GREVE FAZ TRABALHADORES PERDEREM PROPOSTA MELHOR. TRANSPORTES AINDA SE NORMALIZAM NO ABC

greve no ABC

Mauá foi a última cidade a colocar os veículos em circulação. Por volta das nove horas da manhã, os primeniros ônibus começaram a chegar no terminal. Primeiro foram veículos da Leblon logo em seguida da Viação Cidade de Mauá. GCM foi chamada para evitar tumultos, mas início das operações, que se normalizam os poucos, foi tranquilo segundo o policiamento. Foto: Adamo Bazani.

Trabalhadores ficam descontentes com proposta do TRT
Mesmo assim, motoristas e cobradores do ABC Paulista voltara às atvidades nesta sexta-feira. Tribunal julga a paralisação
ADAMO BAZANI – CBN
Por insistirem em fazer greve, motivados por uma parte do Sintetra – Sindicato dos Rodoviários e Anexos do ABC e por descumprirem determinação da Justiça do Trabalho de operar com frota mínima para a população, os motoristas e cobradores de ônibus da região acabaram recebendo uma porposta do TRT – Tribuinal Regional do Trabalho inferior à oferecida pelas empresas de ônibus e bem abaixo da que a categoria reivindicava.
Durante assembléia realizada na manhã desta sexta-feira na sede do sindicato na Vila Assunção, em Santo André, os trabalhadores em sinal de protesto deram as costas para a diretoria da entidade que pedia o retorno ao trabalho.
Nesta quinta-feira, dia 02 de junho, a desembargadora Sonia Franzini, determinou índice de reajuste de 7,8%, composto por 6,3% do acumumado da inflação medido pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) mais 1,5% como aumento real. Ela também estipulou que durante a greve, 80% das frota deveria ser colocada em circulação, o que não ocorreu em nenhum momento.
O que mais assustou os trabalhadores, no entanto, é que a desembargadora permitiu que as empresas de ônibus demitissem sem justa causa os funcionários que se mantivessem parados.
A categoria pedia rejuste de 15%. As empresas de ônibus ofereceram 8% de aumento salarial mais reajuste de 33% da PRL (Participação dos Lucros e Resultados) para cobradores e 12% de acréscimo na PRL de motoristas.
O sindicato diz que vai continuar negociando com as empresas estes reajustes, já que não aceitou os 7,8% determinados pela Justiça Traballhista.
Na parte da tarde, o desembargador Celso Furtado de Oliveira, do TRT Paulista, julga a legalidade da greve, o não aviso de paralisação com 72 horas de antecedência e o não cumprimento da frota mínima durante a greve.
Os serviços no ABC Paulista vão se normalizando aos poucos.
A frota ja é grande em Santo André, São Bernardo do Campo, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.
Mauá foi a última cidade a colocar os ônibus nas ruas, mas a situação também vai chegando ao comparado com os dias comuns de serviço.
Às 08h45 a Leblon tirou os primeiros ônibus da garagem e por volta das 09h00 foi a vez dos ônibus da Viação Cidade de Mauá.
A Metra – Sistema Metropolitano de Transportes Ltda, opera com intervalos entre 15 e 20 minutos. A empresa opera o corredor ABD, com 33 quilômetros de extensão entre São Mateus (zona Leste de São Paulo) e Jabaquara (zona Sul da Capital Paulista) passando pelas cidade de Santo André, Mauá (Terminal Sômia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema, além do corredor Diadema – Berrini (zona Sul de São Paulo), com 12 quilômetros de extesnsão.
A situação é tranquila e não foram registrados até o momento atos de vandalismo, como os realizados na quarta-feira e na quinta-feira.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: