Diário no Sul

Governo do Paraná recebe anteprojeto do Terminal Metropolitano de Londrina

Acessos ao terminal serão independentes, de mão única, para não haver o cruzamento de veículos. Foto: Reprodução.

Documento prevê sete plataformas com 21 baias de paradas de ônibus

JESSICA MARQUES

O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, recebeu nesta quarta-feira, 27 de abril de 2022, o anteprojeto do Terminal Metropolitano de Londrina, que vai atender as linhas de ônibus intermunicipais e metropolitanas do Norte do estado

O estudo foi elaborado por entidades do setor produtivo da região, que fez a doação ao Governo do Estado. O documento vai nortear o projeto executivo da obra.

Segundo o anteprojeto, o terminal será construído com 4.850 metros quadrados de área coberta em estrutura metálica e fechamento lateral em concreto armado.

Uma área de 930 metros quadrados seria destinada aos passageiros, com instalações sanitárias e de alimentação, área administrativa, atendimentos aos funcionários e motoristas e área técnica.

O restante da construção (3.920 metros quadrados) deve abrigar sete plataformas com 21 baias de paradas de ônibus.

Além disso, os acessos ao terminal serão independentes, de mão única, para não haver o cruzamento de veículos.

Também de acordo com o anteprojeto, a estrutura terá acessibilidade a pessoas com deficiência e também deve contar com uma passarela elevada para a integração com o Terminal Central.

O novo terminal deve ter, ainda, paraciclos e integração com a Rede Cicloviária de Londrina e uma cortina verde com árvores e arbustos de médio porte para minimizar os ruídos e melhorar a qualidade do ar no entorno.

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

De acordo com o anteprojeto, a construção será sustentável.

O Governo do Estado detalhou que está prevista a instalação de um sistema de captação de água da chuva na cobertura, para o reuso no terminal, e de placas fotovoltaicas para a geração de energia.

Para ampliar a resistência e durabilidade do pavimento, a indicação é pela construção de uma pista em concreto armado, em substituição ao asfalto, em frente às paradas de embarque e desembarque.

ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO

Participaram da elaboração do documento o Sinduscon (Sindicato da Indústria da Construção Civil Paraná Norte), a Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina), o Sindimetal (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Materiais Elétricos do Norte do Paraná), o Ceal (Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina) e a Sociedade Rural do Paraná.

“O novo terminal solucionaria um problema de mobilidade e traria mais segurança aos passageiros que utilizam o transporte coletivo intermunicipal e metropolitano. As pessoas que desembarcam em Londrina ou seguem para outras cidades da região utilizam os pontos de ônibus espalhados pela Avenida Arcebispo Dom Geraldo Fernandes (Leste-Oeste), no entorno do Terminal Urbano Central. Com o projeto, a chegada e saída dos ônibus ficariam concentradas em um só lugar”, informou o Governo do Estado, em nota.

O local escolhido para a implantação é um terreno de 12 mil metros quadrados em frente ao Terminal Central, que pertencia à Empresa Intercontinental de Café e está sem uso há muitos anos.

O decreto nº 9208/21, publicado em outubro do ano passado, declarou a área como de utilidade pública, prevendo a desapropriação do imóvel para construção do Terminal Metropolitano.

O Governo do Estado informou ainda que já tem o recurso disponibilizado e agora aguarda definições da medição para a aquisição do terreno. O valor não foi informado.

BALANÇO

De acordo com o Plano de Mobilidade de Londrina de 2019, cerca de 19 mil viagens eram realizadas por dia no sistema de transporte intermunicipal e metropolitano, sendo que 88% delas tinham origem ou destino em Londrina e apenas 12% cruzam a cidade.

A maior parte dos passageiros é para Cambé e Ibiporã, mas o terminal atenderia também os moradores dos municípios de Assaí, Jataizinho, Rolândia, Bela Vista do Paraíso, Sertanópolis e São Sebastião da Amoreira.

Conforme consta no plano, a maioria dos passageiros são pessoas que vão a Londrina a trabalho ou negócios, a lazer ou para estudar, sendo que o principal destino das viagens é o Centro da cidade.

Um quarto dos moradores de cidades como Cambé e Ibiporã, que são conurbadas com Londrina, trabalham no município.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta