Passageira é vítima de importunação sexual na CPTM e suspeito foi detido

Mulheres dizem temer situações como estas em trens, ônibus e metrô

WILLIAN MOREIRA

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) foi local de mais um episódio de importunação sexual contra mulheres.

Desta vez, o caso ocorreu em um trem da Linha 11-Coral no último sábado, 0 de maio de 2022.

De acordo com o relato publicado em rede social pelo perfil “SP Sobre Trilhos”, por volta das 16h, um homem teria exibido seus órgãos genitaos para a vítima.

A usuária então gritou denunciando o ato e recebeu apoio de outras mulheres que presenciaram a importunação.

Quando o trem chegou na estação Corinthians-Itaquera, seguranças da companhia já cientes da situação, conseguiram deter o suspeito.

Em nota ao Diário do Transporte, a companhia confirmou o relato da passageira, acrescentando que o homem foi preso. Também pontuou que 29 estações do sistema contam com espaços acolher que atendem mulheres vítimas de violência.

Leia a nota a seguir na íntegra:

“Na tarde de sábado (07/05), por volta das 16h30, na Estação Corinthians-Itaquera, da Linha 11-Coral, uma passageira solicitou auxilio da equipe de segurança por ter sido importunada sexualmente por um homem no interior do trem.  Alguns passageiros testemunharam a situação e teve um princípio de agressão ao indivíduo. A segurança atuou, deteve o infrator e conduziu o caso ao 24º DP da Ponte Rasa, onde foi registrado Boletim de Ocorrência como Importunação Sexual. A vítima teve apoio da equipe de atendimento da companhia.

Em 29 estações das cinco linhas da CPTM possuem o Espaço Acolher, que oferece atendimento humanizado e com privacidade às mulheres vítimas de violência ou importunação sexual nos trens e estações da companhia. O suporte é dado longe do agressor e feito por uma pessoa preparada para lidar com a situação. Além disso, a ampliação dessa rede de apoio eleva ainda mais a capacidade de atendimento às mulheres vítimas destes crimes que precisam ser eliminados não apenas da CPTM, mas de toda sociedade.”

Mulheres dizem temer situações como estas em ônibus, trens e metrôs.

A orientação de autoridades de segurança pública e de operadores de transportes é que os casos sejam denunciados na hora, seja pelas vítimas ou testemunhas, a agentes de segurança de estações e terminais ou a policiais e guardas civis.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta