Ciclovia do Rio Pinheiros ao lado da CPTM recebe sistema de sonorização e terceira fase de iluminação

Erika Sallum, que morreu em agosto, pedalando na ciclovia do Rio Pinheiros – Placa homenageia cicloativista Imagem: Reprodução/Instagram

Trecho vai da estação Granja Julieta até a Estação Santo Amaro

ADAMO BAZANI

A ciclovia que fica às margens do Rio Pinheiros recebeu neste sábado, 18 de dezembro de 2021, a terceira fase da iluminação da pista, que vai da estação Granja Julieta até a Estação Santo Amaro da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

O trecho de quatro quilômetros passa a ter 178 pontos de iluminação inteligente que, de acordo com o Estado, vão aumentar a segurança no local e também permitir a ampliação do tempo de uso da ciclovia para horas mais avançadas na noite. Ao todo, até agora, foram instalados 568 pontos de iluminação LED, ao longo de 10 km de extensão nas duas fases, sendo parte do projeto dotada com a tecnologia de Smart Lighting, que permite o gerenciamento do sistema de forma remota. Com esta nova fase, serão 14 km de ciclovia com esta tecnologia.

SONORIZAÇÃO:

Além disso, foi entrega a primeira fase do novo sistema de sonorização, com oito painéis audiovisuais em todo o trecho, sendo dois entre Miguel Yunes e Jaguaré e seis até a Ponte Estaiada. O projeto conta com uma rádio voltada para o ciclismo, a BikeFM, que fará a programação musical e em breve terá um canal de podcast sobre o tema, segundo nota do Governo do Estado.

O governador João Doria, que participou da entrega, anunciou o novo nome do espaço, que passa a se chamar Ciclovia São Paulo, e descerrou uma placa em homenagem póstuma à jornalista esportiva e ciclista Erika Sallum.

Erika Sallum morreu no dia 14 de agosto de 2021, aos 45 anos, em decorrência de um câncer contra o qual lutou por cinco anos.

Além de ser cicloativista, segundo o Portal Bike aos Pedaços, especializado na área, Erika Sallum teve atuação humanitária, inclusive colaborando com o escritório da ONU em Nova Iorque, para administração de crises no continente africano, além da atuação no escritório da Human Rights Watch na mesma cidade. Período no qual Erika concluiu seu mestrado em Relações Internacionais pela New York University, entre 2006 e 2008.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta