C 40, EVENTO MUNDIAL DE PREFEITOS, DEVE DISCUTIR PRIORIDADE AO TRANSPORTE PÚBLICO

ônibus híbrido
Ônibus Híbrido da Volvo vai transportar prefeitos e representantes de cidades no maior evento sobre responsabilidade ambiental por parte de administradores públicos. Serão 4 ônibus deste modelo que vão levar os participantes do hotel a diversos locais da cidade. Ônibus reduz até 90% da emissão de polunetes e 35% o consumo de combustível. Foto: Volvo

Híbrido vai transportar prefeitos de várias cidades do mundo em evento internacional em São Paulo
Quatro ônibus movidos a eletricidade e a diesel, que reduzem a emissão de poluentes, produzidos pela Volvo vão levar os administradores das maiores cidades do planeta

ADAMO BAZANI – CBN

Entre os dias 31 de maio e 03 de junho, São Paulo abriga o C 40 Large Cities Climate Leadership Group que é um grupo internacional formado pelas 40 cidades e 19 representantes maiores do mundo para discutirem soluções para a redução do aquecimento global, com crescimento sustentável, e diminuição da poluição.
A estimativa é que as cidades representadas neste evento emitem 70% dos gases que geram o efeito estufa em todo o mundo, o que mostra a concentração da poluição e a responsabilidade destes municípios.
Criado em 2005, o C 40 Large Cities Cimate Leadership Group, pela prefeitura de Londres, com o objetivo de unir as cidades em prol de um ambiente mais saudável, a edição deste evento, que ocorre a cada dois anos, será feita no Sheraton WTC Hotel, na avenida das Nações Unidas , no Brooklin Novo.
O transporte entre este hotel e os pontos de reunião e visitação será feito por uma das soluções de combate a poluição a ser usada pela Capital Paulista: os ônibus híbridos da Volvo.
Serão 4 ônibus Hybridus que já foram testados em São Paulo e devem ser produzidos em série.
Para a Volvo, eles estão de acordo com o intuito do evento, que é a preservação ambiental por meio da redução dos poluentes emitidos no ar.
O Híbrido da Volvo tem dois motores, um elétrico e um diesel. A redução no consumo de combustível fóssil é de 35% . A redução de gases poluentes é de 80% a 90% em comparação aos ônibus diesel convencionais.
Os motores diesel e elétrico do ônibus híbrido funcionam individualmente ou em conjunto de acordo com a necessidade operacional.
Em nota emitida pela Assessoria de Imprensa que presta serviços para a Volvo, a declaração de Fábio Lorençon, engenheiro de vendas da Volvo Latin América mostra como é funcionamento dos sistema do ônibus.
“O motor elétrico é utilizado para arrancar e acelerar até uma velocidade de aproximadamente 20 quilômetros por hora, e também como gerador de energia durante as frenagens. O motor diesel entra em funcionamento em velocidades mais altas”, destaca Fábio Lorençon, engenheiro de vendas da Volvo Bus Latin America.
O ônibus conta com a chamada frenagem regenerativa, pela qual, a cada vez que o veículo freia, o atrito do sistema e o ato de redução de velocidade que requer menos força do ônibus, gera energia. Essa energia recarrega as baterias.
“Quando o veículo está parado, seja no trânsito, em pontos de ônibus ou em semáforos, o motor diesel fica desligado – o que pode representar até 50% do período total de operação do ônibus – não há emissões de poluentes, pois o motor diesel se apaga completamente”, diz Lorençon.
No ano de 2006, o grupo C 40 firmou uma parceria com a Clinton Climate Initiative – CCI, fundação liderada pelo ex-presidente dos EUA, Bill Clinton.
Isso aumentou a representatividade do C 40 e as possibilidades de mais acordos e discussões entre as cidades.
O problema ambiental está cada vez mais grave. Milhões de recursos são gastos por mês em todo o mumndo para atender pessoas que sofrem de problemas respeiratórios justamente por causa da qualidade do ar. Muitas delas perdem a vida.
São vidas e dinheiro que poderiam ser poupados se as cidades estiverem menos poluentes.
Entre as experiências que serão trocadas pelos prefeitos são as soluções em transportes urbanos.
O tranjsporte público é visto como a principal alternativa para a redução da emissão de poluentes. Isso porque a maior parte dos gases que pooluem o ar nas cidades é proveninete de veículos, que há muito tempo ultrapassaram as indústrias.
A redução do número de veículos só é possível com sistemas de transportes públicos eficientes que convençam o cidadão a deixar o carro em casa.
Não adianta apenas um ônibusd não poluente se este ficar preso no trânsito, sem corredores e vias prioritárias. Ele pode reduzir o número de poluentes, mas não continuará sendo atrativo à população perlo fato de ficar preso no trânsito como os carros e não ter velocidade.
Pesquisa do Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – revela que as pessoas nas cidades querem rapidez nos transportes.
E se o ônibus for rápido, aí sim deixariam o caro em casa.
Num corredor, mesmo um ônibus convencional a diesel já traz vantagens ambientais, pois pode substituir de 35 a 70 carros de passeio e com melhor velocidade, o motor tem um desempenho satisfatório em alta rotação, que pode poluir menos.
Se o ônibus então for ecologicamente correto, como o Híbrido da Volvo, os recentes Etanol da Scania, o Biodisel da Mercedes e os tão desprezados trólebus, totalmente elétricos e em nada poluentes, os ganhos ambientais serão maiores ainda.
Mas vale o recado para os prefeitos, ainda mais o de São Paulo, que ônibus tecnológicos são excelentes, só que eles precisam de vias proritárioas. Caso contrário, continuará sendo um ônibus limpo no meio de milhares de carros sujos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.