Ferramenta do Detran.SP permite buscar empresas legais que vendem peças usadas

Objetivo é coibir comércio ilegal. Foto: Divulgação / Detran.SP.

Pesquisa pode ser feita por tipo de veículo, como carro, moto, caminhão ou ônibus

JESSICA MARQUES

O Detran.SP lançou um sistema digital que permite buscar empresas legais que vendem peças usadas.

O objetivo é combater o mercado de produtos roubados.

Por meio da ação “Peça Legal”, o sistema digital mostra se o produto desejado possui procedência e originalidade. Com isso, o usuário tem a garantia de que o produto é legal.

A nova funcionalidade digital está disponível pelo aplicativo do Poupatempo.

Assim, o cidadão consegue saber também quais são as empresas de desmontes credenciadas junto ao Departamento de Trânsito que possuem os itens procurados pelos consumidores.

“Ao comprar peças cadastradas nessas empresas, além de ter a segurança de adquirir produtos de origem legal, o cidadão ajuda a combater o comércio de itens frutos de furto ou roubo de veículos e assegurar que empresas idôneas continuem atuando no mercado”, informou o Detran.SP, em nota.

Em caso de irregularidades, o cidadão pode colaborar com a fiscalização denunciando desmanches clandestinos à Ouvidoria do Detran.SP, pelo portal www.detran.sp.gov.br, na área de “Atendimento”.

Como funciona?

Para realizar a pesquisa, é necessário acessar o aplicativo Poupatempo Digital, disponível para celulares com sistema operacional Android ou iOS, acessar “Serviços”, na sequência o campo “Veículos” e “Consulta de peças”. Depois, basta fazer a busca das peças disponíveis nas empresas registradas pelo Detran.SP.

A pesquisa pode ser feita por tipo de veículo, como automóvel, motocicleta, caminhão e ônibus. Basta centralizar o código disponível no componente no meio da tela do celular ou do tablet para obter informações de cada peça. A verificação exibe o tipo, a marca, o modelo e o ano do veículo, além de identificar qual a empresa registrada que oferta a peça.

Confira o tutorial abaixo:

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta