Prefeitura de São Paulo remaneja R$ 626 milhões de superávit financeiro: R$ 6,8 milhões para corredores de ônibus

PPA até 2025 prevê R$ 23,4 bilhões para mobilidade urbana, incluindo 40 km de corredores, entre outros empreendimentos

ADAMO BAZANI

O prefeito da capital paulista, Ricardo Nunes, por meio de decreto, remanejou R$ 626 milhões (R$ 626.341.885,16) para diferentes áreas.

O dinheiro, de acordo com a publicação oficial, virá de superávit financeiro referente a 2021, ou seja, recursos que sobraram.

Conforme determina a lei, todo dinheiro arrecadado que não foi gasto em um determinado ano, deve ser aplicado no ano seguinte em investimentos.

A ação que vai receber a maior parte deste dinheiro é “Intervenção, Urbanização e Melhoria de Bairros – Plano de Obras das Subprefeituras”, com aportes de R$ 187 milhões (R$ 187.182.878,51), R$ 81 milhões (R$ 81.100.000,00), R$ 43,7 milhões (43.700.000,00), R$ 25,5 milhões (R$ 25.500.000,00), R$ 2 milhões e R$ 1,15 milhão, totalizando R$ 242 milhões (R$ 242.132.878,51).

Para “Reforma e Acessibilidade em Passeios Públicos”, serão destinados R$ 160 milhões (R$ 160.000.000,00).

“Pavimentação e Recapeamento de Vias” vai receber R$ 83,65 milhões (R$ 83.650.822,00).

Para corredores de ônibus, a fatia é bem mais modesta R$ 6,8 milhões (R$ 6.875.549,37) mas vai se somar a verbas já previstas no orçamento

Como mostrou o Diário do Transporte, no Plano Plurianual (PPA) para o quadriênio 2022-2025, a prefeitura prevê R$ 23,4 bilhões para a mobilidade.

Entre as propostas estão:

– Implantar quatro novos terminais de ônibus;

– Implantar corredores de ônibus no modelo BRT (Bus Rapid Transit) na Avenida Aricanduva e na Radial Leste;

– Viabilizar 40 quilômetros de novos corredores de ônibus;

– Implantar 50 quilômetros de faixas exclusivas de ônibus;

– Aumentar em 420 quilômetros a extensão de vias atendidas pelo sistema de ônibus;

– Garantir que 100% dos ônibus estejam equipados com acesso à internet sem fio e tomadas USB para recarga de dispositivos móveis; e

– Que, ao menos, 20% da frota seja composta por ônibus elétricos.

Até 2030, a proposta é reduzir as emissões de poluentes atmosféricos (material particulado – 90%, NOx – 80% e GEE – 50%), conforme determinações da Política de Mudança do Clima, impactando na melhoria da qualidade do ar e promovendo a gestão eficiente da Frota de Ônibus que presta serviço de transporte público no município de São Paulo.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/10/14/plano-plurianual-2022-2025-da-prefeitura-de-sp-preve-r-234-bilhoes-para-mobilidade-urbana-e-avancos-em-metas-ambientais-_programa-preve-implantar-brts-aricanduva-e-radial-leste-viabilizar-40-quilo/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta