MOTORISTAS DO ABC PAULISTA ESTÃO REUNIDOS PARA DECIDIR SE GREVE CONTINUA. EMPRESÁRIOS QUEREM FROTA MÍNIMA NA JUSTIÇA

Assembleia pode por fim em greve de ônibus no ABC Paulista
Sindicato patronal pede à Justiça frota mínima para operação

ADAMO BAZANI – CBN

Motoristas e cobradores de ônibus estão reunidos neste momenti na sede do sindicato na Vila Assunção, em Santo André, para definirem se continuam ou não em greve.
A categoria paralisou as atividades na madruga de hoje por conta de reivindicação de aumento salarial e outros direitos trabalhistas.
O próprio sindicado já havia mostrado o interesse de considerar a proposta de aumento de 8% feita pelos donos de empresas de ônibus da região.
Mas uma outra ala do sindicato se mostrou contra e teria contribuído para a decisão da greve que foi tomada de ontem para hoje, sem respeitar o período mínimo de 72 horas de antecedência para aviso do movimento.
Inicialmente, a categoria reivindica um percentual de 15% de reajuste salarial.
Agora no horário do pico, quando a demanda de passageiros é maior, algumas empresas do ABC soltaram mais ônibus para as ruas.
Mesmo que não haja um consenso em relação aos valores de aumentos salarias, uma das possibilidades é de os serviços voltarem a operar porque as empresas de ônibus não se negam em continuar as negociações.
As sete cidades da região do ABC Paulista vivem realidades diferentes. Enquanto os serviços municipais de Diadema operam na totalidade, depois de acordo com a Prefeitura, em Mauá, as linhas locais estão completamente sem ônibus desde a madrugada desta quarta-feira.
As empresas do município, no entanto, Leblon e Cidade de Mauá, disseram estar preparadas para colocar os veículos nas ruas totalmente ou parcialmente, dependendo de decisões judiciais ou dos trabalhadores.

EMPRESAS TENTAM FROTA MÍNIMA NA JUSTIÇA:

O Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos do ABC, SETC – ABC, entraram com pedido de liminar no Tribunal Regional do Trabalho para que a justiça determine um percentual mínimo de operação nas sete cidades, para que haja equalização do sistema de transportes da região, já que muitos passageiros de uma cidade dependem de ônibus de outro município. Assim, não adiantaria, uma cidade ter um percentual grande de veículos em operação, se outra praticamente está sem ônibus.
O pedido de percentual mínimo para toda a região de forma igualitária vale tanto para ônibus municipais como intermunicipais.
Para esta quinta-feira, dia 02 de maio, está marcada uma audiência de reconciliação entre empresários de ônibus e representantes do sindicato.
Cerca de um milhão de passageiros tem sido prejudicados por conta da paralisação.
De acordo com a EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, das 19 empresas de ônibus que prestam serviços intermunicipais, 4 operaram normalmente e uma com frota reduzida.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: