Vitória Scania, ícone dos anos 90, e uma família centenária

 

Vitória Scania marcou uma das fases mais controversas e prósperas de família centenária nos transportes. Espírito empreendedor fez com que os Setti & Braga dessem uma virada no jogo.

Nem tudo o que começa mal terminal mal, contrariando os mais pessimistas.
No mês em que são comemorados os 100 anos de atuação nos transportes da Família Setti & Braga, a história dos herdeiros que deram continuidade ao empreendimento mais antigo e duradourodo ABC Paulista prova que não só nos negócios, mas na vida é possível dar uma virada para melhor.

E a principal dica é não desanimae nem recuar diante das adversidades. Esses quatro ônibus Vitória Scania F 113, retratados pela Revista Rei da Estrada, informativo da Scania, de 1992, foram vistos com muito carinho pela empresa, em especial pelo senhor João Antônio Setti Braga.

Eles não foram apenas ônibus novos para a população servida pelas linhas entre Santo André e São Bernardo do Campo. Tais ônibus foram símbolos de resistência, não só pelo motorzão, mas representaram um investimento quando tudo parecia conspirar contra os negócios de transportes no ABC Paulista.

O cenário dos transportes na região era o seguinte:

Famílias tradicionais do ABC, como Brunoro, Bataglaia, Romano, Fogli, que atuavam há décadas no segmento urbano municipal e intermunicipal sentiram as dificuldades geradas pelo período inflacionário.

A inflação atingiu em cheio quase todos os setores da economia. Mas, como sempre, em qualquer plano econômico ou conjuntura quem mais sofre é o trabalhador. Os preços subiam e eram encarados pelas equipes ministeriais como “ajustes do valor de mercado”. Mas quando o assunto era salário, aí o aumento dos ganhos do trabalhador era apontado pelo poder público como o responsável para uma eventual piora na crise.

Sentiam muito também os setores que lidavam direto com os trabalhadores, ou seja, cujo lucro dependia diretamente dos ganhos da população de baixa renda.
Se enquadram nesta situação as empresas de ônibus. O principal cliente de um prestador de serviços urbanos é justamente o trabalhador. Se ele tivesse ganhos achatados, como teve, deixava de pegar o ônibus e, sem exageros, entre dar pra família o que comer e usar a condução, o trabalhador preferia andar longos trajeto a pé. Isso sem contar que há muitas décadas, tarifa de ônibus sempre foi tratada mais como questão política que realmente técnica. Assim, as tarifas não poderiam subir como os custos de combustíveis e outros insumos e os trabalhadores não deveriam ser massacrados com mais aumentos em suas contas, como os gastos com os transportes.

Nesta ocasião, outros empresários mais capitalizados entram no ABC aproveitando deste momento frágil das famílias tradicionais. Foi a chamada entrada dos mineiros, como Ronan Maria Pinto e o sócio e parente Baltazar José de Souza.

Mas a família Setti Braga decidiu se esforçar e resistir este período, conforme declarou João Antônio Setti Braga.

Do ponto de vista político, a situação também não estava favorável para o investidor particular de ônibus. As cidades administradas pelo PT, como São Bernardo do Campo, Diadema, São Paulo e Santo André se engajaram em municpalizar os transportes. Sistema pelo qual as empresas eram contratadas pelo poder público. A família Setti & Braga não concordou com os termos das municipalizações. Em São Bernardo, a Viação Cacique deu lugar a ETCSBC e a Viação Alpina, dava lugar a EPT.

O Grupo ABC chegou a enfrentar sérias dificuldades. Mas os anos de 1990 não estavam perdidos. Os investimentos continuaram, como nestes Vitória Scania, um dos topos nos produtos de transportes urbanos. E os frutos da resistência viriam na mesma década. Em São Bernardo do Campo e em Santo André, na metade dos anos de 1990, as municipalizações caem por terra e os Setti & Braga voltam aos sistemas municipais. Em 1997, pelo Consórcio Metra, ganha o direito de operar o Corredor ABD.

Valeu a pena não esmorecer.

1 comentário em Vitória Scania, ícone dos anos 90, e uma família centenária

  1. tem no acervo imagem da Viação Alto Paraíso… aqui de Brasilia?
    na verdade ela nao existe mais!
    mas eu coleciono fotos dela… estou a procura de uma q saiu na Rei da Estrada,,, quero fazer um quadro com essa foto!
    obrigado!!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: