Banco alemão que vai custear projeto de ônibus elétricos em Curitiba assina contrato nesta semana, diz prefeitura

KfW Bankengroupe fará o financiamento a fundo perdido. Consultaria vai definir modelos de negócio, tecnologias mais adequadas e integração com ônibus metropolitanos

ADAMO BAZANI

O banco de desenvolvimento alemão, KfW Bankengroupe, deve assinar ainda nesta semana contrato com uma empresa de consultoria que vai desenvolver os estudos para a implantação de um sistema de ônibus elétricos em Curitiba.

A informação é da prefeitura.

Nesta terça-feira, 03 de maio de 2022, técnicos da instituição financeira estiveram na cidade como parte do alinhamento final para estudos de pré-viabilidade dos sistemas de  eletromobilidade para os projetos do Inter 2 e Ligeirão Leste-Oeste.

Os estudos devem ser concluídos em 150 dias.

Os financiamentos serão a fundo perdido e, entre os pontos que os trabalhos devem levar, estão o modelo econômico do sistema, as melhores tecnologias tanto de ônibus como de infraestrutura de recargas e garagens, bilhetagem e, ainda, uma possível integração deste sistema municipal aos ônibus metropolitanos que chegam e partem para cidades vizinhas.

Ainda de acordo com a prefeitura, o apoio técnico a Curitiba, com recursos do governo alemão, foi garantido em agosto do ano passado quando a cidade foi selecionada em chamada nacional divulgada pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) da qual participaram projetos de estados, capitais, do Distrito Federal e de municípios com população acima de 500 mil habitantes. Juntamente com os projetos curitibanos, foram selecionadas propostas apresentadas pelas cidades de Fortaleza, Recife, Guarulhos e Salvador.

O fim da atual concessão da exploração do transporte coletivo, que ocorre em 2025, é considerado pelo Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba ) oportunidade para a mudança de matriz energética do transporte, com aplicação da eletromobilidade.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta