Novo modelo de CNH começa a ser emitido a partir de quarta (1º)

Mudança possibilitará o uso do nome social e da filiação afetiva do condutor que assim desejar. Foto: Ministério da Infraestrutura/Conselho Nacional de Trânsito.

Documento passa a incorporar código internacional utilizado nos passaportes

JESSICA MARQUES

O novo modelo de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) do Brasil começa a ser emitido a partir desta quarta-feira, 1º de junho de 2022.

A mudança será feita por meio da Senatran (Secretaria Nacional de Trânsito), com o objetivo de cumprir determinações legais.

Além disso, o novo formato possibilitará o uso do nome social e da filiação afetiva do condutor que assim desejar.

Segundo a Senatran, foi também incorporado um código internacional utilizado nos passaportes, que permite ao condutor embarcar em terminais de autoatendimento nos aeroportos brasileiros.

Assim, o documento terá informações impressas em inglês e francês, além do português.

As mudanças estavam previstas desde dezembro de 2021, quando o Conselho Nacional de Trânsito publicou a Resolução nº 886, que regulamenta especificações, produção e expedição da CNH.

TROCA DE CNH

A Senatran esclarece que a substituição da CNH não é obrigatória. Ela será implementada de forma gradual para novas habilitações, na medida em que os condutores venham a renovar ou emitir a segunda via do documento.

A resolução que regulamenta a mudança detalha os itens de segurança que passarão a ser adotados e apresenta como será o visual do documento.

De acordo com o documento, a nova versão da carteira de motorista terá uma tabela para identificar os tipos de veículos que o condutor está apto a dirigir. Também vão constar informações sobre o exercício de atividade remunerada do motorista e possíveis restrições médicas.

NOVA COR

A nova CNH também terá uma nova cor. Além do verde, terá também o amarelo e novos elementos gráficos. Segundo a Senatran, o objetivo é dificultar a falsificação e fraudes. O documento terá um QR Code e poderá ser expedido nos formatos físico, digital ou ambos.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta