Rodoviários da Grande São Luís (MA) ameaçam greve diante de desobediência de empresas à lei que proíbe dupla função

Marcelo Brito, presidente do Sindicato dos Rodoviários do Estado do Maranhão (STTREMA)

Sindicato dos trabalhadores identificou que várias linhas de ônibus na capital continuam circulando com um único rodoviário

ALEXANDRE PELEGI

Os trabalhadores do transporte coletivo da Grande São Luís, no Maranhão, podem deflagrar uma nova greve.

A informação é do presidente do Sindicato dos Rodoviários do Estado do Maranhão (STTREMA), Marcelo Brito, que concedeu entrevista coletiva à imprensa regional nessa quinta-feira, 21 de julho de 2022.

Segundo Brito, os empresários de ônibus não estão cumprindo lei municipal sancionada em fevereiro desse ano que proíbe que motoristas acumulem a função de cobrador.

O sindicalista afirmou que a entidade representativa dos rodoviários fez fiscalizações nos últimos meses em que identificou que várias linhas de ônibus na capital continuam circulando apenas com o motorista, exercendo dupla função.

Após essa constatação, os representantes do STTREMA se reuniram com o SET, sindicato que representa as empresas, para exigir a imediata reintegração dos cobradores nestas linhas.

Após o encontro, a entidade afirmou que aguarda um posicionamento do SET até hoje, sexta-feira (22).

Em caso das reivindicações não forem atendidas, a categoria pode decidir pela deflagração de uma greve em assembleia na próxima segunda-feira (25).

O presidente do STTREMA afirmou na coletiva que são entre 600 e 700 cobradores que foram desligados do sistema, “mesmo com uma lei valendo, em favor da categoria”.

Em nota, o presidente do STTREMA reforçou a ameaça:

Não vamos tolerar esse tipo de postura dos patrões, que insistem em retirar os direitos e desrespeitam os Rodoviários. Estamos no aguardo de um posicionamento da patronal. Caso isso não aconteça, na segunda-feira (25), daremos início a todos os trâmites legais, cumprindo os prazos judiciais, para que assim, possamos deflagrar uma nova greve. Solicitamos que a Prefeitura de São Luís, por meio da SMTT, também fiscalize e cobre dos empresários, o cumprimento da lei, para que o sistema de transporte público em São Luís, volte a operar”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta