Depois de um ano, Rodoanel ainda não tem iluminação e depende de diesel

Iluminação do Rodoanel virou piada de primeiro de abril
Em plena época de apelo pela preservação do meio ambiente e com riscos cada vez maiores de segurança, trecho Sul do Rodoanel tem iluminação precária, em sua maioria, operando com óleo diesel

ADAMO BAZANI – CBN

Rodoanel na escuridão após um ano de promessas, sem iluminação.

Vários trechos da ala Sul do Rodoanel são pura escuridão na parte da noite, trazendo risco de segurança, como assaltos, e de acidentes. Os celulares não pegam, faltam telefones de emergência e os poucos trechos iluminados dependem de geradores a diesel. Foto Luciano Vicioni.

Foi no dia primeiro de abril de 2010 que o trecho Sul do Rodoanel era inaugurado, mesmo que incompleto. A obra que possibilita a ligação de São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André e Mauá às estradas próximas quando foi apresentada há exatamente um ano não tinha iluminação suficiente, pouca infra-estrutura, como áreas sem cobertura de celular, inexistência de postos de combustíveis e sinalização precária.
Em relação à iluminação, a Dersa, no dia primeiro de abril do ano passado, durante a inauguração incompleta, dizia que no máximo em três meses o invento da luz elétrica chegaria ao Rodoanel.
Será que foi pegadinha de primeiro de abril?
Porque passaram-se os três meses e nada de iluminação elétrica.
O Governo do Estado de São Paulo anuncia a preocupação com o meio ambiente. Vai exigir mais ônibus limpos no Corredor Metropolitano ABD, que liga São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, a Jabaquara, na zona Sul, pelos municípios de Santo André, Mauá (Terminal Sônia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema e faz propagandas sobre obras de transportes que ainda não saíram do papel e nem devem ser concluídas no tempo previsto, como antes da Copa do Mundo de 2014, cuja propulsão é elétrica, a exemplo dos midiáticos monotrilho e VLT.
Mas em um ano e algumas horas de operação, boa parte da iluminação do Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas, quando ela existe, é feita a diesel.
Isso mesmo, o diesel dos ônibus e caminhões que é apontado como um dos vilões da qualidade do ar.
Na verdade, nem é o mesmo diesel, já que o combustível S 50 dos ônibus tem índices inferiores de enxofre e material particualdo.
A falta de iluminação também afeta as extensões da Avenida Jacu Pêssego e da Avenida Papa João XXIII, em Mauá.
Na avenida Jacu Pêssego há dois geradores a diesel.
Não é só combustível e pulmão que são queimados com a falta de iluminação.
Não bastasse a insegurança de se transitar por trechos escuros e com pouco sinal para celular, que pode ser usado num eventual pedido de socorro, muito dinheiro também tem sido queimado junto com o diesel.
Desde o dia 10 de março deste ano, o Consórcio SPMAR, pertencente ao Grupo Betim, já gastou R$ 2,5 milhões para alugar os geradores, isso sem contar com o diesel.
Se esse gasto é de menos de um mês, imagine quanto o Governo do Estado de São Paulo não teria gastado com o expediente. Mas o poder público estadual não falou de valores.
EMPURRA – EMPURRA:
A pelo jeito, a situação ainda ficará indefinida por algum tempo.
A repórter Carol Scorce, do Jornal ABCD Maior, entrou em contato com a SPMAR, com a Dersa e com a Eletropaulo, responsável pela instalação dos postes.
A SPMAR disse que não vai iluminar a via, pois mesmo ela sendo a atual administradora do Trecho Sul do Rodoanel, o contrato para a colocação dos postes foi celebrado entre a Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S A) e a Eletropaulo, empresa responsável pelo abastecimento energético de parte do Estado de São Paulo.
A Dersa vai entrar na Justiça contra a Eletropaulo pedindo o ressarcimento dos gatos com os geradores, já que a última previsão de entrega dos postes, após vários adiamentos foi era para 16 de março.
A Eletropaulo culpa a Dersa. Disse que já estava pronta para instalar os postes, mas que a empresa de Desenvolvimento Rodoviário S.A. não teria resolvido problemas de natureza burocrática e de engenharia para que o trecho estivesse apto a receber os postes.
Ou seja ninguém se responsabiliza de fato para a iluminação do Trecho Sul do Rodoanel.
Não há uma data oficial para que o Rodoanel seja iluminado. O consórcio SPMAR têm até 180 dias, contados desde 10 de março, quando assumiu a concessão do trecho, para aprimorar as obras, com sinalizações, poda de árvores e de mato, colocação de telefones de emergência e pavimentação de maior durabilidade.
Dos 44 mil veículos que circulam pelo Trecho Sul do Rodoanel, cerca de 60% são de caminhões e ônibus.
Se o Governo do Estado diz que o trecho Sul do Rodoanel aliviou o trânsito, principalmente de caminhões em vias movimentadas como na Avenida dos Bandeirantes, por causa das obras inacabadas, em outras regiões cortadas pelo Rodoanel, a fluidez no tráfego piorou. Prova disso é a entrada do município de Mauá, que com poucas faixas para os veículos por conta do canteiro de intervenções apresenta longos congestionamentos tanto para quem sai como para quem entra na cidade.
Não há prazo concreto nem para iluminação nem para conclusão das obras viárias que faltam para o Rodoanel se tornar de verdade.
Há só uma definição: a cobrança de pedágios, que deve começar em julho, de acordo com a própria concessionária SPMAR. Há outra previsão também: a arrecadação neste ano deve ser de R$ 40 milhões, só nos seis meses de cobrança.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

