MOBILIDADE SUSTENTÁVEL PARA GERAÇÕES FUTURAS

presidente da mercedes benz do Brasil

Presidente da Mercedes Benz, Jürgen Zielgler, afirmou que um dos grandes desafios pe manter a mobilidade para as gerações futuras, tirnando-a sustentável e segura. Mas ele adverte que para o desenvolvimento de novas tecnologias limpas ser viável é necessário de participação do governo. Foto: Adamo Bazani.

Mercedes Benz aposta no Diesel de Cana de Açúcar para transporte mais limpo
Na semana do meio ambiente, fabricante de ônibus e caminhões apresentou tecnologias e soluções para a preservação ambiental. Mercedes destacou os resultados positivos dos testes com o diesel da Cana de Açúcar em São Paulo, pela Viação Santa Brígida, e anuncia que 30 veículos deste tipo devem circular no Rio de Janeiro

ADAMO BAZANI – CBN

Na semana do meio ambiente, quando as discussões se voltam para a preservação da qualidade de vida de hoje e do futuro, a mobilidade, principalmente nas grandes cidades, ganha destaque especial.
E não é para menos. A emissão de poluentes lançados no ar por parte dos veículos automotores já superou a emissão das indústrias.
De acordo com o Laboratório de Poluição Atmosférica da USP, se houver redução de 30% da emissão dos gases que provocam efeito estufa, só na Capital Paulista, 5 mortes poderiam ser evitadas por dia, a expectativa de vida média do paulistano aumentaria meio ano, os casos de infarto do miocárdio cairiam 5%, os de câncer de pulmão seriam reduzidos em 6% e os custos diretos com saúde pública seriam reduzidos em 300 milhões de dólares. Isso só em São Paulo. Como a poluição não é privilégio da Capital Paulista, mais vidas poderiam ser poupadas e menos gastos gerados. Dinheiro que poderia ser aplicado em outras áreas, já que o País ainda é carente de muitos serviços básicos, que não são oferecidos com dignidade e plenitude.
Aproveitando a ocasião, a Mercedes Benz do Brasil decidiu participar das discussões e tornar público o debate sobre a mobilidade urbana e as soluções da empresa para um problema cada vez mais urgente.

E o desafio das cidades foi mostrado de maneira bem clara pelo presidente da companhia no Brasil, Jürgen Ziegler durante apresentação das principais tecnologias da Mercedes no Brasil e no Mundo:
“Manter a mobilidade para as gerações futuras, tornado-a sustentável e segura. Não há uma solução apenas. Por isso, são necessárias soluções customatizadas e a Mercedes tem a tecnologia para motores de combustão interna mais viáveis, híbridos, elétrico híbrido, combustíveis alternativos ao petróleo, como o diesel de cana de açúcar” – disse Jürgen Zielger.
E a resposta para a diminuição da poluição e dos congestionamentos está justamente na ampliação da oferta e modernização dos transportes públicos.
O transporte público, sem nenhuma tecnologia nova, já seria capaz de reduzir a emissão de poluentes e melhorar a vida das pessoas na cidade só pelo fato de ele conseguir retirar carros das ruas. Para isso, no entanto, os sistemas de oferta de serviços devem melhorar. De acordo com último levantamento do Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – sobre mobilidade, as pessoas deixariam o carro em casa se os ônibus fossem menos lotados e sobretudo mais rápidos. E isso passa justamente pela reorganização do espaço público e sua democratização, já que um ônibus em 12 metros pode transportas um número de pessoas o equivalente a 35 ou 70 carros, já que os carros normalmente levam uma ou duas pessoas e para isso ocupam de 175 a 350 metros do espaço urbano, calculando a média de 5 metros comprimento de um carro de passeio.
Quando o transporte público, que já apresenta estes ganhos ambientais por poder tirar o excesso de carros da rua, adota tecnologia que reduzem a poluição, as vantagens para as pessoas se tornam maiores ainda.
E pelo transporte coletivo que as novas tecnologias de veículos com vistas a preservação da natureza serão introduzidas em maior escala na indústria e conseqüentemente nas cidades e na vida das pessoas.
O presidente da Mercedes Benz do Brasil, Jürgen Zielger, afirma que a resposta para estas inovações ambientais está no ônibus urbano, mas faz um alerta para a participação maior do poder público sendo parceiro dos projetos.
“O ônibus urbano é mais sensível para novas tecnologias ambientais. Os ônibus híbridos e elétricos podem ser solução, mas a participação do Governo é fundamental” – disse o presidente da indústria no Brasil, que complementou:
“Novas tecnologias precisam de apoio financeiro do Governo para se tornarem viáveis”

PARA MERCEDES, DIESEL DE CANA É O MAIS VIÁVEL:

ÔNIBUS CANA DE AÇÚCAR

A principal aposta para a mobilidade limpa em curto prazo da Mercedes no Brasil é o diesel feito da cana de açúcar, ou farneseno. Segundo a montadora, os testes realizados em três ônibus da Viação Santa Brígida em São Paulo, que receberam 10% do combustível foram satisfatórios. Não houve alteração em relação ao consumo e desempenho de veículos abastecidos com o diesel convencional de Petróleo. No Rio de Janeiro, a Mercedes e a produtora do combustível, Amyris do Brasil, vão testar 30 ônibus. Foto: Divulgação da Amyris.

Frente às dificuldades de participação do poder público no financiamento ou na desoneração do desenvolvimento e produção de ônibus com tecnologias não poluentes, a Mercedes Benz diz que para o Brasil, pelo menos no momento, os ônibus elétricos ou elétricos híbridos ainda não são economicamente viáveis.
A melhor alternativa para a empresa é o uso do diesel de cana de açúcar nos veículos.
Este tipo de combustível é produzido pela Amyris do Brasil e tem sido usado em testes em ônibus urbanos da Capital Paulista.
“Fizemos um comparativo entre 3 ônibus da Viação Santa Brígida, da Capital Paulista, com diesel de cana de açúcar, e 3 ônibus que faziam os mesmos trajetos e horários semelhantes, nas mesmas condições de operação. Foram misturados 10% do Diesel de Cana de Açúcar em 90% de Diesel Convencional para ônibus, s 50, que já possui 5% de biodiesel e quantidade de enxofre reduzida em relação ao diesel S 500, dos demais veículos como caminhões e caminhonetes. Nessa mistura, tivemos redução uma redução de 9% da emissão de materiais particulados e a opacidade da fumaça registrou uma redução de 15% a 40%” – disse Anibal Machado, engenheiro de desenvolvimento de motores da Mercedes Benz.
Aníbal afirmou que o desempenho e o consumo entre a mistura do diesel de cana e o diesel de petróleo são os mesmos.
“Pela Viação Santa Brígida, foram rodados aproximadamente 200 mil quilômetros. Os motoristas não eram avisados sobre o tipo de combustível era abastecido o ônibus que ele pegava na jornada, até mesmo para ele não se sugestionar. Ao final das jornadas, eles não relatavam diferenças”.
As reduções de óxido de nitrogênio, uma das substâncias mais prejudiciais à saúde e considerada a vilã do óleo diesel chegam a 9% nos motores Euro III.
As reduções de poluentes com o uso do diesel de cana serão maiores ainda nos motores que serão comercializados a partir de janeiro de 2012, seguindo as normas da fase 7 do Proconve (Programa Nacional de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores), o Proconve – P7, baseado nos índices de redução das emissões adotados pela Europa o Euro V.
Usando a tecnologia BlueTec 5, a Mercedes Benz diz que seguindo as novas normas para janeiro de 2012, o diesel emitirá menos substâncias nocivas à saúde:

EMISSÃO DE MONÓXIDO DE CARBONO: Redução de 29%
EMISSÃO DE HIDROCARBONETOS TOTAIS: Redução de 23%
EMISSÃO DE ÓXIDO DE NITROGÊNIO: Redução de 60%
EMISSÃO DE MATERIAL PARTICULADO: Redução de 80%
Em cima destas reduções, o uso do Diesel da Cana de Açúcar pode diminuir ainda mais a poluição.
Se um motor Proconve P 7 – Euro V for abastecido com 100% deste combustível, as reduções se ampliam em:

