EMTU: NÃO HÁ SOBREPOSIÇÃO EM RIO GRANDE DA SERRA

Para EMTU, não há sobreposição de linhas em Rio Grande da Serra
Empresa gestora dos transportes intermunicipais de São Paulo afirma que serviços de empresa de Ribeirão Pires, em Rio Grande da Serra, atendem às normas para operação de ônibus na Região Metropolitana e foram definidas por acordo com administração municipal
ADAMO BAZANI – CBN

ônibus

Ônibus da Viação Talismã na parada inicial da Vila Niwa, em Rio Grande da Serra, na Grande São Paulo. Empresa acusa companhia de Ribeirão Pires de fazer sobreposição de suas linhas municipais e prejudicá-la financeiramente. A companhia de Ribeirão, RIGRAS, diz que cumpre determinação da EMTU em linhas autorizadas. EMTU diz que não há sobreposição e que RIGRAS serve Rio Grande da Serra por um acordo com a Prefeitura. Adamo Bazani

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – considera que não há sobreposição de linhas intermunicipais da RIGRAS, empresa de Ribeirão Pires, aos serviços da Viação Talismã, empresa da cidade de Rio Grande da Serra.
A Talismã acusa a RIGRAS de fazer o mesmo itinerário de duas linhas municipais, a que serve a Vila Niwa e a do Parque América.
Segundo a Talismã, os trajetos entre os ônibus municipais e intermunicipais são só mesmos e isso tem inviabilizado economicamente a empresa de Rio Grande da Serra.
A Talismã afirma que tem sido vítima de uma concorrência desleal da RIGRAS e que, perdendo passageiros, não pode investir em renovação de frota ou ajudar a manter as linhas deficitárias, de pouco retorno financeiro e com viário difícil. Boa parte das ruas de Rio Grande da Serra ainda é de terra.
A RIGRAS afirmou que não comete nenhuma irregularidade e que opera de acordo com determinação da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos.
Na última sexta-feira, dia 13 de maio de 2011, a reportagem esteve por 4 horas, entre às 14 h e às 18 h, em Rio Grande da Serra, e constatou que as duas empresas trafegam pelas mesmas ruas entre o Parque América e o Centro e entre a Vila Niwa e o Centro de Rio Grande da Serra.
Os ônibus andam quase juntos e em alta velocidade, fazendo ultrapassagens em pontos e em ruas estreitas, muitas de paralelepípedo ou sem pavimento, em busca de passageiros.
As linhas da RIGRAS que são alvo de reclamação por parte da Talismã são a 041 (Rio Grande da Serra – Vila Niwa \ Ribeirão Pires), 402 (Rio Grande da Serra – Parque América \ Ribeirão Pires) e 11 (Ribeirão Pires \ Santo André – Eclor, via Jardim Encantado – Rio Grande da Serra).
A EMTU afirmou, por meio da Assessoria de Imprensa, que a RIGRAS serve os bairros atendidos também pela Talismã em comum acordo com a Prefeitura de Rio Grande da Serra.
Confira o posicionamento dado pela EMTU:
Blog Ponto de Ônibus: EMTU, confirmando as queixas da Talismã, pretende readequar as linhas da RIGRAS?
EMTU: As linhas foram definidas em contrato de permissão com a empresa Rigras e de comum acordo com a administração municipal. EMTU/SP obedece ao artigo 39 do Decreto 24.675/86, segundo o qual a Secretaria dos Transportes Metropolitanos só poderá estudar um aumento de tarifa de linha intermunicipal – caso haja solicitação da empresa municipal – sob anuência prévia da Prefeitura local, o que não ocorreu até o momento
BPO: As linhas da RIGRAS realmente são sobrepostas às da Talismã?
EMTU: A EMTU/SP não considera que as linhas intermunicipais citadas se sobreponham às municipais já que, inclusive, praticam tarifas superiores às municipais. As linhas metropolitanas operam com tarifa de R$ 2,80 e as municipais cobram R$ 2,60. A linha 117, que dispõe de integração tarifária com a CPTM na Estação Rio Grande da Serra, pratica a tarifa de R$ 4,00.
BPO: Existe uma lei ou uma norma que limita a sobreposição? Se existe, qual é esse limite e as implicações de ela não ser cumprida?
EMTU: O artigo 39 do Decreto 24.675/86 dispõe os seguintes limites: I. itinerário da linha local coincidente em mais de 50% (cinqüenta por cento) com o da linha metropolitana;
II. linha local coincidente com intervalo máximo de 60 (sessenta) minutos e operação contínua mínima de 18 (dezoito) horas nos dias úteis;
III. comprovação da inviabilidade econômico-financeira da empresa local quanto ao serviço de transporte em face da tarifa da linha metropolitana.
Adamo Bazani, repórter da Rádio CBN, jornalista especializado em transportes.

8 comentários em EMTU: NÃO HÁ SOBREPOSIÇÃO EM RIO GRANDE DA SERRA

  1. na minha opinião a talismã erro em implanta o bilete bom agora não pode reclama pq as pessoas tem a opção deveria ter implantado bilete unico com benefio do tempo e com a cptm

  2. O ki o Prefeito diz? na opinião dos leitores e passageiros é certo a EMTU passar a pegar passageiros dentro da cidade?Temos ki juntar e tirar a EMTU porque o prefeito ta por trás disso com certeza.Se não pode não entra amigos. Por lei de transportes não poderia.Mas..neh rs rs

  3. Adorei o que a Talismã fez e faz na cidade eh pouco mas eh sem fins lucrativos e empresas assim tem ki crescer junto com nos.FORA MTU Que nada faz pra nos.

    • O que a Regras faz por nós pé nossa crianças,por nossa cidade ela só quer mesmo e a nossa passagem rs fora regras que nos abandonou quando nossa cidade era um ovo estamos crescendo e queremos ver nossas empresa crescer junto

  4. heliovaldo j de souza // 9 de março de 2014 às 16:37 // Responder

    eu como usuario mais da rigras e moro aqui em rio grande da serra so tenho que agradecer a rigras porque a talsma nao oferece um bom desempenho aos passageiros deixa os passageiros na mao principalmente o bairro da vila conde as veses o passageiro fica de 40minutos as veses ate 50 minutos por isto que a concorrente rigras nos ajuda muito que tem onibus para a vila niwa que a gente toma e desce no ponto do mercado rio grande e sobe de pe para a conde e o certo era ter mai concrrencia para melhora do transporte aqui em rio grande com onibus lavado e limpo por dentro como os onibus da rigras para bens rigras pela sua postura e reispeito com os seus passageiros por isto que esta crecendo sempre com qualidade que o povo adimira e com proficionais educados e qualficados

    • O tapado abre seus olhos enxerga a realidade se a rigras não fizesse isso com certeza a talismã iria fazer e faz só que a talismã eh da nossa cidade e a rigras não a rigras cresce com nossos dinheiro e que não volta pra nossa cidade como a talismã vai pra frente se a prefeitura não ajuda não faz nada e vc vem dizer parabéns pra rigras,num sei não mas acho ki vc eh da prefeitura oy tem alguma coisa com eles não eh possível alguém não querer o melhor pra nossa cidade… Aí tem coisa

  5. Muda essa turma do prefeito que vcs vão ver se Rio Grande não vai pra frente. A cidade não anda onde já se viu ônibus da EMTU rodando na mesma linha da municipal eles dizem que não mas vai lá qualquer um qui vai ver. O ônibus da Regras deveria por certo fazer esse caminho: vem de ribeirão no trevo ir até a estação de lá voltar pro trevo e seguir a na rodovia. Mas o prefeito amigo da Regras deixa entrar nos bairros, bairros esse que pega mais passageiros. Aí eu pergunto, porque isso só acontece aki em Rio Grande da Serra? mew pode procurar por aí em qualquer cidade isso não existe só nossa cidade não tem ntegração entre ônibus municipal e trem,
    Onde tem trem tem integração. Quem sofre o povo quem perde a cidade. Sem comentário essa EMTU e a prefeitura de Rio Grande quer mesmo e ki nos se ferre. A talismã deveria mesmo era ir no ministério dos transportes aki em SP não vai pra frente

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: