Curitiba: Prefeito promete Ligeirão em toda a cidade

Quantidade de ônibus do tipo Ligeirão, o Neobus Mega BRT de 28 metros, considerado o maior do mundo, deve aumentar na cidade de Curitiba até 2013. A promessa foi feita pelo Prefeito Luciano Ducci. Atualmente, os ônibus servem duas linhas, e de acordo com a Prefeitura, o sistema de paradas em poucas estações reduz em cerca de 50% o tempo de viagem. A licitação do eixo norte-sul para os Ligeirões já está em andamento. Em 2013 deve ser a vez do eixo leste-oeste ter os ônibus modernos e de grande porte. O sistema de Curitiba mostra como é possível com ônibus atender às necessidades de transportes da população com um custo menor em relação a modais como VLT e monotrilho sem prejuízo no atendimento à população. O BRT só não é apontado como alternativa para o Metrô de grande capacidade. Foto: Adamo Bazani.
Toda cidade de Curitiba deve ter Ligeirão até 2013
Luciano Ducci afirmou que já foi lançada licitação para o ônibus de 28 metros servir o eixo norte-sul. Também haverá serviços com este veículo no eixo leste-oeste

ADAMO BAZANI – CBN

A cidade de Curitiba até a Copa das Confederações deve ser toda servida por ônibus biarticulados de 28 metros, modernos, do tipo Ligeirão.
A promessa é do Prefeito Luciano Ducci em entrevista à Rede Record nesta sexta-feira.
O “Ligeirão”, considerado o maior ônibus do mundo, tem 28 metros de comprimento e não significa apenas um veículo grande, com capacidade para 270 passageiros. É tido como um novo conceito de transporte. O ônibus, cujo chassi é produzido pela Volvo (modelo B 340 M) e a carroceria pela Neobus (modelo Mega BRT), tem mais espaço interno, entre os bancos e uma altura maior também na parte de dentro, corredor mais largo, equipamentos de controle eletrônico para operação e segurança, e um design inovador para deixar a cidade onde opera com ar de mais modernidade e ser um diferencial que possa atrair os usuários do carro, que têm a imagem do ônibus tradicional “quadadrão” como um veículo lotado, lento e que não oferece conforto.
Atualmente, os veículos apelidados de Ligeirão fazem duas linhas na capital paranaense: do alto do Boqueirão até o Centro, com 4 paradas somente, o que agiliza a viagem, e a Terminal Pinheirinho – Linha Verde – Centro.
O prefeito Luciano Ducci revelou que já foi aberta a licitação para ônibus deste porte operarem o eixo norte-sul.
O resultado desta licitação será conhecido ainda neste ano, mas somente em 2012 é que devem iniciar as operações.
Luciano Ducci disse que para 2013, os ônibus deste modelo deverão servir o eixo leste-oeste. Assim, praticamente toda a cidade terá um serviço Ligeirão, que tem poucas paradas, atendendo os pontos de maior demanda e diminuindo a lotação dos veículos paradores convencionais.
O prefeito disse que o Ligeirão diminui em até 50% o tempo de viagem.
“Ele reduz o tempo médio de viagem em praticamente 50%. Ele melhora bastante o tráfico. Se for de carro no horário de pico, ou com o ônibus, o usuário chega mais rápido de ônibus” – disse Luciano Ducci à Rede Record e ao portal R 7.

ELÉTRICOS HÍBRIDOS:

O prefeito de Curitiba também afirmou que até o início do ano que vem, a cidade vai contar com pelo menos 30 ônibus elétricos híbridos, a exemplo do Ligeirão, produzidos pela Volvo.
Estes veículos possuem dois sistemas de tração: a eletricidade e a biodiesel.
A partida e o funcionamento em baixas rotações do motor, com velocidade menor, são garantidas pelo sistema elétrico. Quando o ônibus atinge velocidade superior a 20 quilômetros por hora aproximadamente, entra em funcionamento o motor movido a biodiesel ou diesel convencional.
A estimativa é que este tipo de veículo possa reduzir entre 75% e 90% as emissões de poluição, dependendo do tipo de poluentes.
Além da redução da emissão de materiais que poluem o ar, há redução no ruído, e a parte elétrica do ônibus não requer consumo de energia externa.
O veículo é dotado de baterias com a carga já na fábrica. Toda a energia gasta é recuperada e armazenada pelo próprio processo de funcionamento do ônibus. O motor com o biodisel e diesel e as frenagens geram energia que são captadas pelo sistema. É o princípio, no caso das freadas, da frenagem regenerativa. O atrito dos freios gera uma energia, que é captada, transferida para a bateria e depois convertida em força para tração do veículo.
Destaque mundial em transportes coletivos, Curitiba é prova de que o sistema de ônibus, muito criticado por alguns setores, pode se modernizar e ter o mesmo padrão de atendimento de um modal metroferroviário, que costuma ser mais caro.
O BRT – Bus Rapid Transit é sistema de corredores de ônibus modernos, com possibilidade de pré embarque (pagamento da tarifa antes da entrada no ônibus o que diminui o tempo de parada dos veículos), pontos de ultrapassagem (para não formar filas nas paradas), acessibilidade (com rampas nas estações e embarque no nível do assoalho do ônibus) e acima de tudo real segregação do tráfego de ônibus dos demais veículos, permite viagens mais rápidas, melhor aproveitamento de frota, com menos ônibus fazendo mais viagens, e ganhos ambientais, com redução de frota sem prejudicar o atendimento aos passageiros e melhor desempenho dos motores já que os ônibus não ficam presos no trânsito.
Ele é considerado um modelo economicamente viável de sistema, com capacidade de transportes semelhante a outros modais, e custos de implantação e operação bem menores.
De acordo com especialistas, o BRT não substitui o Metrô de alta capacidade, tanto é que Curitiba, onde foi implantado o primeiro sistema do mundo em 1974 e que ao longo do tempo foi aperfeiçoado, pensa em fazer uma linha de Metrô.
O sistema de transportes de Curitiba transporta 2 milhões de passageiros por dia em cerca de 2 mil ônibus.
Mas o BRT com os mais modernos conceitos de operação poder ser a opção mais barata e sem nenhum prejuízo de qualidade e expansão a modais como VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e monotrilhos.
A questão é polêmica, não sendo ninguém dono da absoluta verdade quando o assunto é modal de transporte a ser escolhido, mas a solução mais sensata, ainda de acordo com a maior parte dos especialista é compatibilizar serviços de trilhos e ônibus dentro das realidades econômicas, urbanísticas e sociais de cada cidade. Planejar com o recurso que tem para que a obra seja realmente concluída.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.