TRT determina 40% da frota durante a greve de ônibus na Grande Belém

Multas a sindicatos foram fixadas em R$ 10 mil por dia em caso de descumprimento

ADAMO BAZANI

A vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da Oitava Região, desembargadora Maria Valquiria Norat Coelho, determinou que ao menos 40% da frota de ônibus voltem a circular durante a greve dos motoristas e demais funcionários dos transportes que atingem as cidades de Belém, Ananindeua e Marituba, no Pará.

O percentual deve retornar às ruas ainda nesta terça-feira (03), de acordo com a determinação.

Como mostrou o Diário do Transporte, a paralisação começou à zero hora desta terça-feira, 03 de maio de 2022.

A categoria pede um reajuste salarial de 12%. Segundo o Sintrobel (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belém), a última negociação terminou sem acordo porque as empresas ofereceram aumento de 4%, sem proposta para aumento no ticket alimentação.

A retirada de cobradores de ônibus também é um dos motivos da paralisação, de acordo com a representação dos trabalhadores.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/03/greve-de-onibus-na-grande-belem-afeta-passageiros-nesta-terca-03/

Ainda de acordo com a decisão, se os sindicatos responsáveis pela greve não cumprirem, poderão ter de pegar multa diária de R$ 10 mil.

A decisão da Justiça do Trabalho atende o pedido feito pelo Ministério Público do Trabalho em Ação Cautelar distribuída sob o número 000316-97.2002.5.08.0000.

Já as empresas de ônibus, por meio do sindicato patronal, devem apresentar em 24 horas uma planilha com a totalidade de ônibus que circula durante o dia e de noite, comprovando o cumprimento da decisão de circular com percentual de 40% dos ônibus.

Caso não cumpram, as viações podem ser multadas em mil reais por dia de atraso.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta