Governador Valadares (MG) congela tarifa do transporte coletivo pelo terceiro ano seguido e assume parte da gratuidade do sistema

Foto: Jonatas Costa da Mata / Ônibus Brasil

Passagem se mantém custando R$ 4,30 no dinheiro e R$ 3,75 para pagamento no cartão

ALEXANDRE PELEGI

Governador Valadares, em Minas Gerais, manterá o valor da tarifa do transporte coletivo inalterado pelo terceiro ano consecutivo.

A decisão do prefeito André Merlo, que vetou o aumento proposto pela Mobi, empresa que presta os serviços de transporte na cidade, foi comunicada oficialmente nesta terça-feira, 04 de janeiro de 2022.

O pedido da concessionária era de que a tarifa, hoje em R$ 4,30 para pagamento em dinheiro, subisse para R$ 5,91 – mais de 37% de reajuste.

Os estudos do valor da tarifa foram realizados pelo Departamento de Transportes, Trânsito e Sistema Viário (DTTSV) e pela MOBI, e depois encaminhados para o Conselho Municipal de Transporte e Trânsito.

O DTTSV chegou ao valor de R$5,07. Este valor foi sugerido ao prefeito após votação pelos membros do conselho, por maioria absoluta, que viam essa medida como necessária para o equilíbrio financeiro do sistema de transporte.

André Merlo, como informa comunicado da prefeitura, para não onerar os passageiros pagantes do sistema de transporte, decidiu por não autorizar o aumento.

Para não onerar o sistema, a prefeitura empenhará recursos de dotação orçamentária a fim de bancar parte da gratuidade do sistema.

Além de vetar o aumento da tarifa, o prefeito garantiu ainda que a integração segue valendo, com o passageiro podendo tomar dois ônibus pelo preço de um. Desta forma, o passageiro poderá continuar se deslocando de um bairro a outro, utilizando os terminais de integração, com 100% de desconto na segunda tarifa.

Com a medida, a prefeitura afirma manter uma das menores tarifas da região para quem utiliza cartão eletrônico do sistema de transporte (R$3,75), o que beneficia mensalmente mais de 312 mil usuários.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta