Criminosos colocam fogo em dois ônibus em Belo Horizonte

É o terceiro ataque em dois dias; até no mundo da criminalidade, quem coloca fogo em ônibus é considerado um ser inferior que não tem inteligência para ações que exijam um preparo intelectual mínimo

ADAMO BAZANI

Mais uma vez a vida de passageiros e trabalhadores nos transportes coletivos em Belo Horizonte foi colocada em risco por causa de bandidos de baixa qualificação.

Mais dois ônibus foram atacados da noite desta sexta-feira, 28 de maio de 2022, para este sábado (29).

Um criminoso incendiou um ônibus da linha 8205 (Maria Goretti/ Nova Granada), na Rua Jornalista Osvaldina Nobre, bairro Eymard. O ato aconteceu por volta de meia noite.

O indivíduo entrou no ônibus como passageiro na Rua Lídia e quando o motorista percebeu, ele estava colocando combustível no corredor do salão interno do veículo.

Este elemento, que mandou todos descerem do coletivo, deixou um bilhete com reivindicações de bandidos, entre os quais, a volta de visitas para presidiários.

Apesar do susto, ninguém se feriu.

Quase no final da madrugada de sábado (29), três bandidos de baixa classificação na própria criminalidade (veja abaixo o motivo), atacaram um ônibus um ônibus da linha 717 (Estação Pampulha/ Campo Alegre) que foi incendiado no bairro Campo Alegre, na Região Norte da capital.

Os elementos renderam o motorista que estava desde cedo trabalhando, o ameaçaram e mandaram que o trabalhador descesse do veículo.

Ninguém se feriu, mas os bandidos trocaram tiros com policiais quando viram a viatura e começaram uma fuga.

É o terceiro ataque a ônibus e trabalhadores em dois dias por criminosos.

Como mostrou o Diário do Transporte, um ônibus que atendia a linha 739 do transporte público foi incendiado no bairro de Jaqueline, na região norte de Belo Horizonte. O ato criminoso aconteceu na madrugada desta sexta-feira, 27 de maio de 2022.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/27/onibus-e-incendiado-em-acao-criminosa-na-zona-norte-de-belo-horizonte/

CRIMES

Muito mais que puro vandalismo, ataques a veículos de transportes coletivos, colocar em risco a integridade física de passageiros, fiscais, motoristas e cobradores, além de impedir circulação de serviço essencial, são classificados como crimes pelo Código Penal Brasil.

A lei é clara em classificar como criminoso quem comete crime.

Veja os artigos:

artigo 163 do Código Penal deixa claro que destruir inutilizar ou deteriorar o bem ou serviços de uma união, tanto estado, quanto município é considerado crime contra o patrimônio público. São enquadrados também bens privados a serviço público, que é o caso de ônibus de concessionárias e permissionárias de transporte público.

artigo 262 considera crime expor a perigo meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento. A pena é de detenção, de um a dois anos.

artigo 132, por sua vez, classifica como crime expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente.

No caso de incêndio a ônibus, outro artigo pode ser invocado.

artigo 250 descreve o delito de incêndio, que consiste na atitude de gerar um incêndio que coloque em risco a vida ou os bens de outra pessoa e cita o transporte como fatores de agravamento da pena: c) em embarcação, aeronave, comboio ou veículo de transporte coletivo; d) em estação ferroviária ou aeródromo;

QUEM COLOCA FOGO EM ÔNIBUS É SUBCATEGORIA ATÉ NO MUNDO DO CRIME

Na escala do crime, bandidos que atacam ônibus são considerados inferiores e, sem habilidades intelectuais ou mesmo com baixa inteligência, são recrutados para fazerem o serviço braçal para seus chefes dos bandos. Isto é, no próprio mundo do crime, quem ateia fogo em ônibus é considerado massa de manobra, descartável e inferior. Seria uma espécie de subcategoria de indivíduo numa estrutura criminosa, por não ser capaz de pensar em ações mais elaboradas e por não ter competência e habilidade para combater forças policiais, já que normalmente estes elementos atacam cidadãos e trabalhadores desarmados.
Em suma, quem coloca fogo em ônibus é o baixo escalão e dificilmente, passará disso. Na maior parte das vezes, existem mandantes, ou seja, a quem o incendiador serve, com seu papel não passando disso: obedecer o bandido-chefe.

Manifestações?

Já em supostas manifestações (o Direito Brasileiro não considera ataque a ônibus como forma de manifestação), quem coloca fogo ou depreda acaba se tornando um criminoso, uma vez que pratica atos previstos nos artigos 163, 262, 132 e 250 do Código Penal.

O agravante é que além de prejudicar sua própria comunidade, tira o foco da manifestação e o transfere apenas para o ataque.

As emissoras de TV, rádios, jornais e sites, na maior parte das vezes, enfatiza o ataque, mesmo porque, os órgãos de imprensa têm de dar destaque à utilidade pública., ou seja, informar que determinadas linhas de transporte público foram prejudicadas, que houve interrupção de serviços, que há risco de as pessoas irem a determinado local.  O suposto motivo da manifestação pode até ser citado, mas nunca com destaque.

Além disso, na imensa maioria das vezes, estas “manifestações” com fogo ou ataques em ônibus não resultam em nada e o suposto motivador destes atos não é resolvido.

Um exemplo é a injusta violência policial contra os mais pobres, seja por racismo ou outras formas de exclusão social. Em nenhuma comunidade, a violência policial acabou por causa de fogo em ônibus.

“Molecagens”

Da mesma forma, depredações a ônibus ou outros meios de transporte público feitos por ação em bando ou grupos, sejam de jovens voltando de bailes, praias ou outros eventos, enquadra os autores nas mesmas tipificações criminais.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Geraldo Telles Sodré de Menezes Ramos disse:

    Excelente análise.

    Porém esperando sua opinião, Adamo, sobre os criminosos associados ao Setra BH e SINTRAM que fraudam licitações mediante adulteração de proposta para suas empresas se darem bem sempre veja BH E CONTAGEM (NENHUMA NOTÍCIA SOBRE ISSO AQUI NO DT), subornam sindicatos, sindicalistas e quem mais lhes interessar para que não tenham seus limites e interesses afetados, promovem há décadas um transporte de passageiros na categoria penúria, adulteram notas fiscais, adulteram auditorias, remuneram mal seus funcionarios, sonegam diversos impostos e obrigações, sonegam os direitos dos colaboradores do tipo não pagamento de FGTS, horas extras, planos de saude e tickets, promovem terrorismo na cidade retirando 60% da frota de circulação sob a condição de voltar apenas com a garantia de receber subsídio deixando a população refém. financiam campanhas eleitorais para os prefeitos não realizarem as ideias e projetos de mobilidade que atendam de fato a cidade e sim de acordo com os interesses de quem os financiou…

    O que você acha desses criminosos, Adamo?
    Ou você é do tipo seletivo que considera crime bom (os dos empresarios) e crime ruim (os dos incendiários)?

    A proposito: há certeza real que sejam manifestações de presídios? E se for o próprio SETRA BH mandando incendiar?

    Já se investigou a fundo pra saber?

    1. diariodotransporte disse:

      Antes de escrever textão, leia o site melhor, há muitos anos falamos

      Contratos das empresas de linhas metropolitanas em Minas Gerais serão investigados pela controladoria

      https://diariodotransporte.com.br/2021/07/02/contratos-das-empresas-de-linhas-metropolitanas-em-minas-gerais-serao-investigados-pela-controladoria/

      Vereadores de BH querem CPI dos Transportes
      https://diariodotransporte.com.br/2014/04/16/vereadores-de-bh-querem-cpi-dos-transportes/

      Documentos apontam fraudes em licitações de transportes por todo o país, diz portal
      https://diariodotransporte.com.br/2016/08/04/documentos-apontam-fraudes-em-licitacoes-de-transportes-por-todo-o-pais-diz-portal/

      Relatório de CPI que pede indiciamento de Kalil e empresários de ônibus é aprovado nesta segunda (08)

      https://diariodotransporte.com.br/2021/11/08/relatorio-de-cpi-que-pede-indiciamento-de-kalil-e-empresarios-de-onibus-e-aprovado-nesta-segunda-08/

      Entre tantos outros que qualquer um, mesmo sem grandes habilidades, pode encontrar no Diário do Transporte.

      Lendo e pesquisando melhor no próprio site, você poupa seu tempo de escrever textão e o nosso de ter de ler, além de não precisar escrever alguns termos em caixa alta.

      A aba de pesquisas é de acesso gratuito.

  2. Geraldo Telles Sodré de Menezes Ramos disse:

    Querido, você não respondeu o que perguntei.

    Eu perguntei o que você acha dos criminosos do transporte, Adamo.
    Os CRIMES praticados pelos ditos EMPRESÁRIOS DO CRIME digo transporte foram elencados.
    ALGUNS APENAS.
    Se fossem todos essa caixa de texto de comentários NÃO seria suficiente.
    Eu lhe digo que todas essas reportagens que voce mostrou em sua resposta eu li com habilidade. Mas ainda sim obrigado pela prestação de serviço em rememorar. E em nenhuma delas encontrei elencada A SUA OPINIÃO A RESPEITO DOS CRIMES COMETIDOS ALI. Tem até reportagem do G1, vi por lá mesmo, na FONTE ORIGINAL.

    Então eu te pergunto: empresários de onibus cometem crime bom? E incendiários cometem crime ruim? Ou AMBOS SAO iguais CRIMINOSOS E MERECEM extensa CADEIA? ALIÁS JUNTINHOS SEM PRIVILEGIO DE CELA PARA CURSO SUPERIOR?

    NÃO SEJA PARCIAL.
    Mesmo que seu canal periódico seja especializado no assunto transporte, A INDEPENDÊNCIA DO JORNALISMO É SAGRADA! E é ela que garante a credibilidade do jornalista.

    1. diariodotransporte disse:

      Você é contraditório.
      Quer que eu dê opinião e pede pra não ser Parcial?
      Não entendi. Quem dá opinião não está sendo imparcial
      E mais, você tem de entender que em reportagem não se dá opinião, isso fica para artigo. O que você viu foi reportagem.
      Inclusive sobre quem coloca fogo em ônibus ser desqualificado até no mundo do crime, isso não é opinião, é um relato.
      Você está sendo confuso e até incoerente.
      Diz que não teve nenhuma reportagem sobre as investigações a respeito de cartel e fraude pelas empresas e tinham várias.
      Agora fala de Independência de Jornalismo.
      De novo você foi contraditório. Se foram mostradas reportagens (e não “eu acho”), então já tem cobertura imparcial.
      Tá muito confuso e raso seu comentário.
      Agradeço se definir o que quer, até para eu tentar entender melhor
      Uma hora pede imparcialidade, mas depois quer opinião.
      Depois fala em independência de jornalismo e reconhece sim que tiveram matérias (o que no primeiro comentário você precipitadamente mentiu ao dizer que não tinha e o mais cômico que foi em caixa alta rsrsrsr).
      Se defina por favor.
      Tá muito superficial e cheio de frasezinha feita
      Abraços

  3. Geraldo Telles Sodré de Menezes Ramos disse:

    Obrigado pelo rótulos de “contraditório”, “confuso”, “incoerente”, “mentiroso” e “superficial”.
    Nunca recebi tamanha deferência.
    Senti-me lisonjeado.

    Então, grato pelas distinções recebidas e tentando colaborar, eu tenho que ser bem claro ao perguntar: empresários de ônibus cometem crime bom?
    E incendiários cometem crime ruim?
    Ou AMBOS SÃO iguais CRIMINOSOS E MERECEM extensa CADEIA?

    Qual sua OPINIÃO a respeito?

  4. diariodotransporte disse:

    Opinião óbvia para pergunta óbvia num comentário óbvio

    Seja empresário de ônibus, incendiador, jornalista, médico, padre, pastor, traficante, assediador e até mesmo eu e você … cometeu crime?, está provado? Tem de pagar

    Sugestão: seu teclado deve estar com problema, em algumas palavras o “Caps Lock” fica acionado. Tem teclado por R$ 12,99 em mercados e é bonzinho viu

    Sobre os rótulos, imagina amigo, são merecidos.

Deixe uma resposta