CAE aprova empréstimo de U$97 milhões para corredor de ônibus em São Paulo

Dinheiro virá do Banco Mundial para o Corredor BRT-Aricanduva; Plenário do Senado ainda vai analisar

ADAMO BAZANI

A CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado Federal aprovou nesta terça-feira, 14 de dezembro de 2021, que a prefeitura de São Paulo pegue emprestado do Banco Mundial US$ 97 milhões com a garantia da União para a implantação do BRT-Aricanduva, na zona Leste da cidade.

As informações são da Agência Senado.

O sistema deve ter 13,6 km de extensão e atender a quase 300 mil pessoas por dia.

Agora, a proposta para que o Senado dê aval à captação do dinheiro vai à votação no Plenário.

O pedido para análise é em regime de urgência.

O secretário-executivo da prefeitura de São Paulo, Marcelo Barbieri, a pedido do prefeito Ricardo Nunes, está em Brasília nesta terça-feira (14) acompanhando de perto a tramitação.

A expectativa é que o Plenário realize a votação ainda hoje.

BRT-ARICANDUVA:

O projeto BRT Corredor Aricanduva visa melhorar a acessibilidade para usuários do transporte público, e prevê atender 290 mil passageiros por dia, em sua extensão de 13,6 quilômetros. Seu trajeto terá início no cruzamento das avenidas e Radial Leste e Aricanduva, seguindo pelas avenidas Aricanduva e Ragueb Chohfi, até o Terminal São Mateus da EMTU, na altura da Praça Felisberto Fernandes da Silva. Também está prevista a construção de um moderno Centro de Controle Operacional que fará gestão integrada das operações de ônibus.

O corredor terá cobrança desembarcada, como no metrô. As estações serão construídas no nível do piso do ônibus para facilitar e tornar mais rápidos e acessíveis o embarque e desembarque. Tais características proporcionam aumento da velocidade média dos ônibus, ganhos de tempo de viagem e redução de custos operacionais.
Em ambos os lados do Rio Aricanduva, entre as pistas sentido bairro e centro, o projeto prevê a construção de ciclovia e passeio, que será totalmente revitalizado atendendo as normas de acessibilidade vigentes.

Além disso, o corredor também contará com sinalização semafórica inteligente, com a implantação da fibra óptica em toda sua extensão, que permitirá maior fluidez aos ônibus em seu horário de pico. Os semáforos inteligentes são capazes de monitorar o volume e o fluxo de tráfego para, então, definir o tempo de duração dos sinais verde e vermelho. A captação das informações sobre o comportamento do trânsito ajudará a definir os intervalos que os semáforos vão operar, contribuindo para a agilidade dos trajetos.

O projeto será parcialmente financiado pelo Banco Mundial, sendo US$ 97 milhões provenientes da entidade e outros US$ 24,25 milhões em contrapartidas da Prefeitura, totalizando US$ 121,25 milhões, aproximadamente.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Geraldo M. Carmo disse:

    Não existe projetos para viabilizar o tráfego de veículos, apenas semáforos e nada de construir viadutos para o trânsito fluir, somos totalmente desprezados pelos governantes, vamos deixar os carros em casa e andar de ônibus, vamos quebrar essa máfia chamada ICMS e atravessadores de venda de combustíveis, com os reservatórios entupidos, duvido que não baixarão o preço da gasolina.

Deixe uma resposta