GM do Rio detém 65 criminosos que depredavam ônibus em Copacabana

Marginais quebraram vidros e saíram pelas janelas. Agentes conseguiram deter o grupo

ADAMO BAZANI

Um grupo de aproximadamente 65 criminosos foi detido pela GM (Guarda Municipal) do Rio de Janeiro neste domingo, 12 de dezembro de 2021, por depredação de um ônibus do sistema municipal.

De acordo com a GM, os marginais quebraram os vidros e arrancaram janelas acionando indevidamente os dispositivos de saída de emergência.

O ônibus fazia a linha 474 e começou a ser atacado em Copacabana.

O bando foi levado no próprio coletivo para a 12ª DP (Copacabana), onde os marginais foram indiciados.

POR QUE CHAMAR ESTES ELEMENTOS DE CRIMINOSOS?

Muito mais que puro vandalismo, ataques a veículos de transportes coletivos, colocar em risco a integridade física de passageiros, fiscais, motoristas e cobradores, além de impedir circulação de serviço essencial, são classificados como crimes pelo Código Penal Brasil.

A lei é clara em classificar como criminoso quem comete crime.

Veja os artigos:

artigo 163 do Código Penal deixa claro que destruir inutilizar ou deteriorar o bem ou serviços de uma união, tanto estado, quanto município é considerado crime contra o patrimônio público. São enquadrados também bens privados a serviço público, que é o caso de ônibus de concessionárias e permissionárias de transporte público.

artigo 262 considera crime expor a perigo meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento. A pena é de detenção, de um a dois anos.

artigo 132, por sua vez, classifica como crime expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente.

No caso de incêndio a ônibus, outro artigo pode ser invocado.

artigo 250 descreve o delito de incêndio, que consiste na atitude de gerar um incêndio que coloque em risco a vida ou os bens de outra pessoa e cita o transporte como fatores de agravamento da pena: c) em embarcação, aeronave, comboio ou veículo de transporte coletivo; d) em estação ferroviária ou aeródromo;

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Fabio Almeida disse:

    Como estão agora? Foram presos ou saíram da delegacia pela porta da frente?

Deixe uma resposta