EMISSÃO DE ÓXIDO DE NITORGÊNIO: 6,3%
EMISSÃO DE MATERIAIS PARTICULADOS: 12,5%
EMISSÃO DE DIÓXIDO DE CARBONO: 3,2%
EMISSÃO DE HIDROCARBONETOS (O combustível não queimado): 11,8%
EMISSÃO DE MONÓXIDO DE CARBONO: 34,5%

RIO DE JANEIRO, COPA 2014 E 100% DE CANA:

De acordo com a Mercedes Benz, os testes mais críticos para desempenho, consumo e outros indicadores são no ônibus urbano.
O motor de um ônibus que roda na cidade é muito mais forçado que um ônibus rodoviário ou mesmo que o de um caminhão que leva toneladas de carga pesada.
Isso porque, o ônibus urbano enfrenta condições severas, como o para e anda dos pontos para embarcar e desembarcar passageiros, do trânsito complicado nas cidades e num mesmo itinerário pode enfrentar condições diferentes de viário, como um corredor no centro da cidade ou uma ladeira perto do ponto final. O veículo também usa marchas mais baixas e lentas, o que também esforça mais o motor.
Já o caminhão ou o ônibus rodoviário rodam em boa parte do trajeto em estradas, com marchas mais constantes e velocidades mais estáveis.
“Se o combustível e o motor se derem bem no ônibus urbano, no caminhão ou no ônibus rodoviário, eles batem fácil” – disse Aníbal.
Os testes diários na Viação Santa Brígida foram em sua maioria com o diesel de cana misturados na proporção de 10% no diesel de petróleo com característica S 50.
Mas a Mercedes Benz e a Amyris já colocaram em funcionamento ônibus abastecidos 100% com o Diesel de Cana de Açúcar.
Segundo a fabricante, o desempenho e o consumo foram satisfatórios, e a emissão de poluentes tiveram reduções ainda maiores que do etanol.
A mais recente experiência da Mercedes Benz com o combustível foi no último evento internacional realizado em São Paulo, entre 31 de maio 03 de junho de 2011, o C 40 Large Cities Climate Leadership Group que é um grupo internacional formado pelas 40 cidades e 19 representantes maiores do mundo para discutirem soluções para a redução do aquecimento global, com crescimento sustentável, e diminuição da poluição.
O encontro reuniu os prefeitos das principais cidades do mundo, que juntas, representam 70% da emissão de gases poluentes em todo o Planeta, uma prova de que a poluição atinge todo o globo, mas que está concentrada.
Na oportunidade, a Mercedes Benz apresentou 10 micro-onibus LO 915 e um articulado O 500 UA abastecidos com 100% do Diesel de Cana. O ônibus articulado operou no Expresso Tiradentes, visitado pelas delegações.
De acordo com a Mercedes Benz, o desempenho dos veículos surpreendeu positivamente.
Os próximos testes com o combustível de cana de açúcar serão realizados na cidade do rio de Janeiro.
“Assim como conversamos com a SPTrans, em São Paulo, agora estamos em diálogo com a Fetranspor (entidade que reúne as empresas de ônibus) no Rio de Janeiro. Serão definidas as linhas e as empresas que vão operar ônibus com diesel da cana de açúcar” – disse Aníbal.
O Rio de Janeiro também usa o óleo diesel de petróleo na característica S 50 (50 partes de enxofre por milhão); por ser uma grande cidade.
O gerente de marketing de Produto Ônibus, Curt Axthelm, acredita que ônibus movidos totalmente a cana de açúcar devem prestar serviços nas cidades sedes da Copa.
“Até 2014 devemos ter 3 mil ônibus com o diesel da cana de açúcar. A vantagem que vemos nesta solução é que sem grandes investimentos de um dia para a noite conseguimos reduzir a poluição nas cidades. Não são necessárias adaptações dos veículos, basta abastecer. Com 10% de diesel de cana de açúcar já reduzimos 9% dos materiais particulados emitidos, isso com motores Euro III. Com 100% de diesel de cana de açúcar, essas reduções podem chegar a 40%. Com a adoção do padrão Euro V, a partir de janeiro de 2012, essas reduções podem ser potencializadas em nossos motores com a tecnologia voltada para estes padrões Euro V e Proconve P 7, a BlueTec 5” – disse Curto Azthelm.
Ele afirma que as cidades sedes da Copa do Mundo estão em constantes contatos com a Mercedes Benz principalmente para a aplicação de sistemas de BRT (Bus Rapid Transit), que são corredores exclusivos para ônibus, modernos, com pontos de ultrapassagem, acessibilidade com embarque no nível do assoalho do ônibus, pré-embarque, que é o pagamento da passagem antes do embarque no ônibus, o que aumenta a velocidade operacional e ônibus mais sofisticados, ecologicamente corretos e confortáveis.
Curt lembra que há produtos da Mercedes Benz em Curitiba, considerado o primeiro BRT do Mundo, inaugurado em 1974, quando Jaime Lerner prefeito, e na em Bogotá, no Transmilênio, hoje sendo um dos mais modernos sistemas de ônibus.

