TRANSFORMAÇÕES NOS TRANSPORTES E VLT NO LITORAL SÃO BOICOTADOS

ônibus Piracicabana

Ônibus Intermunicipal da Viação Piracicabana, empresa que não mostrou interesse nas reformulações dos transpores do Litoral Paulista. Veículo convencional usa motor normalmente aplicado em micrões


Reestruturação dos transportes e VLT do Litoral Paulista não interessam a empresários do setor.
Licitação que previa construção de Metrô Leve e reorganização das linhas e renovação da frota na baixada santista também foi esvaziada pelos empresários

ADAMO BAZANI – CBN

Mais uma vez empresários de transportes coletivos se colocaram contra a readequação dos transportes intermunicipais. Desta vez foi no Litoral Paulista.
Depois de a licitação da área 5, que pretende melhorar os transportes no ABC Paulista ter sido boicotada nesta segunda-feira, dia 31 de janeiro, nesta terça-feira, da mesma forma, a licitação do SIM – Sistema Integrado Metropolitano, da Baixada, foi esvaziada pelos empresários locais.
A principal operadora dos transportes no litoral é a Viação Piracicabana, do Grupo Comporte, da família Constantino, um dos maiores empresários do Estado de São Paulo.
Entre os pontos previstos pelo SIM estava a implementação de um VLT – Veículo Leve sobre Trilhos, que, aproveitando a estrutura da linha férrea já existente, que seria readequada, ligaria em aproximadamente 11 quilômetros, a região do Barreiros, em São Vicente, ao Porto de Santos.
De acordo com a EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos -, o Metrô Leve transportaria 45 mil passageiros por dia, com 12 veículos com capacidade para 400 pessoas. Cada VLT terá 44 metros de comprimento.
Esta seria a primeira fase do VLT do Litoral, que, quando completamente concluído, poderá transportar 220 mil pessoas por dia.
O Metrô Leve seria alimentado e integrado fisicamente e na tarifa às linhas de ônibus municipais e intermunicipais.
Mas a licitação do SIM contemplava muito mais que o VLT.
Estudos do Governo do Estado de São Paulo comprovaram o aumento populacional e alterações do perfil turístico do Litoral Paulista. Além disso, têm sido realizados novos investimentos não somente no setor turístico, mas de comércio, industrial e petrolífero.
Os estudos comprovaram que muitas linhas de ônibus estavam defasadas e que haveria a necessidade da criação de novas ligações.
A EMTU também objetiva renovar a frota, com veículos mais confortáveis e potentes. Há ônibus convencionais operando com motores que são normalmente usados em micrões em outras regiões do Estado.
Além disso, a gerenciadora exigiria uma frota maior de veículos acessíveis.
Os passageiros reclamam da falta de organização em linhas, algumas se sobrepõe as municipais e outras, com as mudanças que ocorreram nos últimos anos na Baixada Santista não têm mais a mesma serventia enquanto há outras áreas que precisam de maior oferta de ônibus.
Nenhum representante dos empresários da região quis se manifestar.
Em menos de 24 horas, duas licitações com o objetivo de melhorar a situação dos transportes metropolitanos, uma no ABC Paulista e outra na Baixada Santista, foram frustradas.
Os atrasos, as demoras, os ônibus inadequados e as linhas defasadas ainda serão realidade na vida de muitos usuários, que cobram atitudes mais firmes das autoridades que cuidam dos transportes metropolitanos.
A pergunta é: por que esses empresários continuam fazendo o que querem e onde querem?
Adamo Bazani, jornalista – CBN
FOTO: Ônibus da Viação Piracicabana, empresa que opera os serviços no Litoral Paulista e que não se interessou pela reestruturação dos transportes na região. Foto: Fabrico Nascimento Zulato – Matéria: Adamo Bazani

10 comentários em TRANSFORMAÇÕES NOS TRANSPORTES E VLT NO LITORAL SÃO BOICOTADOS

  1. É lamentavel que não houve interessados, eu na minha humilde opinião, acho que a CPTM deveria de construir o VLT e operar e fazer a licitação da EMTU separadamente.

  2. Deveria haver tolerância ZERO pra empresários safados,
    poxa vida,vemos o próprio governo e a mídia falando pra não jogar lixo nas ruas,não poluir o meio ambiente e na hora de cobrar isso dos mais fortes(os empresários)eles boicotam e o governo vira as costas e não faz porcaria nenhuma e fica por isso mesmo…
    será que vale a pena torcer pra seleção na copa do mundo e vermos o Brasil ainda na merda sem crescimento algum??
    Será que vale a pena servir o exército e defender o que chamamos de pátria(sendo que na verdade a guerra só serve pra defender os problemas de líederes políticos safados),e será que vale a pena o soldado pegar a arma na mão,arriscar sua vida e cometer essa besteira??
    será que vale a pena de ter o orgulho de ser brasileiro e morarmos num país que ainda está na idade da pedra??

