Metrô de SP contrata assessoria jurídica em direito empresarial e direito internacional para projeto de operação de primeira linha metroviária em Quito-Equador

Linha terá operação de 16 trens produzidos pela CAF

Capital equatoriana lançou licitação internacional no dia 31 de março para contratar operadora para a rede metroviária a partir de dezembro; projeto com valor de US$ 2 bilhões despertou interesse em empresas de mais de 15 países  

ALEXANDRE PELEGI

A Companhia do Metrô de São Paulo decidiu contratar diretamente serviços de assessoria jurídica especializada em direito empresarial e direito internacional.

O objetivo é assessorar a estatal paulista para o projeto de operação em Quito-Equador.

As futuras contratadas, segundo aviso publicado nesta terça-feira, 03 de maio de 2022, são as empresas Machado Meyer Sendacz e Opice Advogados.

O Ato de Inviabilidade de Competição foi ratificado pelo Diretor-Presidente da estatal.

Em 2020, foi aberta uma licitação para escolher a operadora para a primeira linha do Metrô da capital do Equador, o que atraiu, dentre empresas de todo o mundo, a Companhia do Metropolitano de São Paulo e a CCR Metrô Bahia.

O processo, no entanto, não avançou. Em dezembro de 2021 o jornal espanhol El País divulgou que o metrô equatoriano ainda não tinha data para iniciar.

Já no dia 09 de março de 2022 publicação do site BNAmericas atualizou a informação sobre o início da operação do metrô da capital equatoriana. De acordo com a publicação, que ouviu o gerente de operações da Metro de Quito, Roberto Custode, a empresa planejava abrir uma licitação internacional para contratar uma operadora a partir de dezembro.

O processo de fato foi concluído, e a licitação internacional foi publicada no final de março.

A previsão é que o contrato da operação seja efetivado até o final de agosto ou início de setembro. O planejamento da empresa equatoriana é colocar a linha metroviária em operação no dia 6 de dezembro próximo.

No dia 05 de abril, delegados das embaixadas no Equador da Alemanha, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Espanha, França, Geórgia, Itália, Israel, Japão, México, Panamá, Polônia e Suíça participaram do encontro com as autoridades do Município de Quito e a empresa metropolitana encarregada do metrô.

Os emissários das missões diplomáticas coletaram informações para informar empresas em seus países interessadas em participar do concurso público.

Os termos técnicos foram elaborados pela empresa pública espanhola Ferrocarrils de la Generalitat de Catalunya (FGC).

Várias empresas visitaram as instalações do Metrô de Quito e realizaram reuniões com seus líderes. Dentre elas estão representantes da Companhia do Metrô de SP.

Demonstraram interesse pela operação duas empresas públicas espanholas: Renfe, a maior empresa ferroviária da Espanha, e TMB, operadora do Metrô de Barcelona.

A Empresa Chilena de Transporte Metroviário de Passageiros; o Metrô de Medellín (Colômbia); e e o Metrô de Santo Domingo, demonstraram interesse no processo licitatório, ao lado da ítalo-japonesa Hitachi Rail STS, a francesa RATP DEV, Transdev e Keolis, e a alemã Deustsche Bahn.

A obra custou 2 bilhões de dólares, e atualmente 16 trens produzidos pela CAF, com capacidade para transportar diariamente 400 mil passageiros, estão parados aguardando a definição da prefeitura de Quito sobre qual será o modelo de operação.

São 22,6 km de linhas, cujas obras vêm sendo construídas desde 2016 pelo consórcio Acciona, ligando o bairro El Labrador (norte) e o terminal rodoviário Quitumbe (sul), passando pela área central da capital equatoriana. O trecho tem 15 estações.


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Angelo Rafael Petinate disse:

    Esta tão dificil de lidar com os serviços e a criação de novas linhas em SP e eles querem ir para fora ?

Deixe uma resposta