Passageiros de ônibus de Belo Horizonte podem usar WhatsApp para reclamar de linhas

Empresas de ônibus receberam subsídios e vão ter de aumentar número de viagens a partir desta terça-feira (12)

ADAMO BAZANI

A Sumob (Superintendência de Mobilidade do Município de Belo Horizonte) disponibilizou a partir desta segunda-feira, 11 de julho de 2022, um número de WhatsApp pelo qual os passageiros podem reclamar dos serviços das empresas de ônibus da capital mineira.

O telefone é: (31) 98472-5715

Basta o passageiro salvar o número no celular.

A recomendação é que na hora da reclamação, os passageiros tenham o maior número de dados possível, como:

– número do ônibus;

– local onde ocorreu o problema;

– horário;

– itinerário do ônibus;

– sentido de viagem;

– nome da empresa do ônibus

Como mostrou o Diário do Transporte, decreto regulamentando os subsídios às operações das empresas de ônibus publicado no último sábado, 09 de julho de 2022, determinou a liberação para esta segunda-feira (11) de R$ 94 milhões às viações de linhas convencionais e para o transporte suplementar. Os recursos somam R$ 237,5 milhões, que serão pagos em parcelas até abril de 2024.

Em troca, as empresas terão de aumentar o número de viagens até gradativamente atingirem a oferta de antes da pandemia de covid-19.

Já na terça-feira (12), as empresas terão de disponibilizar 19.203 (dezenove mil, duzentas e três) viagens para dia útil e 528 viagens entre 0h e 3h59, no caso das linhas convencionais.

Depois de duas semanas, o número de viagens deve subir para 21.708 (vinte e uma mil, setecentas e oito).

Segundo o decreto, para as linhas convencionais de dias úteis, a rede dever ser igual à operação no primeiro trimestre do ano de 2020, ou seja, antes da pandemia, com exceção das linhas de transição que serão analisadas pontualmente e em caráter extraordinário.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/07/09/primeiro-repasse-no-valor-de-r-94-milhoes-aos-onibus-de-bh-sera-feito-na-segunda-11/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta