Presidente da Petrobras pede demissão após pressão de Bolsonaro

Movimento de veículos em posto de combustível na Zona Norte de São Paulo. Foto: Diário do Transporte

Estatal informou em nota que nomeação de um presidente interino será examinada pelo Conselho de Administração a partir de agora

ALEXANDRE PELEGI

O presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, pediu demissão formalmente na manhã desta segunda-feira, 20 de junho de 2022.

A saída do dirigente decorre das fortes pressões feitas pelo governo Bolsonaro e por parlamentares do Centrão, de insatisfação após novo aumento dos combustíveis anunciado na sexta (17).

Em nota à imprensa, a estatal informou que a nomeação de um presidente interino “será examinada pelo Conselho de Administração da Petrobras a partir de agora“.

Poucos minutos depois, em nova nota, a empresa comunicou o nome do escolhido:

A Petrobras, em continuidade aos fatos relevantes divulgados hoje, informa que em decorrência da vacância na Presidência da companhia, o Presidente do Conselho de Administração nomeou como Presidente interino da companhia o Diretor Executivo de Exploração e Produção, Fernando Borges, com base do §4º do art. 27 de seu Estatuto Social, até a eleição e posse de novo Presidente nos termos do art. 20 do Estatuto Social. 

O agora ex-presidente foi indicado pelo governo de Jair Bolsonaro para o cargo.

A pressão agora é para que o novo indicado, Caio Paes de Andrade, assuma o quanto antes a direção da Petrobras.

O presidente Bolsonaro chegou a estimular a criação de uma CPI no Congresso para examinar os motivos das seguidas altas, apesar da paridade com os preços internacionais ser política adotada há anos.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Pra acomodar mais amiguinhos da tua familícia,Bozogado?Por que tu não faz o mesmo e renuncia?

Deixe uma resposta