E O ÔNIBUS HÍBRIDO?
A Mercedes Benz possui em todo o mundo cerca de 4800 veículos híbridos, entre eles ônibus.
São veículos que funcionam a gás, diesel ou outro combustível e com energia elétrica também.
Estes ônibus têm dois motores. O combustível é acionado em situações de maior esforço do sistema enquanto a energia elétrica opera na maior parte do trajeto.
No entanto, a Mercedes Benz, neste primeiro momento descartou a possibilidade de a marca oferecer ônibus elétricos híbridos em escala.
Tudo isso por questões econômicas, passando inclusive pela falta de incentivo governamental.
O desenvolvimento do ônibus híbrido é caro assim como o próprio veículo.
O empresário de ônibus, por sua vez, é pragmático, de acordo com a companhia. Ele quer fazer investimentos dentro das possibilidades econômicas e no caso específico de aquisição da frota, o empresário já compra pensando em futuramente como vai vender o ônibus.
Para a Mercedes Benz, a revenda do ônibus movido a Diesel de cana é fácil, pois na prática, trata-se de um ônibus convencional. O veículo é o mesmo que o movido a diesel de petróleo. Assim, ele tem mercado em regiões que ainda não usam ônibus sustentáveis.
Um produtor rural, um transportador escolar ou uma empresa pequena das regiões mais distantes dos grandes centros urbanos não vão comprar um ônibus etanol ou híbrido, mas um movido a cana de açúcar que pode ser movido a diesel convencional, já desperta interesse.
Levanto em consideração não apenas aspectos ambientais, mas econômicos, o gerente de Marketing de Produto ônibus, Curt Axthelm, garante que o combustível a base de cana de açúcar é mais sustentável para o Brasil até mesmo em comparação aos ônibus híbridos.
“Híbrido de fato a Mercedes Benz detém esta tecnologia e podemos a qualquer momento trazer esta tecnologia para o Brasil.
Agora, o diesel de cana permite uma rentabilidade muito maior sem onerar os custos, tem a vantagem de um dia para o outro reduzir as emissões de uma cidade inteira, basta abastecer os veículos que estão em operação. O Híbrido é uma tecnologia muito bonita, nossos engenheiros babam quando a gente fala em veículos híbridos, adorariam trabalhar no desenvolvimento de uma tecnologia dessa aqui também, mas nós acreditamos que o diesel de cana pode trazer mais benefícios ambientais e operacionais para as cidades! – disse Curt Axthelm.

MAS O DIESEL DE CANA É REALMENTE COMPETITIVO?

Ainda não, admitem os próprios técnicos da Mercedes Benz. O valor é alto, por se tratar de um combustível novo, e ainda não há disponibilidade necessária se as frotas das cidades começassem hoje a operar com este combustível.
Mas tanto a produtora Amyris e a Mercedes Benz apostam que o combustível deve se tornar economicamente viável e com oferta maior quando houver uma escala maior de produção. E para iss, são necessários mais clientes, ou seja, mais ônibus com este combustível.
O gerente de Desenvolvimento de Motores da Mercedes Benz do Brasil, Gilberto Leal, diz que o diesel de cana de açúcar terá preço competitivo.
“Acreditamos que em 2015, o preço deste combustível seja o equivalente ao diesel de petróleo convencional e até mais barato que o etanol, pois sua produção elimina algumas etapas da produção do etanol. O diesel de cana de açúcar é uma realidade de produto hoje e será de mercado num futuro bem próximo” – disse Gilberto Leal.
O gerente de Marketing de Produto ônibus, Curt Axthelm, prevê que em 2014 o diesel de cana de açúcar vai abastecer os BRTs da Copa do Mundo.
“Em curto prazo existe uma restrição da disponibilidade de combustível. Está numa curva de início de produção nas usinas e em 2014 já deve existir volume suficiente para abastecer as cidades da Copa com sistemas de BRT com este tipo de veículo” – disse Curt.
Especialistas independentes acreditam que o diesel de cana de açúcar pode ser uma boa solução ecológica e econômica. Mas as pressões de mercado devem existir e podem interferir até nas reservas de etanol, já que, apesar de não serem os mesmos combustíveis, os dois são provenientes da mesma matéria-prima, a cana de açúcar.
A ANP – Agência Nacional do Petróleo – deve entrar em cena e criar um estaque regulador deste tipo de combustível quando ele ganhar escala e nível de consumo maior.

ÔNIBUS EURO V

Chassi de ônibus da Mercedes Benz já preparado com a tecnologia BlueTec 5 que atende aos padrões de redução de emissões de poluentes da fase 7 do Proconve, o Proconve p 7, baseada nos parâmetros Euro V, adotados desde 2009 na Europa. O BlueTec 5 reduz em até 80% a emissão de materiais particulados e em 60% de óxido de nitrogênio. Para isso, é usado um aditivo chamado ARLA 32, feito a base de uréia. Os ônibus vão custar mais caros, mas a Mercedes promete redução no consumo. Foto: Adamo Bazani

DIFERENTE DO ETANOL:

O Farneseno, cuja fórmula é C15H32, que é o diesel de cana de açúcar, é diferente do etanol.
Ele tem processo de produção próprio e trata-se de um óleo. Mas diferentemente do óleo diesel de petróleo é livre de enxofre e não produz água como o etanol.
O Farneseno possui as propriedades de queima do óleo diesel de petróleo, mas sem boa parte das substâncias poluidoras.
O que vai definir se o “caldo de cana” vai se tornar etanol ou diesel de cana está justamente no processo de fermentação.
A levedura Saccharomyces cerevisiae, que transforma o caldo em etanol, é geneticamente modificada.
Sendo assim, em vez de secretar etanol, ela libera um óleo chamado farneseno.
Na produção do etanol é liberada água e no farneseno não.
As etapas para a formação do combustível para motores diesel de cana de açúcar são basicamente as seguintes:

1º MOAGEM:
A cana de açúcar é moída para fins industriais, liberando seu caldo natural.

2º FERMENTAÇÃO:
Aí que começa a diferença com o etanol já que há modificação genética na levedura usada nesta fermentação. Esta levedura no processo “devolve” um óleo que não precisa de destilação como o álcool.

3º CENTRIFUGAÇÃO: Para esta fase necessita de menos energia que o etanol. O combustível fica 97% puro.

4º TRATAMENTO: O tratamento é feito com hidrogênio. Deixa o combustível mais de 99% puro e estável. Além disso, em relação aos outros combustíveis, o diesel de cana de açúcar dura mais, não havendo oxidação.
Gilberto Leal, gerente de Desenvolvimento de Motores da Mercedes Benz, disse que em relação ao aproveitamento, capacidade de queima, o farneseno tem o dobro de energia que o etanol.
Ele estima que 1 hectare de cana atende ao uso de 9,6 km do combustível. Como etanol, a quilometragem chega a ser 30% menor.
Os donos de empresas de ônibus são sempre muito conservadores e dificilmente investem em tecnologias ou inovações se não estiverem convencidos de que vale a pena economicamente.
Por isso que a Mercedes Benz tem chamado os frotistas para apresentar essa nova tecnologia bem como a do BlueTec 5, que atende às normas de redução de emissão de poluentes do Proconve (Programa Nacional de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores) fase 7, chamada de Proconve P 7, baseada nos parâmetros Euro V, que são adotados de 2009 na Europa.
Os motores diesel dentro dos padrões Euro V reduzem em até 80% as emissões de materiais particulados e de 60% de Óxido de Nitrogênio.
No BlueTec 5 o tratamento destes poluentes é feito em duas etapas dentro do ônibus ou caminhão.
Os materiais particulados são tratados dentro do próprio motor. Já o NOx é reduzido no sistema de escape do veículo, onde o aditivo ARLA 32 entra em ação.
O Agente Redutor Líquido Automotivo reage com os gases emitidos pelo diesel convencional e proporciona a redução de óxido de nitrogênio. O ARLA 32 é formado por uma mistura que contém 32% de uréia industrial.
A cada 5 abastecimentos de diesel convencional aproximadamente deve ser feito um abastecimento de ARLA que fica num tanque separado.
Os veículos devem custar mais, por isso a correria de alguns empresários de ônibus para renovarem a frota antes dos padrões Proconve P 7 – Euro V entrarem em vigor.
Mas a Mercedes garante que este custo a mais é compensado pela maior economia de combustível que a tecnologia proporciona.

