COOPERATIVAS NÃO DEVEM GANHAR REAJUSTE A MAIS DA SPTRANS

SPTrans não dará aumento além dos 4,38% às cooperativas
Categoria suspendeu a greve prevista para hoje sob a alegação de que o poder público iria renegociar o valor do reajuste
ADAMO BAZANI – CBN

Cooperativas não devem conseguir da Prefeitura reajuste que reivindicam. Veículos continuam com cartazes de Estado de Greve

A São Paulo Transportes e a Secretaria Municipal dos Transportes negaram que vão negociar outro valor de reajuste ao repasse feito sobre cada passageiro transportado pelas cooperativas de São Paulo.
Em nota à imprensa, a Secretaria afirmou que o reajuste de 4,38% é anual, sempre feito a cada mês de março, e é um índice estabelecido no contrato entre a Prefeitura e as cooperativas na licitação de 2003, na época da gestão de Marta Suplicy ainda.
Os representantes sindicais dos donos de micro-ônibus e ônibus que prestam serviços em 490 linhas e derivações, atendendo a 3,8 milhões de passageiros com cerca de 6 mil veículos, justificaram o recuo da greve, marcada para esta terça-feira pelo fato de terem recebido da Prefeitura a garantia de negociação do índice reivindicado pela categoria.
Os transportadores pedem um reajuste de 12%, alegando perdas nos anos de 2007, 2009, quando alegam que não receberam nenhum aumento sobre os repasses, e incluíam neste valor também o índice correspondente a este ano.
Mas a Secretaria reiterou nesta terça-feira que o repasse pelos passageiros transportados não será acima dos 4,38% já anunciados.
Na noite de ontem, o Sindlotação, o Sindicato que representa os donos de ônibus e micro-ônibus das cooperativas, já tinha dada a greve como certa.
Mas também à noite, a Prefeitura conseguiu uma liminar, decisão provisória, da Justiça que determinava multa de R$ 100 mil por funcionário – veículo que não operasse nesta terça-feira.
Apesar de a categoria ter suspendido a greve por 72 horas, não há nenhuma decisão sobre paralisação, nem depois deste prazo, mesmo a Prefeitura não paresentando nenhuma outra proposta.
Hoje, segundo Senival Pereira de Moura, presidente do Sindlotação, a remuneração média por passageiro transportado por cooperativa é de R$ 1,28. Esse valor Vaira de acordo com a área operada. Senival diz que os custos aumentaram, tanto os básicos como combustíveis e pneus, como os decorrentes do uso de uma frota mais moderna em comparação a 2003, quando foi feita a licitação dos transportes que incluiu as cooperativas no subsistema local. Exemplos são motorização eletrônica, letreiros digitais e dispositivos de segurança, como o anjo da guarda, que impede de o ônibus partir com as portas abertas.
O valor recebido pelas cooperativas é inferior ao recebido pelas empresas de ônibus, de acordo com o representante sindical. Além disso, ele alega que de 2007 para cá, enquanto a população teve de arcar com mais de 30% de aumento nas tarifas, os operadores de cooperativas sofrem defasagens.
Em nota, a Secretaria de Transportes afirmou que o cálculo dos repasses não tem relação obrigatória com o valor das tarifas e que os serviços de empresas e cooperativas são diferentes, daí a remuneração diferente também.
Diz a nota:
“A Secretaria Municipal de Transportes informa ainda que a remuneração aos permissionários não tem relação com a tarifa do sistema de transporte. Os serviços prestados pelos operadores são pagos segundo um modelo específico de remuneração, que considera um valor fixo por passageiro registrado, multiplicado pela quantidade de passageiros transportados pelo operador”
Alguns micro-ônibus continuam circulando com o cartaz escrito Estado de Greve.
Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

15 comentários em COOPERATIVAS NÃO DEVEM GANHAR REAJUSTE A MAIS DA SPTRANS

  1. Morador da Cidade Líder // 15 de março de 2011 às 23:09 // Responder

    E agora? Em quem acreditar? SMT ou Sindlotação?
    Dúvida: a SPTrans fiscaliza os dispositivos “anjos da guarda” rigorosamente? Há muitos veículos tanto de empresas quanto cooperativas que circulam uma determinada metragem sem as portas estarem fechadas. Ex. Veículo da Novo Horizonte 44140

    • Caro amigo, é muito facil desligar o anjo da guarda, alias quase todos os carros, inclusive todos os onibus, tem uma chavinha embaixo do painel, que liga e desliga o anjo da guarda, e só pra vc saber, isso é feito na própria garagem, sem fiscalização nenhuma.
      Agora veja, porque a SPTRANSnão retoma todas as linhas de são paulo ao invés de passar para cooperativas? Pode ter certeza que todas as lotações de SP seriam de alto nível.

  2. Rodrigo de Freitas Andrade // 15 de março de 2011 às 23:37 // Responder

    “Em nota à imprensa, a Secretaria afirmou que o reajuste de 4,38% é anual, sempre feito a cada mês de março, e é um índice estabelecido no contrato entre a Prefeitura e as cooperativas na licitação de 2003, na época da gestão de Marta Suplicy ainda.”

    E então permissionários irão contra uma determinação criada por quem colocou vocês no sistema de transportes?

    O que dizer sobre isso petistas?

    • VERDADE SEJA DITA!!! Regras estão aí para serem aceitas.
      Isso mostra o quão a licitação feita por Marta Suplicy foi maléfica.

    • Sem dúvida, caro amigo……Regras são feitas para serem quebradas, e no Brasil, isso é a coisa mais normal do mundo…..
      Claro que isso é um comentário pifio, mas na realidade essas determinações, foram feitas na época as presas, para que o sistema fosse criado rapido, para as elições e saida das lotações clandestinas de SP, pois já estava um absurdo. Hoje a realidade é outra por completo, se vc acompanha de perto as lotações, pode ver uma evolução gradual nesses 8 anos…
      Quando começou o sistema éram peruas Kombi ainda, veja a mudança……KOMBI de 10 lugares, BESTA de 16 lugares, IVECO de 18 lugares, isso todos com uma porta dianteira, depois MASCARELO ou BUSSCAR com 21 sentados e 25 de pé……e agora temos o IBRAVA, todo digital, com assento para o cobrador, elevador para deficientes e maior espaço….
      Então como é possivel, ficar com um repasse tão atrasado, se foi feita tanta mudança para melhor, para os usuarios, e isso pelos próprios donos de carro?????

  3. Rodrigo de Freitas Andrade // 15 de março de 2011 às 23:42 // Responder

    “Em nota à imprensa, a Secretaria afirmou que o reajuste de 4,38% é anual, sempre feito a cada mês de março, e é um índice estabelecido no contrato entre a Prefeitura e as cooperativas na licitação de 2003, na época da gestão de Marta Suplicy ainda.”

    E então permissionários, agora que sabem a verdade, irão contra a determinação de quem colocou vocês cooperados no sistema?

    E os petistas o que dizer sobre isto?

    • Essa história que o reajuste é de 4,38% é anual, é conversa fiada. Pode até estar firmando em contrato, mas ficamos 3 anos sem reajuste nenhum, ou seja uma defasagem de 13,14%. Algo muito próximo do reajuste solicitado agora, ou seja é só oq a prefeitura realmente deve. Más de qq forma, oq muitos não devem saber é q do valor pago por passageiro para os cooperados é de R$ 1,15 em média, desse R$1,15 deve ser tirado salário + almoço de 2 motoristas e 2 cobradores que dividem o tempo, uma vez q o horário de trabalho é das 4:00 da manhã até às 24:00 horas, 7 dias por semana, sem descando (assim seria impossível somente um motorista dirigir), toda manutenção do veiculo (diesel, pneus, mola, motor, câmbio, embreagem e etc), coisas que não são dificil de dar problemas, cito como ex. os pneus que devem ser trocados a cada 6 meses em média, custa R$ 600,00 cada um. Temos tb, despesas com as taxas da Cooperativa q não são baratas (estacionamento do veiculo, tacografo e outros diversos).
      Na verdade pessoal oq eles querem é acabar com as lotações, os proprietários das lotações estão tendo que fazer emprestimos para pagar até mesmo as prestações dos carros.
      FORAM 3 ANOS SEM REPASSE ALGUM!!!

  4. tá na hora de uma reorganização denovo?

  5. Quem já usou ou usa o trasporte publico nota a diferença de qualidade. Onibus e lotações de cooperativas não são bem conservados, os motoristas não têm vergonha nenhuma em “amarrar” uma viagem para conquistar mais passageiros e o trajeto é realmente emocionante, pois a conduta do veículo nunca é adequada. Não dá para depender do transporte de cooperativas, é uma vergonha. Espero que esse governo, por mais conturbado que seja, não ceda um centavo do dinheiro do contribuinte para essas pessoas que se aproveitam de um serviço publico para acumular fortunas e humilhar o cidadão de São Paulo.

  6. Que maravilha, novamente pessoas que não sabem o que dizem, no blog…..

    Vamos lá….prestem a devida atenção.

    Com relação a esse repasse que a prefeitura diz ser diferente para cada tipo de linha, é real…..mas me digam qual a justificativa?
    Enquanto o nosso repasse, é de cerca de R$ 1,28, que na verdade é de R$ 1,13, isso certificado por documentos e recibos, os da empresa SANTA BRIGIDA, E GATO PRETO, são de R$ 1,98. Agora vejam se é lógico, como essas empresas nos bairros, fazem o mesmo itinerário de várias linhas de micrroonibus e ganham muito a mais no repasse? Se algum poder publico conseguir me explicar isso, ou a qualquer usuario, dou a mao a palmatória.

    Outra, quanto a cada viagem ser emocionante, vc tem toda a razão, mas você já entendeu o porque que isso acontece? Ora se ainda não caiu a ficha vou responder.
    Se o repasse é tão pequeno, a luta na rua é por cabeça. E para pagar uma prestação de um IBRAVA, que hoje chega a R$ 4.800,00 reais por mes, é necessário no minimo o transporte de 700 passageiros dia, para conseguir tal valor, isso descontanto por dia, manutenção, combustivel, cobrador, motorista, pagar a linha, e os fiscais…., ufa, e ainda tem que sobrar algo senão não existe motivo para trabalhar.

    Mais alguma questão que tiverem duvida, perguntem antes de comentar arrespeito sem saber por favor………

    Logo postarei todas as linhas que fazem itinerário por dentro dos bairros, e em territórios bem distantes, para provar que 70% fazem esses locais de dificil acesso. Ciente de que ainda muitos bairros realmente nao são atendidos, nem por onibus, nem por microonibus, por isso temos que abrir realmente essa discussão e bater de frente.

    • Rodrigo de Freitas Andrade // 16 de março de 2011 às 13:32 // Responder

      Então o Sr. quer justificar a disputa por “cabeça”?
      A dignidade do cidadão nem existe né?
      Sobre as linhas estruturais e locais fazerem em determinados trechos o mesmo itinerário mesmo dentro dos bairros, isso não precisa ser técnico em transporte pra explicar:
      Além de muitos bairros o viário não dar condições para que se dispersem as linhas, tem o fato de atendimento e o fator social de uma prestação de serviços de transporte, existem muitos cidadãos que recebem apenas um modal ida e volta de Vale Transporte e trabalham no centro expandido ou em outras areas da cidade, tem um tempo limitadíssimo pra chegarem aos seus afazeres e não tem condições de atenderem ao bel prazer do PT e das cooperativas de fazerem TROCENTOS TRANSBORDOS.
      Nenhum cidadão atarefado, principalmente os de mobilidade reduzida, mas não restrito somente a estes, gosta de ficar subindo e descendo de ônibus, só porque os donos de frota das cooperativas e operadores querem.
      Esta luta radical dos petistas e cooperativas por seccionamentos de linhas, citando quase que de forma fundamentalista a luta pelo fim das sobreposições entre linhas, é a maior injustiça social, com a POPULAÇÃO veja bem, não é com empresários de ônibus não, aliás nem conhecer empresários de ônibus conheço.
      Muitas sobreposições são necessárias pra que a população tenha acessibilidade, praticidade e SEGURANÇA até mesmo para fazer transbordos usando o bilhete único.

      Outra prezados amigos, perguntem sim, indaguem e postem sim o que pensam, vcs não precisam consultar ninguém pra isso, apenas devem respeitar a moderação deste blog.

      Apesar de em partes não concordar com sua linha de pensamento, admiro sua coragem caro Márcio de postar o que realmente acontece no subsistema local do transporte coletivo de São Paulo, te parabenizo por isso.
      Sei que existe muita gente decente neste meio das cooperativas, assim como em qualquer area profissional existem pessoas honestas e desonestas.
      Se o senhor está nos passando estas informações é porque também quer que o sistema melhore, por isso acho louvável suas elucidações.

      • Marcio Silva // 16 de março de 2011 às 14:03 //

        Ainda bem que encontramos pessoas com raciocinio lógico a descussão.
        Com certeza, posto assim, para declarar a minha insatisfação do transporte público de São Paulo.
        E falo aqui como usuário e participante integral nas linhas de cooperativas de São Paulo.
        Mas acho que mais de 90% da população, nem imagina o que é, e muito menos como funciona o sistema, e quando aparecem alguns comentários absurdos sobre e principalmente com relação as lotações, fico indignado, pois essa luta é eterna contra a prefeitura, que ao mesmo tempo que nos quer no sistema (coisa que duvido muito com esse poder que temos hoje), fazem coisas para nos tirar.
        Por isso que alem de explicar a todos, como funciona, quero tambem dizer o que realmente acontece, para acabar com todas as duvidas, sobre as lotações, pois isso leva a muitos a falarem sem propriedade nenhuma.

    • cooperados não tem dinheiro pra bancar um veículo low entry, articulados e motor traseiro. já as empresas precisam.

  7. passageira descontente // 16 de março de 2011 às 18:28 // Responder

    Nessa história toda uma coisa eh fato!!….pago R$3,oo de passagem para ter o direito de ir e vir…e dependo das lotações e exigo segurança e no minimo um pouco de respeito, infelismente algumas delas carregam consigo verdadeiras cavalas como cobradoras, q só sabem ficar no celular e maltratar os passageiros, xingam reclamam com palavrões e não fazem questão nenhuma de disfarçar…sem falar as que são casadas com os próprios motoristas, q resolvem discutir a relação na hora do serviço…essa semana a lotação em que estava na vila prudente quase teve um acidente horrivel por conta disso, o motorista tava tão nervoso com a cobradora (esposa aparentemente) que passava em farol vermelho e nem nos pontos parava…fexava todos…. isso eh inadimissivel !!!!!!!!

  8. Gozado! Quando a Dona Marta Suplicy era prefeita nem recebia em dia, ou melhor nem tinha pagamento, era um martírio. Na garagem do sistema sub-local(lotação), só falam da Dona Marta Suplicy ou do PT.
    Nenhum motorista assinou contrato e o que é pior, também não teve acesso. Até quando sofreremos com essa remuneração medilcre querido Prefeito Gilberto Kassab?
    A culpa é de quem?
    Da Marta, do PT, do contrato, das cooperativas, das nossas lideranças, do Kassab, do nosso companheiro Senival (não como vereador e sim como companheiro), da população ou nós, perueiros, bando de imbecís que não sabe a quem recorrer.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: