Ônibus pega fogo em Belo Horizonte na manhã desta segunda (30)

Desta vez, o incêndio aconteceu em razão de problemas mecânicos

WILLIAN MOREIRA

Um ônibus da linha 501C (Morro Alto/BH) em Belo Horizonte ficou danificado após pegar fogo na manhã desta segunda-feira, 30 de maio de 2022.

Segundo o Portal G1, o incidente foi registrado na Avenida Oiapoque e não deixou vítimas, se tratando de um incêndio devido a problemas mecânicos.

Ao Corpo de Bombeiros, o motorista informou que as chamas começaram pelo motor, se espalharam para outras partes do veículo, mas todos conseguiram sair a tempo.

Desta vez, o início do fogo foi diferente do que vem sendo noticiado, já que entre sexta e sábado da semana passada, três veículos foram atacados por criminosos.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2022/05/28/criminosos-colocam-fogo-em-dois-onibus-em-belo-horizonte/

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Geraldo Telles Sodré de Menezes Ramos disse:

    Pois então.

    Eu fico aqui, pensando neste “fogo diferente”, assistindo o transporte público urbano de Belo Horizonte e Região Metropolitana inflamado, praticamente ruir por máxima culpa máxima desses elementos: empresários bandidos, fraudadores de licitações, sonegadores de impostos e obrigações, pagadores de suborno, e agora auto-incendiários.

    Não bastasse a extensão de todos os crimes reiterados, são muitos com ficha de quilômetros – ainda abundam na prática vil de colocar a vida – de quem paga pela sobrevivência deles – em risco.

    Não deixou vítimas (graças ao Senhor Deus e ao anjo da guarda de cada um – esses sim, atuantes), se tratando de um incêndio devido a problemas mecânicos.
    O que seriam esses tais “problemas mecânicos”?

    “Ao Corpo de Bombeiros, o motorista informou que as chamas começaram pelo motor, se espalharam para outras partes do veículo…”
    Ah, no motor.
    O que será?
    Será a prática do deixar rodar no máximo do máximo – do máximo?
    Sem esquemas corretos de manutenção preventiva…
    Sem revisões adequadas…
    Sem as devidas trocas obrigatórias e pontuais de componentes…

    E ainda tem gente que os defende.
    Ou – até pelo indefensável, já não ter qualquer escape de defesa – silencia.
    Cumplicidade?
    Omissão?
    O que seria?

Deixe uma resposta