ÔNIBUS

Mercedes Benz O 500 M na planta de São Bernardo do Campo. O diesel a base de cana de açúcar, ou o farneseno, pode ser usado em veículos já produzidos e não exige alterações nos motores e demais componentes. Os veículos que forem abastecidos com esse combustível podem voltar a usar o diesel convencional, uma vantagem para o frotista que terá um maior mercado de revenda, já que pequenas empresas ou transportadores autônomos não terão condições de aderir a tecnologias como ônibus híbridos e etanol. Foto: Adamo Bazani

ECOLOGOCAMENTE DO INÍCIO AO FIM:

Quando se fala em poluição produzida por automóveis logo se pensa nas emissões que eles geram durante a operação.
Na verdade, um veículo começa a poluir desde o primeiro parafuso na produção até quando ele se torna inservível, ou seja, do início ao fim de sua vida.
E a Mercedes Benz diz que pensar de forma sustentável em todo este ciclo.
Por isso, investe em sistemas mais limpos para a produção e na Renov, que é a linha de peças remanufaturadas dos ônibus e caminhões Mercedes Benz.
Em discurso para a imprensa, o presidente da Mercedes Benz do Brasil, Jürgen Zielger, diz que dentro do programa “Produção Mais Limpa” em 10 anos já foi possível grandes conquistas como:
– 69% de redução na geração de resíduos
– 57% de diminuição de consumo de água
– 24% de redução no consumo de energia.
Estes números são resultado de práticas como reutilização de matérias-pirmas, aumento da reciclagem e melhoria dos processos industriais.
Os funcionários também são conscientizados em relação ao meio ambiente e se tornam disseminadores de cultura na família e comunidade. Afinal, os recursos naturais estão acabando e a qualidade de vida diminuindo. Muita coisa precisa ser feita, o que deve começar desde já.
Na fase final, a linha Renov, de remanufatumento , é uma opção ecológica e econômica.
Ecológica porque o reaproveitamento de peças permite que menos matéria prima seja extraída da natureza e também reduz o consumo de energia para a produção.
Econômica porque ao aproveitar a estrutura da peça e renová-la, o custo tente a ser menor.
De acordo com o presidente da Mercedes Benz do Brasil, Jürgen Zielger, desde 2004 foram remanufaturadas mais de 50 mil peças.
O processo da RENOV garante o reaproveitamento de 70% do material usado originalmente na fabricação das peças. O que não pode ser reaproveitado pela linha RENOV vai para a reciclagem.
O preço de uma peça da RENOV chega a ser 45% menor que uma nova e continua com a garantia de fábrica.
O diesel de cana de açúcar, o BlueTec 5 para o Euro V – Procconve P 7 e o RENOV são exemplos de vantagens ambientais e econômicas.
Mas a sustentabilidade é formada por outro pilar: o social.
E a Mercedes Benz investe neste setor também, Exemplo é o Circo Paratodos e o Planeta Mercedes Benz Nosso Mundo Sustentável que leva de maneira interessante e atrativa educação ambiental para mais de 20 mil crianças da rede pública de ensino das cidades de São Bernardo do Campo, sede da empresa, e de Diadema. Há também o apoio a atividades comunitárias como o Programa Socioambiental do bairro de Vila Paulicéia, em São Bernardo do Campo.
O comprometimento de fornecedores e da rede de concessionárias, formada por mais de 200 unidades em todo o País, é despertado pelo Manual de Gestão Ambiental da Mercedes Benz que faz parte do Star Class, um programa de certificação aos revendedores e autorizados com bases nas normas de meio ambiente ISO 14001
E como incentivo aos revendedores que mais se empenharem em prol do meio ambiente, a Mercedes criou o “Prêmio Mercedes Benz de Responsabilidade Ambiental para Concessionários”.
Seja qual a forma de combustível alternativo, qual modelo de ônibus ou gestão, o importante é que a indústria em geral e a sociedade começam a se mobilizar. Mesmo assim, muito ainda deve ser feito. Estes passos , no entanto, são imprescindíveis justamente por serem o início de uma longa caminhada que o Brasil deve trilhar em prol não só de um futuro melhor, mas de uma qualidade de vida mais aceitável hoje.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

6 comentários em MOBILIDADE SUSTENTÁVEL PARA GERAÇÕES FUTURAS

  1. Bom dia à todos !

    EXCELENTE MATÉRIA ADAMO, MEUS SINCEROS E HUMILDES PARABÉNS !

    Como tenho opinado em posts anteriores, o biodiesel, na minha humlide visão, é a melhor saída para o transporte por ônibus, pois desde fins da década de 70, já demonstramos sermos pioneiros e bons, no desenvolvimento desta importante tecnologia que, poderá nos levar ainda muito longe.

    Também parabenizo a SANTA BRIGIDA / GRUPO URUBUPUNGÁ, por seu pionerismo e qualidade !

    Abraço a todos.

  2. Eu também quero parabenizar Adamo Bazani por mais uma excelente matéria, esta como sempre esclarecedora sobre um assunto que é a pauta mundial, é importante saber que o Brasil de certo modo está muito a frente numa técnologia genuinamente brasileira, o alcool da cana de açucar como combustível limpo e de futuro, porém vale lembrar que uma empresa como a Mercedes Benz embrora tenha origem na Europa está cada vez mais brasileira do que nunca. Certa vez estava assistindo uma palestra de um professor francês sobre marxismo, ele iniciou sua palestra dizendo que: O capitalismo só tem inimigos que ele pode vencer” e citou por exemplo a poluição ambiental causada pelos carros, na fala el usou como exemplo o catizador como a solução para diminuir a fumaça, este por sua vez outrora era produzido pela mesma industria que havia produzido o escapamento poluidor. Nesse sentido podemos entender que o Brasil foi além, produz o etanol a partir da cana, este por sua vez produz no máximo água no escapamento. A agenda ambiental da qual o Brasil faz parte pode de certo modo nos tornar o país do futuro mundial, porém é necessário que nossas autoridades levem mais a sério e realmente invistam nisso. Por outro lado temos que repensar as consequencias ambientais em torno da produção do etanol a partir da cana do açucar pois é sabido que essa planta esgota muito a terra, ou seja, provoca desgaste prematuro devido ao excessivo consumo dos nutrientes e obriga o uso intenso de fertilizantes que também causa danos ao meio ambiente, enfim são questões muito complexas, mas o fato de ônibus poder usar combustível natural e de fonte inesgotável já traz um grande avanço para o nosso dia a dia. Forte abraço

  3. Amigos, boa noite

    AInda vou ler esta matéria com calma.

    Mas outro dia tive mais uma das minhas idéias:

    Buzão movido a enrgia solar (© Paulo Gil – 06/2011)

    Alguém sabe algo sobre este assunto?

    Muito obrigado.

    Paulo Gil

  4. Boa noite à todos e a vc. Roberto !
    Realmente aqui, como em outras questões de nossa vida diária, as soluções não são unânimes, visto que, neste caso, o diesel oriundo da cana-de-açúcar, tem a sua desvantagem, mas, não nos esqueçamos de que, existem outras culturas que, podem fornecer tb. o biodiesel.
    Sou um apaixonado pelos ônibus e um grande admirador do nosso campo, das coisas do nosso campo, do caboclo, da cultura, do enorme potencial de riqueza que o campo pode produzir, respeitando, o meio ambiente sim, pois de outra forma, não vale a pena.
    Ônibus a biodiesel 100% !!!
    Abraços

  5. Amigos, boa tarde.

    Grande matéria Adamo, ms e o motor
    movido a Hidrogênio a quantas anda?

    Quanto ao ônibus, de motores eles vão bem; quanto
    as inúmeras paradas, é só diminuir o intervalos entre
    estas mas quanto a carroceria ahhhhh, essa precisa melhorar
    e muito.

    Mas lembrem-se internamente, pois é dentro do ônibus
    que somos “confinados”.

    Que tal fazer uma carroceria com a assinatura de todos
    os busólogos do Brasil, no sistema “creative commons” (cc), a exemplo
    do que a Fiat fez com o Miat Mio.

    http://www.fiatmio.cc/pt/

    Não é uma boa idéia ? “buzaodetodosnos

    Vamos abrir a caixa preta e eliminar aquela degrau interno.

    Muito obrigado.

    Paulo Gil

  6. Transporte Individual & POLUIÇÃO “ZERO” ! ! ! ! ! !

    Será o FIM do Transporte Público Coletivo ! ? ! ? ! ? ! ?

    Prezados Cidadãos Brasileiros & Interessados pelo AGUAPÉ,

    Muito provavelmente a Tecnologia Invertida utilizada em Mesa de Jogo que funciona com AR Comprimido poderá passar a ser utilizada no Desenvolvimento da Tecnologia dos Meios de Transporte, em especial para o Transporte Individual.

    As Principais Razões são:

    1) POLUIÇÃO “ZERO” – SEM UTOPIA ! ! ! ! ! !

    2) Grande Diminuição de Perda Energética devido ao ATRITOS.

    3) Os Propulsores a AR Comprimido são de Construção SIMPLES – milhares de vezes MENOR se comparado aos Tradicionais Motores à Combustão.

    4) Na atualidade já há dois tipos de Bomba / Motor Elétrico promissores.

    5) Tecnologia de Transmissão de Energia Sem Fio já existente, mas ainda requer mais avanços.

    Observação 01: Grande Parte dos Cidadãos das Atuais Gerações terão dificuldades na sua utilização, pois no mínimo vai requer que saiba utilizar patins – EU, só tentaria depois de um CURSO para IDOSOS, AINDA NÃO EXISTENTE, portanto só em outra ENCARNAÇÃO, se é que existe / ocorre.

    Observação 02: Haverá necessidade de Desenvolver Novas Tecnologias de SEGURANÇA para reduzir ACIDENTES que provavelmente será Um “Air Bag” Apaptado.

    Observação 03: apenas Algumas Partes da Tecnologia poderá ser PATENTEADA.

    PREVISÃO 01: será o FIM do Transporte Público Coletivo ! ? ! ? ! ? ! ?

    PREVISÃO 02: o RECURSO poderá se torna em uma Nova Realidade entre 2 a 5 anos, mas dependerá de VOCÊ & Sociedade Brasileira apoiar / contribuir com essa PROPOSTA da Equipe BR do AGUAPÉ.

    NOTA: “Quando Sonhamos SOZINHOS é só um SONHO, mas quando Sonhamos JUNTOS é o início de uma Nova Realidade” (D. Helder Câmara) – apresente as suas MANIFESTAÇÕES (Críticas, Sugestões, ETC.), utilizando o Endereço Eletrônico: missao.tanizaki@gmail.com, certo que muitos na Sociedade Brasileira, inclusive a Equipe BR do A G U A P É, te agradeçerão.

    LEMBRETE: um dia nos APOSENTAMOS dos Trabalhos que garantem o Pão Nosso de Cada Dia, mas muitos Trabalhos Nobres estão aguardando por nossa AJUDA – Desenvolver os referidos Trabalhos Nobres faz parte dos Nossos DEVERES / OBRIGAÇÕES NOBRES e são BÁSICOS para nos manter FELIZ no Dia a Dia ! ! ! ! ! !

    Um Abraço Fraterno aos Interessados pelo A G U A P É,

    MISSAO TANIZAKI
    Servidor Público Federal
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@gmail.com (Usual)
    missaotanizaki@yahoo.com.br (Alternativo)
    OSCIPE (*) – Equipe BR do A G U A P É
    TUDO POR UM BRASIL & MUNDO MELHOR

    (*) REF.: Definições do SEBRAE

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: