Metrô de São Paulo guarda mais de 58 mil objetos perdidos em 2021

Pertences estão na Central de Achados e Perdidos da Sé. Foto: Diário do Transporte.

Ao todo, 14.049 itens foram devolvidos, o que representa 24,09% do total

JESSICA MARQUES

O Metrô de São Paulo informou, em nota, que guardou mais de 58 mil objetos perdidos em 2021. Deste total, 14.049 itens foram devolvidos, o que representa 24,09%.

A Central de Achados e Perdidos do Metrô, setor que fica na estação Sé, é o setor responsável pela guarda e devolução dos objetos que são esquecidos pelos passageiros nas estações e nos trens.

No ano passado, foram exatamente 58.320 objetos no sistema metroviário.

Por sua vez, em 2020, haviam sido recolhidos 53.398 itens e devolvidos 12.437, índice de devolução de 22,05%.

OBJETOS MAIS ESQUECIDOS

Como em anos anteriores, os cartões de plástico de bancos, clubes e escolas e os bilhetes da SPTrans continuam sendo os objetos mais deixados para trás pelos passageiros.

Além disso, também são milhares de documentos perdidos, como o RG ou a CNH, por exemplo.

Nessa lista também aparecem os porta documentos, artigos de papelaria e livraria, crachás, dinheiro, roupas, óculos, celulares, relógios, guarda-chuvas, além de outros itens.

Entre os mais inusitados, estão dentaduras e muletas que foram perdidas no Metrô.

ESTAÇÕES COM MAIS OBJETOS PERDIDOS

Também de acordo com o Metrô, as estações que mais cadastram objetos perdidos são aquelas por onde também circulam mais pessoas.

Na Linha 1-Azul, o maior número de objetos perdidos está nas estações Jabaquara, Tucuruvi e São Bento.

Já na Linha 3-Vermelha, nas estações Corinthians-Itaquera, Palmeiras-Barra Funda e Sé, que se integra com a Linha 1.

Por sua vez, na Linha 2-Verde, nas estações Paraíso, que se integra com a Linha 1, Vila Prudente, integrada a Linha 15, e Trianon-Masp. Na Linha 15-Prata, o maior índice de registros de objetos perdidos acontece nas estações Vila Prudente, integrada com a Linha 2, São Mateus e Oratório.

Por fim, na Linha 4-Amarela, que é operada pela concessionária ViaQuatro, mas que encaminha os objetos encontrados nas suas estações também para a Sé, temos as estações São Paulo-Morumbi, Butantã e Faria Lima com mais casos de objetos recolhidos.

O que fazer quando perder um objeto no Metrô?

Existem algumas maneiras para utilizar o serviço e quem sabe recuperar o que se perdeu. Em nota, o Metrô de São Paulo detalhou o passo a passo de como proceder.

Confira:

As consultas de documentos e objetos identificados podem ser realizadas por meio da Central de Informações do Metrô, pelo telefone 0800-770 7722, todos os dias, das 5h às 00 h, ou ainda pelo site do Metrô (http://www.metro.sp.gov.br). Se o objeto não tiver identificação a consulta terá que ser feita no posto de atendimento que funciona na estação Sé, de segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 7h às 20h, e pode ser acessado tanto pela área de dentro quanto pela área externa das catracas.

Todos os objetos recolhidos nas estações das linhas 1, 2, 3 e 15, operadas pelo Metrô, e da Linha 4-Amarela, que é operada pela ViaQuatro, são encaminhados para a Sé e são armazenados no local para devolução por 60 dias. Após este período, passam por triagem e os que estiverem em bom estado, além dos valores não devolvidos, são encaminhados ao Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo. Já os documentos são destinados aos respectivos órgãos emissores.

Para evitar a perda de objetos e documentos, o Metrô recomenda aos passageiros que fiquem atentos aos itens que estão sendo transportados e observem seus pertences antes do desembarque. É importante também que os objetos tenham sempre algum tipo de identificação, o que facilita a localização do proprietário e sua devolução.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. laurindo junqueira disse:

    Fato notável, embora pouco ou nada tratado pela matéria: o Metrô de SP devolve dinheiro achado (e perdido)! Nem tudo está perdido neste Brasil!

Deixe uma resposta