Supressão e Paralisação de linhas da Itapemirim: Empresa diz que objetivo foi reduzir custos e maximizar resultados financeiros

Segundo ANTT, passageiros que não puderem viajar têm direito a reembolso dos bilhetes

ADAMO BAZANI

O Grupo Itapemirim respondeu no início da tarde desta quinta-feira, 30 de dezembro de 2021, solicitação de posicionamento feita pelo Diário do Transporte sobre portarias publicadas no Diário Oficial da União pelas quais, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) atende pedido das empresas Viação Itapemirim e Viação Caiçara para paralisar ou suprimir 61 linhas ou mercado que atendem. Ambas companhias pertencem ao mesmo grupo.

Relembre matéria e veja a relação das linhas e mercados neste link abaixo:

https://diariodotransporte.com.br/2021/12/30/grupo-itapemirim-tera-supressao-e-paralisacao-de-61-linhas-apos-solicitacao-a-antt/

Segundo posicionamento do grupo administrado pelo empresário Sidnei Piva de Jesus, o objetivo dos pedidos foi reduzir custos e maximizar os resultados financeiros.

A empresa ainda diz que as operações rodoviárias continuam normais.

O Grupo Itapemirim esclarece que apresentou recentemente um plano de reestruturação logístico e operacional, com o objetivo de reduzir custos e maximizar os resultados financeiros em suas rotas de longa distância. Adicionalmente, informamos que as operações rodoviárias do Grupo Itapemirim seguem de forma normal, com cobertura em mais de 2.700 destinos no Brasil e com o mesmo nível de segurança, serviço e eficiência operacional característicos da Viação Itapemirim.

A Itapemirim diz ainda que a “empresa continua com todos os mercados, pois tem sessão em todas as linhas suprimidas”. Segundo a companhia, “a medida trará rentabilidade para empresa, pois vai utilizar todas as linhas com outras no mesmo sentido e percurso”

Segundo a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), que gerencia a malha de ônibus interestaduais no Brasil, o passageiro que não puder viajar tem direito a reembolso do valor integral pago em até 30 dias do pedido. Basta preencher uma simples declaração de vontade em formulário que deve ser fornecido pela empresa de ônibus.

O Grupo Itapemirim, em recuperação judicial desde março de 2016 e com débitos que se aproximam de R$ 2 bilhões, ganhou destaque nacional ao paralisar todas as operações da ITA (Itapemirim Transportes Aéreos) em 17 de dezembro de 2021, empresa de aviação fundada pelo atual dono da Itapemirim, Sidnei Piva de Jesus

A supressões e paralisações de linhas estão autorizadas a entrar em vigor a partir de 27 de janeiro de 2022, de acordo com a publicação oficial consultada pelo Diário do Transporte

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. DeSouza disse:

    O país vive em crise desde antes do impeachment da Roussef, embalado por recessão que afetou toda a economia, e praticamente emendou com a pandemia de 2020, que tem efeitos em 2021, sem data para reverter. Então Mr Piva leva anos para perceber que sua operação rodoviária era deficitária?! Sim, porque alegar que agora está se concentrando nas linhas rentáveis é piada de mau gosto, vez que nenhuma transportadora tinha obrigação de manter linhas regulares deficitárias. Simples: não houve e não há gestão eficaz por quem foca projeto distinto do transporte. Ambição desmedida.

Deixe uma resposta