viável mas não atenderia os 2 principais nós da região: Botafogo e Copacabana. O ideal pra Zona Sul é um metrô decente e com cobertura total, não tem outra solução.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: