Donos de fretados pressionam mais uma vez Rodrigo Garcia contra apreensões de ônibus por aplicativo

Ato ocorre nesta segunda (23) em mais uma agenda do governador

ADAMO BAZANI

Pela segunda vez em uma agenda do Governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, donos de ônibus fretados fazem uma manifestação.

Desta vez o ato é no compromisso de Garcia no Centro de Eventos de Araraquara e Região (CEAR) na manhã desta segunda-feira, 23 de maio de 2022.

Na sexta-feira (20), o grupo também compareceu a uma agenda do governador, só que em Presidente Prudente.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/20/fretadores-pedem-apoio-do-governador-de-sao-paulo-rodrigo-garcia/

Os fretadores reclamam das apreensões e fiscalizações sobre os ônibus de aplicativo, os quais chamam de “fretamento colaborativo”.

Para a Artesp, agência que regula os transportes em São Paulo, o problema não é a contratação destes ônibus ser por aplicativo ou site, mas o fato de estas empresas de tecnologia, na prática, venderem passagens como empresas de ônibus de linhas regulares, ou seja, com possibilidade de compra individual por usuário e sem a necessidade do mesmo grupo de um sentido da viagem ser o da volta, o que configura circuito aberto, que só é permitido em São Paulo para as viações que atuam em rodoviárias.

Ocorre que o modelo de “fretamento colaborativo” não transporta gratuidades como idosos e pessoas com deficiência, não paga taxas de rodoviárias e não faz a viagem caso o ônibus esteja com baixa ocupação.

Na visão das empresas de linhas regulares, as fretadas e suas “unicórnios” de aplicativo travam uma concorrência desleal já que conseguem oferecer passagens a preços mais em conta por não terem uma série de obrigações que existem nas linhas e que encarecem a operação.

Já a Associação Brasileira dos Fretadores Colaborativos (Abrafrec), que diz representar cerca de 200 empresas de fretados, argumenta “que mais de 20 empresas que realizam viagens por fretamento estão ameaçadas de cassação em razão dos impasses nas negociações com a Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp). Caso isso ocorra, o prejuízo seria de mais de 3 mil empregos de trabalhadores com carteira assinada perdidos.”

Ainda na visão dos fretadores, como não é clara a proibição deste modelo de transportes em lei, logo, não há uma proibição.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Antonio disse:

    Estão reclamando de 3 mil desempregados? Quando os apps chegaram e detonaram os táxis todos acharam lindo, maravilhoso, agora sintam na pele os dois lados, nós adaptamos e retomamos o mercado, o tempo mostrou o quanto é necessário ser regulamentado esses serviços prestados por após, além de mostrar o baixo nível do serviço, preço baixo só apps ganham, acordem

  2. Juraci matos da silva disse:

    Eu acho se tá rodando legal não tem como ter o apreençao agora ilegal ta correto

  3. MARCIO FERREIRA CELESTINO disse:

    Antônio vc não deve entender nada de transporte. O que vc falou aí é uma asneira que não tem tamanho, ham achar que quem paga caro está pagando por um serviço bom e bem prestado. Isso demonstra uma falta de conhecimento total. Eu digo isso porque já estive presente em vários setores do transporte. E tem espaço para todo mundo sem precisar explorar ninguém, ainda girando à econômia, gerando milhares de Empregos e claro tendo alternativas. Durante muitas décadas taxistas davam rios de dinheiro para vereadores que loteavam os alvarás e montavam frotas de táxi para explorar o povo. Antigamente uma pessoa pra ir da região central de São Paulo até o Aeroporto de Guarulhos por exemplo, desembolsava cerca de 200 à 300 reais. Coisa só pra rico. E o cara aí acha que isso é qualidade de serviço. Hj popularizando os serviços. Precisamos ter alternativas para se destribuir os serviços. Exemplo o transporte, conhecido como Fretamento contínuo, aquele que se faz para funcionários de empresas privadas por exemplo, precisa ser liberado da tal zona máximo de restrição!
    Que existe em São Paulo capital e não permite que Ônibus Fretados circulem nas principais avenidas da cidade onde se concentra as grandes empresas, escritórios, estações e terminais. Não é atrativo para as pessoas tão pouco para empresas. Sendo que esse tipo de transporte poderia e ajuda à reduzir e muito o trânsito na cidade. Sem falar que se torna um novo seguimento para diversificar os serviços…

Deixe uma resposta