São Paulo vai discutir a nova rede de ônibus prevista para a cidade nesta sexta (29)

Debate será em reunião virtual do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte – CMTT

ADAMO BAZANI/ALEXANDRE PELEGI

O Conselho Municipal de Trânsito e Transporte – CMTT faz nesta sexta-feira, 29 de abril de 2022, uma nova reunião e, segundo publicação no Diário Oficial, a implantação da nova rede dos ônibus da capital está entre os temas principais.

Esta nova rede de ônibus vai mexer muito com a vida dos passageiros e deve incluir alterações das linhas e da frota. O novo modelo de linhas é previsto nos contratos com as empresas assinados em setembro de 2019. A implantação da rede foi suspensa por causa da covid-19

A reunião será virtual e qualquer cidadão pode participar, das 9h ao meio dia. No site da Secretaria de Municipal de Mobilidade e Transportes há mais informações.

NOVA REDE DE ÔNIBUS

Quando foi realizada a nova licitação do transporte coletivo da capital, com os contratos assinados em setembro de 2019, todo o sistema de ônibus municipais foi dimensionado, inclusive os três subsistemas – estrutural, articulação e distribuição –, em cima de uma rede projetada.

No entanto, o tempo de transição entre a rede existente para a rede projetada é um processo lento e gradual, pois mexe e muito com os interesses dos usuários. Afinal, o objetivo dessa nova rede é racionalizar as linhas e reduzir custos do sistema, que, como se sabe, é fortemente subsidiado pelo Município. Esta nova rede implica em corte, supressão e fusão de linhas do atual sistema, o que mexe diretamente com a vida das pessoas que utilizam o transporte por ônibus.

Essa nova rede vem sendo analisada desde a licitação pela SPTrans – São Paulo Transportes, gerenciadora do sistema, que, agora, pretende acelerar sua implantação.

Nesta reunião do CMTT a expectativa é que a SMT apresente os conceitos que nortearão o processo de implantação.

Na época da assinatura dos contratos a SPTrans divulgou que com a nova rede, “os ônibus vão alcançar mais ruas e a cobertura das vias atendidas aumentará dos atuais 4.680 quilômetros para 5.100 quilômetros. Além disso, a área atendida por ônibus será maior (9%), o que beneficiará milhares de usuários que passarão a caminhar menos para chegar a seus pontos de parada. As mudanças terão início um ano após a assinatura dos contratos e serão realizadas de forma gradativa, levando até três anos para sua conclusão”.

Este prazo, no entanto, acabou suspenso por causa da pandemia de Covid-19, que interferiu diretamente nos estudos para a estruturação da nova rede-referência.

Em setembro de 2020, como noticiou o Diário do Transporte, a SPTrans em resposta a questionamentos encaminhados pela redação afirmou que “os estudos para implantação da rede de referência serão retomados assim que superada a situação de calamidade pública decorrente da pandemia do novo coronavírus”. Relembre:

NOVA LICITAÇÃO DOS TERMINAIS DE ÔNIBUS DO BLOCO LESTE

Na seção de Informes, o Conselho receberá informações sobre o andamento dos trabalhos e o Calendário das Reuniões Temáticas e Regionais da revisão do Plano Diretor Estratégico.

Será apresentado ainda um balanço dos três primeiros meses de implantação da Faixa Azul para motos, implantada experimentalmente na Avenida 23 de maio, sentido Santana/Aeroporto, entre a Praça da Bandeira e o Complexo Viário Jorge João Saad.

Nessa terça-feira (26) a CET Companhia de Engenharia de Tráfego) da capital paulista antecipou este balanço. Segundo o órgão, o espaço entra no terceiro mês sem registro de acidentes com óbitos ou pessoas feridas com gravidade envolvendo motos no local da faixa.

Relembre:

Por fim, o CMTT receberá informações sobre os Terminais de Ônibus que serão colocados em licitação para concessão em 2022. Como mostrou o Diário do Transporte, a Secretaria Executiva de Desestatização e Parcerias conseguiu finalizar a concessão para a iniciativa privada de dois dos três blocos de terminais de ônibus do sistema de transporte coletivo da cidade de São Paulo.

O Bloco Leste não obteve licitantes. Como noticiamos recentemente, até agora somente foram assinados contratos para concessão dos terminais Bloco Sul e Bloco Noroeste.

O Bloco Leste foi declarado prejudicado na primeira fase da licitação, em face das disposições do edital. Desta forma, os terminais que compõem o Bloco Leste ficaram sem licitante, e agora serão novamente objeto de processo de concessão para a iniciativa privada.

O Bloco Leste corresponde aos terminais Antônio Estevão de Carvalho, Aricanduva, Cidade Tiradentes, Itaquera II, Mercado, Parque Dom Pedro II, Penha, Sacomã, São Miguel, Sapopemba, Vila Carrão e Vila Prudente, bem como as Estações do Expresso Tiradentes.


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Luiz disse:

    Não entendi nada, quais serão as propostas de mudanças?

    1. diariodotransporte disse:

      Tem matéria nova sobre o resultado da reunião.
      Essa matéria era avisando que ela teria
      Favor acessar a nova
      https://diariodotransporte.com.br/2022/04/29/prefeitura-de-sp-vai-alterar-quase-600-linhas-de-onibus-e-codigos-de-itinerarios-vao-mudar-nos-letreiros/

  2. Wagner Galvani disse:

    Mudança quê seja para Melhor e sempre Bem Vinda, só não pode querer acabar com o sistema dos Trólebus , Para Melhorar Maís ainda e Voltar Todas Linhas de Trólebus que Foram Extintas e Outra Os Cobradores Tem que Continuar , porque se Não Muitos Passageiros não vão pagar Passagens e Vai dar Muito acidentes ,
    Motoristas fechando as Portas Trazeiras sem o Passageiros Terminar de Descer

Deixe uma resposta