  3. Antes de comentar eu agradeço ao jornalista Adamo Bazani pela reportagem sobre Santos e RMBS a matéria ficou excelente, mas em relação ao ocorrido fiquei muito decepcionado e triste com o boicote por parte dos empresários do setor e ainda por cima se tratava de licitação internacional. Já não chega o que aconteceu com a futura Área 5 do ABCD na RMSP e agora com o VLT no Litoral de São Paulo. Os empresários e certos politicos da Baixada Santista estão comemorando e quem sai mais uma vez prejudicado é o cidadão.

  4. Donniel de Andrade Galdino // 1 de Fevereiro de 2011 às 22:59 // Responder

    Parabéns ao jornalista Adamo Bazani pela reportagem, muito esclarecedora. Realmente eu não me surpreendi com o esvaziamento da licitação do projeto SIM da baixada santista, até porque não esperaria outra coisa destes empresários que lucram muito com a desordem do transporte público, com linhas redundantes, ônibus pequenos e superlotação. São absolutamente todos iguais. Uma solução interessante seria uma parceria Governo do Estado/Federal/BNDES para a execução da obra do VLT sob a chancela da CPTM ou do Metrô e impor a concessão das linhas, ou copiar o sistema de transporte de Curitiba, que cairia como uma luva aqui em Santos.
    Grande abraço a todos.

  5. Quando o novo Governador Geraldo Alckmin anunciou que faria a implantação do bilhete único aqui na RMBS, já olhei torto para tal anúncio pois, pra mim, é uma forma de não se fazer o VLT. Com apenas as integrações o governo estadual encontrou uma forma de agradar a maioria dos usuários, agradar principalmente aos prefeitos que tem suas campanhas financiadas por tal empresa de ônibus, e principalmente, beneficia a mesma empresa, pois continua prestando seus serviços, não com o museu que existe no ABC, mas com ônibus com o mínimo de conforto ao passageiro.

  6. Adamo, diante dessas circunstâncias, a população não pode entrar com um processo a fim de obter do Ministério Público uma posição mais rígida sobre as empresas e a própria EMTU?! Não entendo de leis, mas não haveria nenhuma que proteja o passageiro? Será que uma ação em massa no Procon não desencadearia efeitos?

  7. Nelson Roberto Langella // 4 de Fevereiro de 2011 às 08:02 // Responder

    Parabéns por suas reportagens, mais tenho uma correção a fazer:A Piracicabana pertence ao grupo Constantino, e ñ ao grupo Belarmino.Obrigado..Lan-bus2003

  8. essa historia criada pelo governo do estado nunco foi bem esclarecida para a populaçao gostaria de saber como e que a cptm vai colocar esse vlt pra funciona vou inumerar algumais informaçoe que talvez nao forao divulgadas como segue;
    lei estadual 7861 criou a cptm
    decreto estadual 36.658 os imoveis da fepasa permanece com a fepasa
    lei estadual 9.342 revoga o artigo terceiro da lei 7.861 logo a cptm nao pode integralizar bens da fepasa em seu patrimonio
    lei estadual 9.343 fepasa transfere suas açoes para uniao
    lei federal 2.508 de 1998 a uniao compra a fepasa e os trens de longo percurso desativa os ramais anti-economicos em 2007 a uniao extingue a rffsa e tranfere os imoveis nao oeracionais para a spu ja pensou quanto custaria para implantar esse tal vlt 11km tendo que compra imoveis desapropriaçao e mais facil as atuais explicaçoes

  9. mais uma vez o governo do estado vem a publico brincar com as pessoas que depende do transporte publico para trabalhar , espante os senhores a COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS-CPTM alugou diversos imoveis na baixada santista com a alegaçao que os imoveis era de sua propriedade outra ora alegava que incorporou os mesmos atraves da cisao da fepasa agora vem despejanto esses trabalhadores, pais de familha,foi muito bem colocado o comentaria do cleber leite mas vou mais alem veja o que diz o DECRETO LEI a seguir issso e caso de policia federal pode ter certeza issso vai acontecer,

    DECRETO LEI 2.436 de 22 de julho de 1940 desde esta data esses imoveis ja pertencia ao governo federal !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  10. POR QUE ESSES ONIBUS NAO VEM ATE CARUARA ?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: