SPTrans vai receber até julho de 2022, R$ 358 milhões para gerenciar ônibus na capital paulista

Extrato do contrato foi publicado nesta quinta-feira (30)

ADAMO BAZANI

A prefeitura de São Paulo publicou de forma oficial nesta quinta-feira, 30 de dezembro de 2021, o extrato de contrato com a SPTrans (São Paulo Transporte) pelo qual vai pagar entre 1º de janeiro de 2022 e 31 de julho de 2022 para o gerenciamento do sistema de ônibus da capital paulista, o valor de R$ 358 milhões – R$ 358.948.572,00 (trezentos e cinquenta e oito milhões, novecentos e quarenta e oito mil, quinhentos e setenta e dois reais).

A contratação se dá por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes – SMT.

Além do valor da contratação, a SPTrans recebe também taxas de gerenciamento que são pagas pelas empresas de ônibus.

Este tipo de contratação é necessário porque, apesar de ter predominância da prefeitura em seu controle, a SPTrans é uma empresa de “economia mista”, uma S.A. com acionistas.

A prefeitura de São Paulo tem 99,96% das ações da SPTrans. O restante é dividido entre Governo do Estado de São Paulo (0,034%), Light Serviços de Eletricidade S.A. (0,000008%) e outros (0,000006%).

A contratação publicada nesta quinta-feira (30) prevê a “prestação de serviços especializados de gerenciamento, fiscalização, administração e engenharia de transporte, voltados ao Sistema de Transporte Urbano no âmbito do Município de São Paulo”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Max Gosslar disse:

    A SPTRANS recebe milhões para gerenciar o transporte enquanto o site Olho Vivo que deveria monitorar o sistema está abandonado e não funciona a contento há muitos anos.
    Isto faz com que os aplicativos de transporte (Moovit, Google e outros) sejam inúteis e não confiáveis. Tantos milhões pra quê ao final?

Deixe uma resposta