Prefeitura do Rio de Janeiro reabre última estação do BRT que estava fechada

Intervenção reformou e reabriu 46 estações, além de realizar outras melhorias no sistema, como o aumento da frota e a implantação do programa BRT Seguro. Foto: Divulgação.

Estação Golpe Olímpico, na Barra da Tijuca, estava fechada desde março de 2020

JESSICA MARQUES

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, a secretária municipal de Transportes, Maína Celidonio, e a interventora do BRT e diretora-presidente da Mobi.Rio, Cláudia Secin, entregaram nesta quinta-feira, 30 de dezembro de 2021, a 46ª estação do BRT reformada desde que a prefeitura assumiu a gestão do sistema BRT Rio, em março.

A estação a Golfe Olímpico, na Barra da Tijuca, estava fechada desde março de 2020 e chegou a ser destruída por um incêndio em abril deste ano.

Hoje, concluímos a entrega da 46ª estação que estava fechada e as que estão em funcionamento também vão passar por reforma. Esperamos, ao longo de 2022, encerrar esse processo de recuperação do BRT. Há medidas importantes a serem tomadas no início do ano, como a licitação da bilhetagem e a compra de 600 ônibus só para o BRT. A população pode ter certeza que estamos trabalhando firme para devolver a dignidade a quem usa o BRT“, afirmou o prefeito Eduardo Paes, em nota.

Segundo a Prefeitura, a estação Golfe Olímpico é a primeira das reabertas que possui um sistema de automação e sonorização. A catraca dos cadeirantes e as portas de rolagem para abertura e fechamento da estação, por exemplo, podem ser controladas remotamente pelo Centro de Controle Operacional (CCO) do BRT.

Além disso, alarmes serão disparados no momento em que o monitoramento do CCO identificar qualquer ação criminosa no local. O sistema de som implantado também permitirá que os passageiros sejam informados sobre incidentes que possam afetar seu deslocamento nos três corredores.

“Foi uma missão importante devolver à população 46 estações que encontramos totalmente vandalizadas, algumas incendiadas. Pedimos para que as pessoas ajudem a Prefeitura na preservação desses espaços. Essa é uma estação-piloto em nosso projeto de automação e sonorização das estações. Tem botão de pânico e um sistema que permite passar informações para os usuários, entre outras novidades“, detalhou a interventora Claudia Secin.

A primeira das 46 estações a ser reaberta foi Olaria, em junho. Entre setembro e outubro, voltaram a funcionar 19 estações da Avenida Cesário de Melo, a maioria fechada desde 2018. No total, a Prefeitura do Rio aportou R$ 24 milhões no programa de reforma das estações.

Além da recuperação e reabertura das 46 estações, foi iniciado um trabalho de revitalização em 79 estações que se encontram em operação. A Pastor José Santos, na Penha, foi a primeira em funcionamento a passar por reforma.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta