São Roque (SP) prolonga por dois meses contrato para modelagem do projeto para concessão do sistema de ônibus

Foto: Flavio Alberto Fernandes / Ônibus Brasil

Termo assinado em 14 setembro de 2021 expira nesta semana; prefeitura prevê lançar edital para transporte coletivo em 2022

ALEXANDRE PELEGI

A prefeitura de São Roque, interior de São Paulo, publicou no Diário Oficial do Estado dessa quarta-feira, 12 de janeiro de 2022, aditamento ao contrato com empresa especializada para elaboração do projeto para concessão dos serviços do Sistema de Transporte Coletivo do município.

Como mostrou o Diário do Transporte, em agosto de 2021 a prefeitura contratou a empresa Cegeplan Consultoria Ltda por R$ 40,2 mil com prazo de validade de quatro meses.

Com o aditamento, a Cegeplan terá agora mais dois meses, até 21 de fevereiro de 2022, para concluir os trabalhos.

CONTRATO EMERGENCIAL

A empresa Jundiá Transportadora Turística Ltda opera no sistema de ônibus da cidade de forma emergencial no lugar da empresa Mirage. Como noticiou o Diário do Transporte, a prefeitura anunciou em 11 de fevereiro de 2021 a nulidade e rescisão do contrato de prestação do transporte coletivo municipal operado pela empresa Mirage Transportes.

No dia 15 de setembro de 2021 a prefeitura publicou nova contratação emergencial da Jundiá, por dispensa de licitação, para que a empresa continuasse o atendimento do serviço de transporte público municipal. O contrato foi assinado no dia 31 de julho daquele ano no valor de R$ 8.262.509,34.

LICITAÇÃO

O próximo passo será a publicação do edital de concessão, que deverá constar do relatório final apresentado pela Cegeplan.

A prefeitura, no entanto, já realizou audiência pública sobre o tema, para colher informações da comunidade sobre o futuro sistema, no dia 05 de janeiro de 2022. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2022/01/11/sao-roque-sp-avanca-em-processo-de-licitacao-do-transporte-coletivo/

Nessa audiência pública, a prefeitura apresentou os parâmetros que orientarão o edital do certame, e que deverão ser obedecidos pela empresa que assumir a concessão dos serviços.

De acordo com a prefeitura, a vencedora da licitação deve possuir 23 veículos na cidade (21 em operação e dois reservas), todos com três portas, suspensão a ar, e idade máxima de dois anos de uso no início da operação.

Dentre os planos apresentados, estão previstos para o futuro a ampliação da frota, além da reforma da atual rodoviária, a construção de terminais de transbordo no Largo dos Mendes e na Praça da República.

Há previsão ainda de se construir uma nova rodoviária fora da área central, transformando o espaço atual num terminal urbano e metropolitano.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta