O que realmente acontece no transporte de Mauá

 

Cidade do ABC paulista, a partir do dia 6, vai contar com nova empresa de ônibus e bilhetagem eletrônica. Por causa de impasse, população enfrentará período de transição

Ônibus da Leblon começara a operar com bilhete novo

Conforme adiantou nosso espaço, dia 06 de novembro será marcado por mais uma fase de transformação nos transportes coletivos da cidade de Mauá, município na Grande São Paulo, com cerca de 450 mil habitantes.
Além da entrada da nova empresa de ônibus Leblon Transporte de Passageiros, que vai operar 18 linhas do lote 02, Mauá finalmente vai contar com um sistema de bilhetagem eletrônica de fato.

Já era tempo. Uma das cidades que mais crescem no ABC Paulista contava até então com um sistema de bilhetagem arcaico suscetível a fraudes.
Os bilhetes de ônibus se restringiam a um cartão com tarja magnética onde eram gravados os créditos dos passageiros. Mas o sistema abria várias brechas para evasão de recursos e uso indevido os créditos. Além disso, pela fragilidade do material, um papelão na verdade, qualquer chuva ou amassada no bolso poderia invalidá-lo.

No dia 06 de novembro, a população passa a contar com o Cartão Da Hora.
Segundo a Prefeitura de Mauá, o cartão é mais seguro. Com tecnologia avançada, minimiza os riscos de fraudes, garante integrações de fato entre os ônibus municipais, traz a identificação do usuário, permite o gerenciamento melhor do sistema e é mais durável. Feito de uma espécie de PVC, o cartão não amassa e os créditos não são perdidos a qualquer interferência externa como ocorre hoje.

Mesmo com todos os avanços, num período de até 90 dias, a população terá de volta os velhos passes de papel.

Isso por causa de um impasse atribuído à empresa Auttran, fornecedora do atual sistema magnético de bilhetagem operante nos ônibus da Viação Cidade de Mauá, operadora do lote 01, e da Viação Januária, do lote 02, que deixará as operações no sábado, 06 de novembro.

Viação Cidade de Mauá não cedeu código fonte

O edital de licitação previu que tanto a Leblon como a Viação Cidade de Mauá tivessem um mesmo sistema de bilhetagem.

Mas de acordo com o que este repórter apurou, a Auttran se recusou a fornecer o código fonte, que é uma espécie de senha de decodificação, que, poderia unificar os dois sistemas.

Mesmo cedendo o código, a Viação Cidade de Mauá teria de se adaptar para ter um cartão eletrônico de fato.

Isso não ocorreu. Devido a este impasse, o passageiro terá de passar por um período de adequação.

O CARTÃO DA HORA E OS PASSES DE PAPEL

Cartão da Hora, novo cartão eletrônico de Mauá

As duas empresas de ônibus foram obrigadas pelo Poder Público a se adequarem tecnologicamente para conseguirem ler nas catracas o Cartão Da Hora.

A empresa Leblon garante fez com que seus validadores já conseigam ler o Cartão Da Hora.

Já a Viação Cidade de Mauá vai precisar de mais tempo para se adaptar, apesar de o grupo controlador da empresa já estar há mais de 20 anos operando no município.

No dia do início das operações, a Leblon afirma que já terá condições de receber o Cartão Da Hora. Já a Viação Cidade de Mauá não poderá aceitar o cartão pela tecnologia dos validadores ser mais antiga.

Para o passageiro não perder dinheiro e nem ter o direito a integração comprometido, a Prefeitura elaborou uma série de passes de papel que poderão ser usados tanto nos ônibus da Viação Cidade de Mauá como nos veículos da Empresa Leblon.

Os passes, garante a prefeitura, são seguros, feitos de papel moeda e com sinais de identificação. O tempo do uso desses passes de papel é transitório e o tempo, de até 90 dias, depende do quanto a Viação Cidade de Mauá vai demorar para ajustar seu sistema antigo.

Apesar de os ônibus da Leblon aceitarem os passes de papel, é recomendável que a população que usa os veículos da empresa já transfira os créditos antigos para o novo Cartão Da Hora.

TROCA DE PASSE:

A partir deste dia 27 de outubro, os usuários que possuem o cartão magnético atual já podem ir a Agência de Comercialização de Bilhetes no Terminal Central de Mauá e trocar seus créditos pelos passes de papel, pelo Cartão Da Hora ou mesmo pelos dois.

Máquinas especiais lerão os créditos no cartão atual e o transferirão para o Cartão Da Hora ou a quantidade de passagens será substituída pelos passes de papel.

Quem utiliza num mesmo percurso os ônibus das duas empresas não perderá dinheiro e também não terá a integração prejudicada.
Um exemplo. Quem saiu de um bairro servido pela Viação Cidade de Mauá e vai para outro servido pela Leblon continuará pagando uma só passagem desde que a integração seja feira no Terminal Central.

Assim, na ida, o passageiro pode pegar o ônibus da Viação Cidade de Mauá usando o passe de papel e na volta o da Leblon usando o papel ou o Cartão Da Hora.

Por este motivo que a troca do saldo do antigo sistema pode ser feita de maneira mista.

Se a pessoa tem 40 viagens em créditos no atual cartão magnético e prevê que vai usar 20 nos ônibus da Viação Cidade de Mauá e outras 20 na Empresa Leblon, pode trocar na Agência do Terminal por 20 créditos no novo Cartão Da Hora e mais 20 passes de papel.

Mas quem não utiliza os ônibus da Viação Cidade de Mauá, terá mais segurança ao aderir o Cartão Da Hora logo de imediato.

O Cartão também promove mais uma facilidade para o usuário que é o embarque mais rápido. Ao contrário do que é feito hoje, o passageiro não precisa enfiar o cartão com a tarja magnética na catraca. Basta aproximar do validador que mesmo a uma certa distância já reconhece o usuário e libera a passagem. É o sistema conehcido como Contact Less/Mifare.

DISPUTA ANTIGA

A licitação dos transportes de Mauá foi feita em 2008, tendo como vencedora do lote 01 a Viação Cidade de Mauá, e do lote 02 a Empresa Leblon Transporte de Passageiros.

Mas as disputas atrasaram em mais de dois anos e meio a implementação da bilhetagem eletrônica e da entrada da nova empresa, que possui 86 ônibus novos 0 km e 100 % acessíveis parados na garagem.

Primeiro foram as disputas judiciais. As empresas Trans Mauá e Estrela de Mauá, criada pelo mesmo dono da Viação Cidade de Mauá, para continuar operando todo o sistema, perderam o lote 02 e entraram com uma série de recursos contra a licitação.

A matéria foi parar em Brasília. O Ministro Ari Parandgler, presidente do Superior Tribunal de Justiça, deu parecer favorável à licitação, e a Leblon então continuou a se preparar para operar na cidade. Enquanto o processo estava sendo analisado, este tempo de preparo foi suspenso.

Além dos atrasos judiciais, a população do ABC Paulista foi vítima de uma enxurrada de informações desencontradas que só confundiram os usuários.
Não bastassem as disputas judiciais e o uso de parte da imprensa local, o problema foi mais além e parou na esfera policial.

O Ministério Público Estadual investiga uma série de ameaças contra representantes da Empresa Leblon e contra funcionários públicos.

Cartas ameaçadoras, com imagens de crianças mortas, e até mesmo a explosão de uma bomba na casa de um dos envolvidos nas mudanças nos transportes, fazem parte das investigações. E o Ministério Público garante, haverá punições.

Enquanto isso, a população do municipio de Mauá vive duas situações diferentes: a esperança da entrada de uma empresa com nova metodologia operacional, ônibus novos e a implantação de um sistema de bilhetagem eletrônica realmente eficiente e o período de transição com os passes de papel.

O avanço é que uma empresa terceirizada e independente vai gerenciar o sistema de arrecadação. Para custear o trabalho desta empresa, tanto a Leblon como a Viação Cidade de Mauá vão repassar 2% das receitas tarifárias.

Não haverá subsídios para as viações e o poder público acredita que o dinheiro empregado para o trabalho desta empresa é investimento e não gasto, já que o que vai ser economizado em eventuais evasões, será muito maior que o dinheiro empregado.

Em relação aos patrões que compram vale transporte para seus funcionários, a prefeitura garante que eles terão atendimento especial na Agência de Comercialização de Bilhetes e contarão com o telefone 156 e o site www.vtmaua.com.br (que ainda não está no ar) para serviços e esclarecimento de dúvidas.

3 comentários em O que realmente acontece no transporte de Mauá

  1. invejo a prefeitura de Mauá…
    por enfrentarem de peito uma ditadura que circulou há anos no transporte dessa cidade…
    gostaria que a prefeitura da minha cidade(Embu-Guaçu)agisse assim contra a empresa daqui … de peito aberto… e virando as costas pra corrupção,assim como a prefeitura de Mauá fez … mas vejo que são poucos os que agem dessa forma … assim parabenizo o prefeito de Mauá e sua equipe por ter adquirido coragem e disposição pra acabar com o coronelismo que estava prejudicando o transporte público da cidade!!!

  2. É incrível que empresas que trabalham de forma limpa e séria passem por momentos dificeis e tão complicado.
    É momento que os empresários arcaicos terão que dar espaço para empresas empreendedoras e que não apenas tenham o olhar no horizonte, mas que tenham olhar além do horizonte ísso que é mais importante, a população de Mauá merecem ter empresas que realmente respeitem o passageiro como um CLIENTE.

    E digo mais: TRANSPORTE DIGNO É UM DIREITO DO CIDADÃO E É UM
    DEVER DO ESTADO.

  3. Parabens ao grande Adamo pelo blog e pelo espaço , muito digno e com merecimento desse espaço a vc pelo que vc faz , e parabens a Leblon pela vitória, que ja sabiamos e confiavamos a tempos , mas precisavamos de maires confirmações .
    E é isso ai pra mim a vitória também e do povo , ou como disse a Vitória e de todos nos , fico muito feliz por este momento que vejo .
    Parabens a Leblon e seja muito bem vinda a MAuá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: