SPTrans prorroga prazo do Grupo de Trabalho que subsidia a implementação do SMGO e muda para julho de 2022 previsão para sessão pública da licitação

Foto: Diário do Transporte

Sistema de Monitoramento e Gestão Operacional do Transporte Coletivo da capital está previsto nos atuais contratos de concessão das linhas de ônibus assinados em setembro de 2019

ALEXANDRE PELEGI

A SPTrans publicou no Diário Oficial deste sábado, 30 de abril de 2022, comunicado a todas as empresas interessadas em fornecer e implantar o Sistema de Monitoramento e Gestão Operacional do Transporte Coletivo Público de Passageiros da Cidade de São Paulo (SMGO).

De acordo com a publicação, a gerenciadora do transporte coletivo da capital prorrogou o prazo do Grupo de Trabalho que foi constituído para propor e desenvolver ações para subsidiar a contratação e implementação do SMGO.

O novo prazo vai agora até o dia 26 de maio de 2022.

Ainda na publicação deste sábado, a SPTrans informa que prorroga por 30 dias a estimativa feita no item 7 do Comunicado nº 01/CDP62/21. Este Comunicado, publicado em dezembro de 2021, definiu as condições necessárias para as empresas interessadas em fornecer e implantar o Sistema de Monitoramento e Gestão. O item 7 estimava que a sessão pública do processo licitatório ocorreria em junho de 2022, “período esse que se entende suficiente para que todos os interessados obtenham a Homologação da Certificação de Conformidade”.

Com a extensão desse prazo por 30 dias, a previsão é que a sessão pública do processo licitatório que definirá a empresa que irá fornecer a tecnologia e operar o SMGO será realizada em meados do mês de julho de 2022.

A SPTrans fará a aquisição por meio de licitação, cujo critério de julgamento será o de menor preço. Relembre a publicação do Comunicado nº 01/CDP62/21:

SPTrans comunica detalhes prévios para a contratação do Sistema de Monitoramento e Gestão Operacional (SMGO)

Só poderão participar do certame as empresas que apresentarem a Certificação de Conformidade do SMGO, conforme especificações técnicas.

A Certificação de Conformidade é aquela expedida por Organismos de Certificação Designados pela SPTrans (OCD).

Como mostrou o Diário do Transporte, no último dia 03 de fevereiro o prefeito Ricardo Nunes prometeu que até o fim de 2023 o sistema de transporte público da capital paulista terá a nova tecnologia de monitoramento de ônibus.

A informação foi dada em visita do prefeito ao Complexo Santa Rita da gerenciadora das linhas municipais SPTrans, que deve abrigar o novo Centro de Operações (COP).

“As obras e a aquisição de softwares e equipamentos iniciam neste ano e a conclusão é para o ano que vem. Então, até o fim do ano que vem a gente vai ter todo o sistema de tecnologia de controle da SPTrans reformado, revitalizado e atualizado na cidade de São Paulo”, disse Nunes na ocasião.

O prefeito disse ainda que haverá integração de dados e operadores da central da SPTrans com outros órgãos de mobilidade e segurança, como a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e a GCM (Guarda Civil Metropolitana).

Segundo Nunes, o projeto deve ter custo total de R$ 63,7 milhões e abrange também itens de sustentabilidade como distribuição de água de reuso, máximo aproveitamento de ventilação natural e sistema fotovoltaico para suprir parte do consumo elétrico.

O SMGO está previsto nos atuais contratos de concessão das linhas com as empresas de ônibus que foram assinados em setembro de 2019. Segundo a prefeitura, ele funcionará em uma área de 3.183 m² dentro do complexo Santa Rita.

O espaço vai abrigar o novo sistema que, segundo a prefeitura, vai monitorar a frota por meio de tecnologias mais modernas embarcadas nos ônibus como câmeras, contador de passageiros, wi-fi, controle de tráfego e medição de serviços.

Relembre:

Nova tecnologia para monitoramento de ônibus em São Paulo entra em operação até o fim de 2023, diz Ricardo Nunes

O atual sistema de monitoramento dos ônibus paulistanos é considerado defasado pelo mercado de transportes frente às novas tecnologias, mesmo com a atualizações.

O COP que está atualmente no complexo Santa Rita, foi fundado em 1995 e possibilite que a SPTrans acompanhe todas as partidas e chegadas de ônibus, além de abastecer a população com informações sobre a operação das linhas, por meio do Olho Vivo.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta