Tarifa de ônibus de Registro (SP) tem reajuste a partir deste sábado (1º)

Aumento é de cerca de 12%. Foto: Divulgação.

Valor passa de R$ 3,40 para R$ 3,80 na área urbana e de R$ 4,55 para R$ 5,10 em área rural

JESSICA MARQUES

A partir deste sábado, 1º de janeiro de 2022, o valor da passagem de ônibus de Registro (SP) terá um reajuste.

O aumento será de R$ 3,40 para R$ 3,80 na área urbana e de R$ 4,55 para R$ 5,10, em área rural, um percentual de cerca de 12%.

Segundo a Prefeitura, a medida “visa equilibrar os gastos da operação do serviço com transporte público que incluem combustível, pneus e insumos, durante o período de pandemia”.

A administração municipal cita que o óleo diesel aumentou 41,61% no período, desde março/2020 até o mês de agosto deste ano. De acordo com levantamento da Secretaria Municipal de Trânsito e Mobilidade Urbana, o litro do óleo diesel custava R$ 3,10 em março de 2020. Já em agosto de 2021, o valor do combustível subiu para R$ 4,39 por litro.

Segundo o Secretário da pasta, Edson Endo, a correção do preço foi uma medida necessária para preservar o atendimento ao público. “Sabemos que é um momento delicado para todos, considerando o contexto econômico, causado pela pandemia e que refletiu diretamente na prestação do serviço de transporte público”.

“A correção repassada ao valor da tarifa é apenas para equilibrar custo da operação com transporte público. Desse modo, a municipalidade continuará complementando os custos com o transporte público a fim de que o usuário não seja penalizado com um reajuste maior. A medida é de acordo com Decreto 3.275 de 14 de dezembro de 2021”, justifica a Prefeitura, em nota.

MUDANÇAS

A Prefeitura informou ainda que está se dedicando em oferecer melhorias constantes no transporte público. Semanalmente os horários são revisados, de acordo com as solicitações dos usuários, para atender, dentro do possível, a necessidade dos munícipes.

“Queremos melhorar a oferta dos serviços ainda mais, porém, é necessário ter responsabilidade com a aplicação dos recursos públicos, para que haja um investimento consciente e assertivo”, disse também Edson Endo.

No ano de 2019, antes da pandemia, eram transportados aproximadamente 152 mil usuários/mês, com uma receita de tarifa de aproximadamente R$ 470 mil/mês.

Já em 2020, com a crise econômica instalada, a média de passageiros caiu para 52 mil usuários/mês, uma queda de 62% no fluxo de pessoas no transporte municipal, o que representou uma receita de R$ 180 mil/mês.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta