Prefeitura deve recorrer e defendeu legalidade de cobrança mais alta