Guarulhos (SP) capacita 140 profissionais do transporte escolar para atender pessoas com deficiência

Lei municipal obriga realização do curso, que foi gratuito

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Guarulhos, na Grande são Paulo, informou que concluiu nas duas últimas semanas a capacitação de 140 profissionais do transporte escolar para atender pessoas com deficiência.

O curso é obrigatório por lei municipal e foi oferecido gratuitamente pela administração municipal aos transportadores.

Segundo a prefeitura, na aula teórica os participantes aprendem os tipos de deficiência e as terminologias corretas, a postura e a abordagem do profissional, métodos de transporte seguro, entre outros tópicos. Também vivenciam na prática situações enfrentadas pelas pessoas com deficiência, como cadeirantes e indivíduos com deficiência visual.

“O trabalho desenvolvido pela subsecretaria tem sido reconhecido e repercutido positivamente até fora do município. Gestores de outras cidades e estados, como Minas Gerais e Acre, têm nos procurado para conhecer e saber detalhes de nossas atividades”, afirmou o gestor Subsecretaria de Acessibilidade e Inclusão, integrante da Secretaria de Direitos Humanos, Gilberto Penido, por meio de nota.

No mesmo comunicado, a prefeitura trouxe as impressões de alguns profissionais.

Monitora de transporte escolar há três anos, Simone Rosa da Silva fez parte da formação, que durou quatro horas. “Surpreendi-me com o conteúdo do curso e aprendi várias coisas. É muito bom e todos da nossa área deveriam passar por ele para podermos ajudar e fazer um trabalho melhor”, disse a moradora do Parque das Nações.

Para o motorista de transporte escolar Juciano Rodrigues Ramos, que fez um curso similar em uma instituição particular, a aula foi uma oportunidade de reciclagem sobre o assunto. “Preciso estar atualizado sempre para executar bem meu trabalho e ter um entendimento melhor, porque no dia a dia chegam novas crianças e sempre tem alguma coisa para aprender”, disse.

Ele iniciou na profissão há sete anos. “Quando comecei a gente tirava a criança da cadeira de rodas e a colocava com cuidado no banco da perua para transportar. Depois a carregávamos para a cadeira de rodas da própria escola. Hoje, com a plataforma elevatória, não devemos tirar o cadeirante, que entra no veículo sentado na sua cadeira”, explicou Ramos.

Interessados na formação, que oferece certificado, podem obter mais informações pelo telefone (11) 2414-3685.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta