Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos a Jundiaí comemora 68 anos de história

Em solenidade na sede da AEEFSJ, foram revelados os vencedores do concurso fotográfico “Ferrovias Brasileiras”. Foto: Cleide Kanacilo / 1º lugar na categoria Criatividade.

AEEFSJ recebeu homenagem da Alesp

JESSICA MARQUES

A AEEFSJ (Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos a Jundiaí) completou 68 anos de história.

As comemorações incluíram diversas homenagens à associação ao longo da semana.

Inclusive, em 18 de maio, o presidente Wellington Berganton, o vice-presidente Edson Barbeiro Artibani e as diretoras Cultural, Cibele Alves da Silva, e de Patrimônio, Maria Lina Benini, foram recebidos na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) pelo presidente da casa, deputado Carlos Pignatari, e pelo deputado João Caramez, criador da Frente Parlamentar em Prol do Transporte Metroferroviário.

Ainda durante o dia, o governador Rodrigo Garcia enviou carta cumprimentando a associação pelos 68 anos de atividades ininterruptas e profícuas.

Por sua vez, à noite foi a solenidade oficial na sede da AEEFSJ, com uma palestra sobre a história das ferrovias paulistas ministrada pelo pesquisador Rafael Prudente Corrêa.

Confira:

Após o encerramento da palestra foram divulgados os nomes dos vencedores do concurso fotográfico Ferrovias Brasileiras, ação que integrou a programação de aniversário da associação.

Conforme divulgado pela associação, Edgard Fressato ganhou na categoria Originalidade.

A imagem de Cleide Kanacilo venceu na categoria Criatividade e Carlos Álvaro Guimarães levou o prêmio na categoria Inimaginável.

Edgard Fressato ganhou na categoria Originalidade

Carlos Álvaro Guimarães levou o prêmio na categoria Inimaginável.

HISTÓRIA

Em 18 de maio de 1954, os engenheiros e arquitetos que trabalhavam na Estrada de Ferro Santos a Jundiaí fundaram a AEEFSJ.

Criada sem fins lucrativos, a associação promove debates e realiza ações com o objetivo de “fortalecer o exercício da profissão, defender a preservação do patrimônio histórico ferroviário, contribuir para o desenvolvimento do transporte sobre trilhos e fomentar a eficiência técnico-ferroviária”.

Atualmente, são aproximadamente 273 associados entre engenheiros e arquitetos que atuam no setor de transporte metroferroviário, especialmente, na CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. E eu que presenciei isso desde meus 6 anos, lá em 67, indo e vindo de trens pela hoje linha turquesa, pelas mãos de minhas tias, que saudades, mal sabia eu o que iria sofrer lá na frente, aos 35 anos, já CBTU, que infelizmente foi a pior das administrações em que vi de tudo ruim, degradação, abandono, invasões, mortes em cima dos BUDDs que hoje apodrecem pelos cantos da ferrovia…Parabéns ferroviários. Ah e lembro da sede da Rede Ferroviária Federal, ali na Cásper Líbero,,,Hoje um outro mundo, devido a iniciativa de um governador que teve pulso e coragem de mudar tudo e pouca gente sabe e reconhece…

Deixe uma resposta