LICITAÇÃO DA ANTT: EMPRESAS DE ÔNIBUS MOSTRAM FALHAS DO EDITAL

Licitação da ANTT

A diminuição do número da frota, hoje de cerca de 13 mil para 6 152 veículos é um dos pontos criticados pela Abrati – Associação Brasileira das Empresas de Transportes Terrestres. Os problemas vão ser mais sentidos na época de alta temporada para viagem. Um dos exemplos é a linha Belo Horizonte – Conceição da Barra, no Litoral do Espírito Santo, operada pela Gontijo e Águia Branca. Em dias normais, há uma viagem de cada empresa. Em temporada, as duas empresas oferecem 25 partidas, o que não será mais possível pelo novo modelo. O temor das empresas é que o edital vá na contramão do objetivo de tornar os ônibus rodoviários mais competitivos e aumentar a demanda por este tipo de transporte. Assim, pela falta de ônibus, horários e oferta de serviços, as pessoas migrariam ainda mais para o avião e na impossibilidade financeira ou mesmo pela distância em relação aos aeroportos, até mesmo para o transporte clandestino. Foto: Adamo Bazani

Empresas de ônibus criticam edital de licitação da ANTT
Viações pedem que o prazo para discutir os principais prontos seja triplicado. Cálculo da taxa de ocupação, de intervalos e redução da frota são algumas das queixas das companhias

ADAMO BAZANI – CBN

Emperrada há cerca de três anos após reivindicações das empresas de ônibus e por cálculos errados sobre o dimensionamento do sistema, a licitação de 1967 linhas de ônibus interestaduais e internacionais pela ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres – deve causar ainda muita polêmica e algumas exigências e parâmetros do certame não têm agradado às viações.
Nesta semana foram divulgados os primeiros documentos relativos à licitação que tem como objetivo reorganizar o sistema, que opera a título de permissões e autorizações precárias, baratear as tarifas e voltar a fazer o setor a se tornar competitivo.
Mas para a Abrati – Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestres de Passageiros, algumas imposições da ANTT vão acabar indo na contramão destes objetivos.
A entidade prevê que haja uma redução na oferta de transporte rodoviário com a diminuição do número de veículos prevista pelo edital.
Hoje, segundo a Abrati há cerca de 13 mil ônibus registrados pela ANTT, porém nem todos fazem linhas regulares e alguns são suados para fretamento. O edital prevê uma frota de 6152 ônibus, sendo 639 veículos para a reserva.
Assim, o número de viagens, prevê a entidade empresarial, tende a cair.
Para isso, a Abrati citou alguns exemplos de que essa redução do número de frota pode prejudicar os passageiros, principalmente em dias de maior movimento, como temporada de férias ou feriados prolongados.
As empresas Gontijo e Águia Branca fazem uma linha entre Belo Horizonte e Conceição da Barra, no Litoral do Espírito Santo. Em dias comuns, é realizada uma viagem diária cada. Mas em temporada, o número pode aumentar para 25 partidas por dia.
Algumas linhas teriam segundo a Abrati a freqüência diária reduzida.
Exemplo é a ligação entre São Paulo e Vitória da Conquista, que por conta das seções da linha possui 5 partidas diárias. Pelo novo regime de concessão, este número cairia para uma partida.
A falta de serviços e a redução de horários, em vez de aumentar o número de usuários dos ônibus rodoviários, vão fazer com que por falta de opção as pessoas busquem meios alternativos, como o avião e, na impossibilidade financeira do passageiro ou mesmo pela distância de algumas cidades em relação aos aeroportos, até mesmo os transportes clandestinos, que atualmente são responsáveis por tirar cerca de 30% dos passageiros do sistema regular. Número impreciso, já que é difícil mensurar o número de clandestinos.
A taxa de ocupação calculada pela ANTT também é contestada pelas empresas de ônibus.
A média apresentada pela Agência governamental é de 68%. Algumas linhas, a ANTT estimou ocupação quase total dos ônibus, como São Paulo – Vitória, de 92% e São Paulo – Rio de Janeiro, de 98%, de acordo com a ANTT.
A Abrati afirma que a ocupação São Paulo – Rio de Janeiro, atualmente com a concorrência dos clandestinos, não ultrapassa em média 62% dos assentos disponíveis nos ônibus.
Na primeira vez que tentou licitar o sistema de linhas de ônibus interestaduais e internacionais, a ANTT projetou um retorno às empresas de ônibus de 6,9% ao ano. Neste atual certame, o retorno subiu para 8,77% anuais, taxa ainda considerada baixa pelas empresas, que alegam altos custos operacionais.
A ANTT também calculou o prazo de parada para um ônibus estar apto para outra viagem de duas horas. A Abrati também contesta o tempo, considerando insuficiente para retirar o ônibus do terminal, levar à garagem ou ao ponto de apoio, lavar, fazer a manutenção e voltar para o terminal. Além disso, algumas rodoviárias fecham durante a madrugada, o que força os ônibus a ficarem parados nas garagens ou pontos.
A Abrati quer que o prazo para a discussão do Plano de Outorgas suba de 30 dias para 90 dias. Segundo a associação, isso não prejudicaria o andamento do edital.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

5 comentários em LICITAÇÃO DA ANTT: EMPRESAS DE ÔNIBUS MOSTRAM FALHAS DO EDITAL

  1. Amigos, boa tarde

    PREVISíVEL, conforme eu já havia previsto e documentado aqui no Blog, vejam abaixo:
    ==========================================================================
    “Vou prever o futuro desde agora (06.08.2011 às 23:24 hs)

    Essa licitação já nasceu “morta”; ela é muito grande, é impraticável.

    Só se for proposital para continuar tudo na mesma; pois desse jeito, este certame, se tudo correr bem, deve durar pelo menos uns 10 anos entre recursos, mandados de segurança
    e outras “cositas mas”…

    Alguém duvida? Espere e veremos, está aqui documentado.

    Muito obrigado
    Paulo Gil”
    ===========================================================================

    Muito obrigado
    Paulo Gil

  2. Amigos, boa noite

    Mais uma piada do BUZÃO, só que agora a do BUZÃO RODOVIÁRIO.

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    …”A ANTT também calculou o prazo de parada para um ônibus estar apto para outra viagem de duas horas.”…

    * 2 horas, só se for na Ilha da Fantasia e olha lá…..

    …”Exemplo é a ligação entre São Paulo e Vitória da Conquista, que por conta das seções da linha possui 5 partidas diárias. Pelo novo regime de concessão, este número cairia para uma partida.”…

    * De 5 pra 1, tá na média, só não sei média do que; alguém tá loko….

    …”Hoje, segundo a Abrati há cerca de 13 mil ônibus registrados pela ANTT, porém nem todos fazem linhas regulares e alguns são suados para fretamento. O edital prevê uma frota de 6152 ônibus, sendo 639 veículos para a reserva.”…

    * Quem dá mais??? Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três

    CHUTA QUE É COPA, éééé Goooooooooooooooooooooooolllllllllllllllllllllllllllllllll

    O país está em crescimento e querem reduzir viagens e frota, creio que tem sentido .

    CONTRÁRIO É CLARO..

    QUEM ANDA DÉ RÉ, É CARANGUEIRO, VAMOS ACORDAR HELLLLOOOOOOOO!

    ESSA FOI BOA, vamos aguardar a próxima PIADA DO BUZÃO..

    QUE PAÍS É ESSE???????????????

    ABRATI, vocês vão ter muiiiiiiiiiiiiiiiiiiito trabalho, mas não desistam.

    Muito obrigado
    Paulo Gil

  3. muito ruim isso é inviável!

  4. O que se podia esperar de um governo petista ?
    Quando mexem no sistema de transportes, NA MAIORIA DAS VEZES É PARA PIOR … salvo rarissimas exceções …
    Quem realmente entende de transporte são as empresas… o que temos nesse governo são aventureiros que estao a serviço dos seus partidos, e a serviço da corrupção…
    E se essa licitação passar … nem andar para tras nós vamos … nós vamos é correr !!!

  5. Pequenos detalhes a meu ver , nada que não possa ser alterado onde as empresas tiverem razão , na questão de taxa de retorno não é o caso , pois imagino que os custos delas ja estão sendo levados em conta , no caso dos horarios em certas linhas e da frota total da pra alterar sem problema , só não da também pra encher as frotas de carros encostados e os empresarios quererem renumeração por esse capital empatado , a frota tem de ser estudada direitinho , mas os niveis atuais estão excessivos .
    Partidarismo nesse caso tb nõ leva a nada , o psdb ta ‘arrebentando ‘ no ABC , os empresarios é que sabem o que é bom la tb ?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: