Ministro Tarcísio diz que situação da Itapemirim é grave, mas afirma que ANAC se cercou de todos os cuidados ao emitir certificado

Foto: Ricardo Botelho / Minfra

Em balanço de final de ano, ministro da Infraestrutura defendeu posição do governo, e diz que empresa aérea “tinha todas as condições de operar”

ALEXANDRE PELEGI

Em balanço de final de ano feito nesta segunda-feira, 20 de dezembro de 2021, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, defendeu a posição do governo na crise da ITA, empresa aérea do grupo Itapemirim.

Segundo o ministro, a cuja pasta está vinculado a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil, a Itapemirim “tinha todas as condições de operar e vinha até com uma proposta interessante de operação rodoviária com operação aérea”. Tarcísio afirmou que, em tese, isso era um diferencial em relação a outras companhias do setor.

Como mostrou o Diário do Transporte, a ANAC informou de forma oficial na sexta-feira (17) que suspendeu o Certificado de Operador Aéreo (COA) da ITA. A empresa, poucas horas antes, havia paralisado todos os seus voos, sob justificativa de “reestruturação interna”.

Apesar de dizer que a situação criada pelo Grupo Itapemirim é muito grave para o governo federal, Tarcísio fez questão de resguardar a ANAC, responsável pela concessão do certificado que ela mesma cassou depois.

Por fim, o ministro afirmou que no momento a preocupação do ministério é reacomodar os passageiros que foram prejudicados pela empresa aérea.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Bom dia pessoal! Sr. Ministro não acredito nesta informação.
    ANAC deve ter consultado a mãe (Diná) quem não sabia da situação desta empresa Itapemirim há muitos e muitos anos.
    Sem comentários!!!

Deixe uma resposta