MORRE UM DOS MAIORES DEFENSORES DO TRÓLEBUS

wAldir rueda

Professor Waldir Rueda, um dos maiores historiadores da memória de Santos, morreu aos 44 anos de idade. Ele publicou um livro com fatos do Litoral Paulista e lutou para a preservação do sistema de trólebus de Santos. Foto: A TRIBUNA

Morre um dos maiores historiadores do Litoral Paulista
Waldir Rueda, de 44 anos, foi responsável por literaturas e levantamentos históricos da região, além de ter sido defensor do tombamento do sistema de trólebus de Santos

ADAMO BAZANI – CBN

O país perdeu mais um defensor da memória dos transportes.
Morreu neste domingo, dia 21 de agosto de 2011, o historiador Waldir Rueda, de 44 anos, após complicações respiratórias causadas por uma pneumonia.
Ele deu entrada no Hospital Sociedade Beneficência de Santos, mas não resistiu. O enterro foi realizado nesta segunda-feira, dia 22 de agosto, no Cemitério do Paquetá, em Santos.
Rueda era apaixonado pela história do Litoral Paulista.
Nascido em São Paulo, no dia 18 de dezembro de 1966, Rueda era professor da rede estadual e autor do livro “Braz Cubas, homenagem a uma vida”, que foi lançado no ano de 2008.
Aos 20 anos de idade, já morando no Litoral, tornou-se membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente.
Mas foi apenas em 2000, que decidiu entrar para a vida acadêmica., quando ingressou na Faculdade de História da Universidade Católica de Santos.
O historiador foi um dos grandes defensores para o tombamento do sistema de trólebus de Santos, que começou a operar em agosto de 1963, três anos antes de Rueda nascer.
A Promotoria de Justiça e Meio Ambiente de Santos abriu inquérito civil sobre a possibilidade de tombamento por solicitação de Rueda, em março de 2010.
O promotor que instaurou o inquérito, Daury de Paulo Júnior, ao Jornal A Tribuna, de Santos, lamentou profundamente o falecimento de Rueda:
“Perdemos o maior defensor do patrimônio histórico da Baixada Santista. Um homem corajoso, isento, sem vínculos políticos, sempre vigilante. É uma grande perda, certamente”, lamentou o promotor Daury de Paula.
A luta de Rueda para a preservação do sistema de trólebus era antiga.
Já em 2006, ele protocolou um pedido de tombamento no Ministério Público e no Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos (Condepasa), mas os órgãos arquivaram o pedido.
Rueda contribuiu na idealização da linha turística de trólebus na cidade litorânea entre a Praça Mauá, percorrendo a Avenida Ana Costa até a Praça Independência, no Gonzaga.
Atualmente, o sistema de trólebus de Santos sequer lembra sua melhor fase, entre os anos de 1970 e 1980, quando chegou a ter cerca de 50 veículos, em aproximadamente 10 linhas.
O trabalho de Rueda era admirado por diversos movimentos sociais em prol da preservação do meio ambiente e da história dos transportes, como o Movimento Respira São Paulo e Defesa do Trólebus.
“O Waldir Rueda representou o grande ícone da preservação do sistema de trólebus de Santos. É uma perda irreparável. Cabe a nós continuarmos o legado deste destemido e corajoso historiador que tanto colaborou com a história do transporte” – declarou Marcos Galesi, vice-presidente do Movimento Respira São Paulo.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

5 comentários em MORRE UM DOS MAIORES DEFENSORES DO TRÓLEBUS

  1. Bom dia.

    Meus sentimentos à família.

    Que a sua dedicação sirva de exemplo.

  2. galesitransportes // 23 de agosto de 2011 às 13:05 // Responder

    o Defesa do Trolebus e o Movimento Respira São Paulo, são solidários com a familia Rueda. Descanse em paz amigo Rueda, vamos apoiar sua luta e seu ideal na baixada Santista.

    Comunidade Defesa do Trolebus.

  3. Um exemplar amigo da cultura e um amante da história Santista, parte um membro que zelava pelas realizações de seus antepassados.

    Uma pessoa culta de sabedoria increvel e notavel, que defendia um pouco do que restou no passado, espero que no futuro recebamos um novo Waldir que lutou com suas cartas e sabedoria por um ideal, deixando saudades aos poucos amigos verdadeiros que tinha e ensino aos que puderam de sua sabedoria compartilhar.

  4. Para mim, embora só o conhecesse de vista, é uma grande pena, pois assim como ele, eu também sempre defendí os Trólebus, principalmente os de Santos como um dos patrimonios públicos da nossa cidade. Que o Senhor, Nosso DEUS o tenha em bom lugar!!! Saudações: João Julio (jeanjulyth07@hotmail.com)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: