E O TROLEBUS QUE PAGA O PATO …

trólebus quebrados.
Mais um dia de problemas com tróelbus em São Paulo. O veículo, que é 100% não poluente e emite muito menos ruídos, é colocado como vilão destes dias problemáticos sendo que se o poder público desse a mínima estrutra para o ônibus elétrico trafegar, ele seria uma das alternativas para o setor de mobilidade. Foto: Fattos e Fotos

E o trolebus paga o pato…
Inércia do Poder Público joga responsabilidade sobre os trólebus pela deficiência do sistema, sendo que com poucos investimentos, este tipo de transporte poderia ser uma das alternativas para a cidade de São Paulo, como já foi no passado

MARCOS GALESI

Era uma vez que existia numa certa cidade um veículo genuinamente limpo, eficiente, confortável, silencioso, que veio em 1949 para revolucionar o meio de transporte.
Este transporte levava muitos e muitos passageiros para o Bairro da Aclimação na qual estes passageiros se agradaram bastante.
Na época, vieram vários veículos alguns alemães, outros ingleses, enfim vieram para ficar e se perpetuar naquela cidade.
Um belo dia, em meio à crise do petróleo, decidiram expandir o sistema para vários bairros desta cidade, e aí havia uma proposta de que houvesse 1284 veículos em corredores segregados (a sua principal vocação) em diversas partes desta cidade.
Infelizmente só a primeira fase foi concluída e as fases seguintes acabaram sendo abandonadas, graças ao poder público.
Com o tempo, estes veículos foram envelhecendo, envelhecendo até que chegou uma época na qual foram revitalizados e com novas propostas de expansão. Os veículos foram revitalizados, mas as propostas de expansão, não foram para frente, infelizmente.
Passou um tempinho, houve uma devastação de parte destes veículos devido a antipatia da população que não prestou atenção nos pequenos detalhes, e nem deu atenção aos benefícios que ele poderia contribuir, tiraram seus fios, e toda sua infra-estrutura para rodar.
Grande foi a devastação, mas uma pequena parte ainda foi salva, graças a Deus, pois foram esforços de vários trabalhadores para se colocar esta infra estrutura.
O serviço dava sinais de que iria melhorar, que engano!!! Nós população fomos enganados!!!
O tempo passou e até que um dia uma empresa decidiu adotá-los e mais uma vez ficamos na esperança de que o serviço fosse melhorar, e realmente vimos uma certa melhora, pois vieram veículos novos para substituírem os veículos mais cansados.
Um dia, o prefeito desta cidade falou: Vamos construir um corredor exemplar na Celso Garcia, a esperança da população logo se ascendeu, mas infelizmente pouco tempo depois, jogaram uma ducha de água fria. Tentaram colocar um meio de transporte que nunca operou na cidade de São Paulo e a população reagiu para que não se construísse e este prefeito voltou atrás.
Mais um pronunciamento do prefeito, e agora ele prometeu metrô, e mais uma vez a população foi frustrada porque nem previsão tinha de se construir esta linha.
Conclusão: Hoje na Celso Garcia, temos estes veículos que não poluem, são silenciosos e têm todas as vantagens que o ônibus comum não tem. Mas a Celso Garcia está com o viário todo esburacado provocando assim, quebras no veículo, quebras na rede, enfim, em vez da população se agradar deste maravilhoso veículo, ela tem o desprezado. Quando vemos uma associação se manifestar contra o Trólebus é porque na verdade a população não quer saber se o problema está no veiculo ou no viário, o povo quer eficiência, quer mais rapidez, conforto, segurança, sem problemas, não é fácil a pessoa trabalhar de manhã até o fim da tarde, pegar condução lotada e ainda mais quebrando não trazendo dignidade para a população. Para se ter uma idéia, com o piso que se tem na Celso Garcia, a velocidade não chega a 5 Km/h em média, sendo que a velocidade no mínimo é 14 Km/h em média. É necessário haver uma qualificação urbanística na Celso Garcia, é necessário haver uma modernização e revitalização do Sistema trólebus que está há mais de 62 anos servindo a população, hoje da maneira que é possível, pois assim como a Celso Garcia, há outras vias que necessitam ser revitalizadas ou trocadas, por um pavimento rígido e ter uma boa drenagem. É necessário manter os trólebus em corredores e em bairros tradicionais pois muita gente não quer respirar fumaça, e sim querem respirar ar puro, querem ter conforto em seus deslocamentos, querem economizar tempo e posso dizer que a Celso Garcia merece uma requalificação urbanística que seja modelo a ser seguido em outras cidades, com um corredor exemplar, para beneficiar não só os usuários de trólebus mas também quem mora nos fundões da zona leste.
PODER PÚBLICO, CHEGA DE INÉRCIA, MÃOS À OBRA a CIDADE MERECE RESPEITO.

Marcos Galesi é especialista em ônibus elétricos e integra os Movimentos Respira São Paulo e Defesa do Trólebus.