5 comentários em Depois de um ano, Rodoanel ainda não tem iluminação e depende de diesel

  1. Claudenor de Oliveira Nunes // 1 de Abril de 2011 às 21:49 // Responder

    Lembro como se fosse hoje que em 2002 na época de campanha, Geraldo Alckimin prometeu que o Rodoanél não teria pedágio. Pois bem, além de ter pedágio, é uma obra mal feita, o trecho sul foi entregue no último dia de mandato de José Serra, entregue sem placas (quem acessaa o trecho sul ficava mais perdido que cego em tiroteio) e guardirreios nas áreas em que a via é alta. E até hoje sem iluminação, VERGONHA! Rápido e eficiente esse governo de SP só é em uma coisa: cobrança de pedágios!?!?!

  2. Enquanto morador de uma região cortada pelo Rodoanel posso afirmar que não há dúvidas sobre a melhora do transito na região, pois a saída os caminhões de vias como Av Eliseu de Almeida, Francisco Morato e Marginal Pinheiros realmente melhorou muito os indices de poluição e transito desse tipo de veiculo na região, a inauguração do trecho sul foi de fato um grande marketing politico para o então candidato a presidencia da republica Sr. José Serra, porém não vou aqui somente culpa-lo por isso, isso decorre por causa dessa cultura politica brasileira de se usar obras publica, assim como problemas publicos (educação, saúde, transportes, entre tantos) como moeda de troca politica, não bastasse isto vemos nossos parlamentos muito comprometidos com as causas e interesses de setores que sempre são beneficiados, leia-se que os interesses da população são a ultima parte, pois empreteiras, construtoras, empresas de setores estratégicos sempre tem suas reinvindicações atendidas em primeiro lugar, e dizem que isso beneficia o povo. A situação do trecho sul do rodoanel é reflexo de interesses que estavam na época da sua inauguração acima das reais necessidades, pois sabe-se que esses trecho é inseguro, não há pontos de apoio, postos de combustíveis e para piorar há lugares que não há sinal de celular, mas para quem passa pelo trecho pode observar que as praças de pedágios estão prontas para funcionar se quiser amanhã. De certo modo peço até desculpas pelo desabafo, assim como se alguém quiser pode acrescentar ou mesmo apontar se estou errado nos meus pensamentos. Forte abraço

  3. Concordo com o Roberto: a obra era imprescindível, desafogou de fato vias muito importantes e é opção perfeita para caminhões e outros veículos, inclusive particulares, atingirem o litoral sem o suplício de passar por dentro de São Paulo. Moro em Cotia e agora posso chegar em todo o ABC em menos de 1 hora. A confusão de não ter postos, iluminação e celular cheira a politicagem. Resolvem-se estes problemas, sabemos, com muito mais facilidade que construir as pistas e o político da vez chamará pra si os holofotes. É o manjado “bode na sala”, truque em que não deveríamos mais cair.

  4. Concordo com plenamente com a matéria e com os amigos com seus comentarios , uma grande obra que foi entregue as pressas sem sinalização e segurança , para servir de vitrine e no palanque dos tucanos que estavão de olho nos governos federal e estadual isso é fato.
    Oque vejo que foi concluido muito rápido forão as praças de pedágios , a implatanção de radares , isso aim chegou rapido e muito antes da Luz elétrica , do sinal do celular , dos pontos de apoio , dos telefones , entre outras coisas básicas que deveriam ter no rodoanel e não foram disponibilizadas ainda.
    Vemos também que tivemos imensas vantagem de deslocamento com esta obra , isso é fato não podemos negar , mas vemos também que faltão inumeras coisas que precisam ser acabadas e não são , como por exemplo acessos e saidas aos Bairros Oratório e JD Paranavai em Mauá , esse ultimo é uma vergonha 400 mts uma estradinha sem vergonha de terra que não se sabe porque não é feito , que poderia ajudar a diminuir significativamente o trânsito do centro de MAuá ,que ja é um lixo pois infelismente não vemos por parte SMU , nenhuma ação de melhoria , ou fiscalização para contribuir para melhoria do fluxo do trânsito na cidade , pois por esse caminho os motorista de carros pequenos terião facil acesso pela AV. Jair Ballo ,saindo na Av Castelo Branco no Zaíra , a diversos bairro de Mauá como por exemplo , Feital , Itapeva , Helida , Lisboa , podendo se deslocar para os bairro sem passar pelo centro ou pelas principais vias centrais , contribuindo significativamente para um melhora no trâsito central.
    Eu me lembro que quando foi falado nesse negócio de rodoanel la no final dos anos 90 qaundo o Covas ainda era vivo, que era pra tudo estar pronto em 2010 no maximo , veja que estamos em 2011,e o trecho norte nem do papel saiu , e sabe-se la quando saira ,parecido com varios outros projetos que sabemos que forão anunciados por qualquer palanque da vida de menor ou maior expressão ou impacto que nunca sairão do papel, ou nem iniciados seram tão cedo, quando se fala em progresso nesse país é nítido que as engrenagens estão totalmente enferrujadas.
    Infelizmente no Brasil as coisas são exatamente como se descreve nos versos da música do Chico Buarque , o novo ja nasce velho.

  5. Verdade seja dita… o trecho leste que sai da Imigrantes é mal sinalizado….. um dia desses queria ir direção Jacu Pessego, mas por falta de placas acabei chegando em Taboão da Serra, totalmente inverso…..

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: